Nota nº 213

Declaração de Uluwatu - VI Reunião de Chanceleres do Fórum de Cooperação América Latina - Ásia do Leste (FOCALAL) - Bali, 13 a 14 de junho de 2013

14/06/2013 -

Foi realizada ontem e hoje, 13 e 14 de junho, em Bali, na Indonésia, a VI Reunião de Chanceleres do Fórum de Cooperação América Latina – Ásia do Leste (FOCALAL). Reunindo 36 países, o FOCALAL constitui o mais representativo mecanismo de diálogo político e de cooperação entre as duas regiões.

O Brasil foi representado na reunião pela Subsecretária Política II, Embaixadora Maria Edileuza Fontenele Reis. Foram discutidas medidas para dinamizar e atualizar a estrutura do Fórum. Com vistas a discutir o estado da cooperação, realizou-se o II Diálogo Birregional sobre Cooperação Internacional FOCALAL com a participação de diplomatas, acadêmicos e técnicos de alto nível das agências de cooperação.

A seguinte declaração foi aprovada por ocasião do encontro (versão em português abaixo):


ULUWATU DECLARATION
SIXTH FEALAC FOREIGN MINISTERS MEETING


Bali, 13-14 June 2013

"We, the Foreign Ministers of the Forum for East Asia and Latin America Cooperation (FEALAC) member countries, met in Bali on 13 and 14 June 2013 at the FEALAC FMM VI, which was co-chaired by the Minister for Foreign Affairs of the Republic of Indonesia, as FEALAC Regional Coordinator for East Asia, and by the Vice Minister for Foreign Affairs of the Republic of Colombia, as FEALAC Regional Coordinator for Latin America. After having substantive discussions, we adopted this “Uluwatu Declaration”.
FEALAC and the global architecture

1. We recognize that since the creation of FEALAC 12 years ago the world has undergone major changes. Globalization and interdependence are the characteristics of contemporary international relations. While there have been greater opportunities, we are also increasingly facing global challenges that affect all countries and their people and the sustainable development of all humankind, which have to be addressed in a democratic and transparent manner.

2. We further note that our world has also seen a shift in global and regional political and economic situation. New markets and players are emerging, many of whom are member countries of FEALAC. Today emerging developing countries play an important role as the engine for global economic growth and development, where FEALAC economies contribute 33.43% of the world’s GDP and 29.82% of global trade.

3. Addressing new and emerging challenges in today’s globalized and interdependent world requires efficient collaboration, cooperation and coordination among nations and other actors. This is particularly important if we are to ensure fair and inclusive globalization and development. In this context, we recognize efforts made in regional level to create new financial institutions as source of development among the countries participating in their dynamics and to address deficiensies of the current international financial architecture.

4. Within this evolving global and regional architecture, we recognize that FEALAC can play an important role in facilitating and strengthening inter-regional cooperation and collaboration between East Asia and Latin America. We will therefore work to reinvigorate our cooperation and collaboration, reducing inequalities and gaps within and among member countries and to support the attainment of sustainable, inclusive and equitable economic growth and development, including the attainment of the Millennium Development Goals in Latin America and Asian countries.

Promoting connectivity of FEALAC

5. We share the common view that in order to promote an increasing interconnectivity of our two regions, the deepening and broadening of the existing bi-regional cooperation play crucial roles. Various issues of common interest should be identified to be further explored. In light of which, we reaffirm our commitment to take effective measures of cooperation in order to overcome the needs and difficulties of states with vulnerable economies, including the landlocked developing countries and small island developing states

6. In order to ensure a fair and sustainable development, we encourage cooperation and dialogue on macroeconomic policies and development strategies among FEALAC member countries. In this regard, we welcome the outcomes of the Seminar on “Experiences of FEALAC countries in transforming growth model towards sustainable development” held in Ha Noi, Viet Nam, 5-8 June 2013.

7. Towards this end, we underline the importance of connectivity between the two regions in narrowing the distance gaps. In this regard, we support efforts to explore cooperation in air transportation by promoting direct flights and code sharing between the two region’s air carriers, as well as enhancing cooperation in sea transportation in order to facilitate greater movement of people and goods, according to international rules and law. We also encourage institutional connectivity between the two regions, including social connectivity through academic and journalist exchanges as well as business sector mobility.

8. In view of global population growth, food security and nutrition has become a central issue. We therefore support international and regional efforts to ensure provision of sufficient, affordable and nutritious food through increased international cooperation, investment, promotion of research and development in the field of sustainable agriculture and rural development in the field of sustainable agriculture, fisheries and rural development, and concerted efforts to reduce food waste. We must aim to reduce stunting for all children under five, recognizing that this is an investment in future economic and social growth.

9. We believe that Micro, Small, Medium Enterprises (MSMEs) are the backbone of the FEALAC economies and the largest source of domestic employment across all economic sectors in both rural and urban areas. The MSMEs sector also provides opportunities for women and youth to participate in the economic development of the country. We encourage the public-private sectors to develop MSMEs programmes, which contribute to the economic development and prosperity in our regions. In this regard, we support Ecuador’s initiative to develop a bi-regional centre of development of the MSMEs. We also take note of the importance of exploring possible synergies with other relevant regional forums, so as to share views on ways to enable MSMEs development.

10. We reaffirm our commitment to the promotion of cooperation in the area of education, which is an essential part of economic growth and development. As an effort to achieve greater linkage between the two regions, we support Brazil's proposal of FEALAC University Network, to identify potential fields of cooperation in science and technology and to enhance the exchange of information, knowledge and experience in research and development. We welcome the Japanese initiative on FEALAC Latin America Robot Contest in which universities in FEALAC member countries have shown interest, as an important initiative to promote science and technology as well as academic cooperation. We also welcome the Colombian proposal of FEALAC “Network of Scientific – Technological convergence”, that seeks to promote the joint and collaborative bioregional networking between research center and groups. We shall also explore collaboration focusing on technology based entrepreneurship including transfer of knowledge; joint knowledge management such as initiatives related to training and research projects; academic and business mobility including exchange of professors and students, as well as business associations in tech and laborintensive areas.

11. We recognize that natural disasters exacerbated by climate change continue to affect the economic, physical, social and environmental assets of the people in East Asia and Latin America. We therefore underline the importance of disaster risk reduction and reaffirm the necessity to further strengthening inter-regional cooperation, expanding the network of technical support and cooperation and sharing information and expertise among FEALAC members and international and regional institutions in the area of disaster risk reduction, preparedness and management. This cooperation should be in line with major multilateral agreements.

12. We emphasize the importance of supporting existing regional and national initiatives amongst FEALAC members to build resilience, as well as the need to develop collaboration between regional centers on disaster risk reduction in order to respond more effectively to any future disasters, especially in its immediate aftermath, with the aim of maximizing life-saving efforts. In this sense, a feasibility study on the possibility to develop a bi-regional early warning system is foreseen as significant. We reiterate our solidarity for the reconstruction process of respective countries seriously affected by natural disasters and reaffirm our strong commitment to share the information among FEALAC countries in a timely manner so that the recovery in trade and investment in affected countries could be duly accelerated.

13. We reaffirm our commitment to increase efforts to develop cooperation on tourism, bearing in mind that tourism creates jobs, by stimulating easier movement of tourists, promoting eco-tourism and increasing involvement of youth. All these measures are taken in line with tourism ethics, which works as a fundamental frame of reference for responsible and sustainable tourism, and such tourism aims at maximizing benefits while minimizing its potentially negative impacts on the environment, cultural heritage and societies across the globe. In this regard, it is foreseen that in the future FEALAC may develop new research to provide enhanced better understanding of the tourism industry in developing resources in the tourism sector.

14. We reaffirm our commitment to strengthen socio-cultural cooperation and promote greater people to people interactions through increasing cultural education, sports and academic exchange, parliamentarians and civil societies. We acknowledge the possibilities for greater collaborations between centers of excellence and think tanks in both regions.

15. We underline the important contribution of our private sector in developing interregional trade and investment as well as a major actor in spurring greater growth. In this regard, we will facilitate greater business connectivity and networking as well as promote regular business forums. We will also facilitate greater ease of travel and movement for our business people, in accordance with national regulations.

16. Noting the important role of media as bearer of real-time information, we share the view of promoting greater connectivity between our media institutions through media linkages and journalist visits in order to increase the visibility of FEALAC within each of its member countries and contribute to a greater presence in the world.

17. We recognize the importance of enhancing international cooperation in combating transnational organized crime. In this regard, we reaffirm our commitment to take efforts to develop closer collaboration in preventing and combating transnational organized crime, including illicit traffic in narcotic drugs and psychotropic substances, corruption, smuggling of migrants, trafficking in persons, particularly women and children, which has grave impacts on human rights, the rule of law, security and social economic development. We further acknowledge the importance of creating a safe cyberspace, including by enhancing international cooperation to combat cyber crime in the field of cyber security. With this end, we share the importance of cooperation in the field, which may include, information exchange, sharing of best practices and promotion of capacity building. We reconfirm our commitment to cooperate together in regional and multilateral for a in strengthening the fight against transnational organized crime and terrorism within the framework of the United Nations Convention against Transnational Organized Crime and its relevant protocols and relevant international instruments on counter-terrorism.

18. We recognize the potential of the South-South Cooperation and Triangular Cooperation (SSTC) as mechanisms that allow the sharing and promotion of the strengths and institutional capabilities of the countries of both regions, based on solidarity and guided by the principles of respect for national sovereignty and free from any conditionalities, to contribute to their social and economic development and to strengthen linkages between the governments, academic, productive, entrepreneurial and other relevant sectors of the region. In this regard, we support Indonesia’s initiative to build country-led knowledge hubs in the context of SSTC, which include institutional strengthening, knowledge exchange, coordination, bilateral and triangular cooperation, sustained engagement, as well as monitoring and evaluation.

19. We reaffirm our commitment to support the development of strategies on the energy sector which includes the development of clean technologies and renewable energy as well as expansion of access to energy services for people in remote areas through South- South cooperation, Triangular cooperation, encouragement for innovation and increasing peoples’ awareness on sustainable energy. In this regard, we welcome the outcome of the 2nd Asia - Pacific Water Summit held on 19-20 May 2013 in Chiang Mai, Thailand, and the forthcoming 22nd World Energy Congress, to be organized by the World Energy Council and held in Daegu, the Republic of Korea, from 13 to 17 October 2013.

FEALAC and the global challenges

20. We underscore that the ultimate goal of sustainable development is to end poverty in all its forms. We believe that achieving this objective requires that we promote sustained and inclusive economic growth with equity. With an equitable distribution, such growth will reduce inequality and meet the needs of the present without compromising the need of future generation.

21. We therefore reaffirm our commitment to fight against poverty, achieve all the MDGs and work towards an ambitious and implementable Post-2015 Development Agenda that place at its center poverty eradication, promotion of sustainable development and equitable and inclusive growth.

22. In this context, we welcome the work that has been undertaken by the UN High Level Panel of Eminent Persons on the Post-2015 Development Agenda and the report that it has submitted to the United Nations Secretary- General. Furthermore, we hope that the report would serve as an input to the intergovernmental process that is inclusive, open and transparent that aims to agree on post 2015 development agenda.

23. We recognize the importance of multilateralism in the global trading system and the commitment to achieving an open, rule-based, non-discriminatory and equitable multilateral trading system that contributes to growth, sustainable development and employment generation in all sectors. We further reiterate our commitment to concluding the WTO Doha Development Agenda of multilateral trade negotiation which places the need and the interest of all developing countries, including least developed countries, at the heart of the Doha Work Programme, and call for the necessary political will and flexibilities from all parties to achieve convergences and to break the impasse in the negotiation.

24. We are ready to work closely with other WTO Members to have a fruitful and comprehensive discussion towards a conclusion of the Doha Round negotiation in accordance with its mandate through a transparent and inclusive process with a view to upholding and safeguarding the integrity of the multilateral trading system that benefits all. In this context, we express our commitment to ensuring the success of the WTO Ministerial Meeting to be held in Bali in December 2013.

25. We reaffirm our commitment to enhance inter-regional investment and in this regard, we welcome efforts to develop innovative mechanism to promote and facilitate trade and investment flows. With the objective of improving investment flows and the overall establishment of strategic associations between firms of both regions, it is relevant to prioritize coordination efforts that target investment in each of the member countries. In this regard, we support Argentina’s proposal for the development of FEALAC Investment Opportunities Database, which will efficiently allow for member countries to post offers of investment projects seeking interregional investors.

26. We reiterate our commitment to a sustainable, inclusive economic growth by addressing global environmental challenges, strengthening resilience and improving disaster preparedness capacities. We will join our efforts and strive towards achieving a more stable climate, clean atmosphere, healthy and productive forests and oceans, which are just some of the environmental resources from which we all benefit. We reaffirm our determination to address climate change and to continue engaging constructively in the negotiations under the United Nations Framework Convention on Climate Change (UNFCCC) and the Kyoto Protocol towards a Post-2020 ambitious climate change regime.

27. We share the intention to achieving universal health coverage according to national policies and capabilities. We reaffirm the importance of cooperating closely in addressing pandemic and communicable and non-communicable diseases. In this regard, we shall explore possibilities of joint cooperation in addressing pandemic, communicable and non-communicable diseases, as well as exchange of experiences in promoting access to public health care, including joint research and development of medicine and vaccine, sharing of best practices and experiences and exchange of health practitioners.

28. We recognize the invaluable economic, social and cultural contributions of all migrant workers and members of their families. We further underline the need to identify various means to maximize development benefits and address the challenges that migration pose to countries of origin, transit and destination.

29. We reaffirmed our strong belief in multilateralism with the United Nations as its center and the commitment to uphold the principles of the United Nations Charter. We thus reaffirmed the need for a comprehensive reform of the UN, including the Security
Council, to make it more effective, democratic, accountable, efficient and transparent.

30. We reconfirm our commitment to cooperate together in regional and multilateral fora in strengthening the fight against transnational organized crime and terrorism within the framework of the United Nations Convention against Transnational Organized Crime and its three protocols and relevant international instruments on counter-terrorism.

From Santiago to Bali and Beyond

31. Since its creation, FEALAC has evolved from a forum of dialogue into a solid and stable cooperation forum linking the two regions. We reaffirm our commitments as outlined in Santiago in March 2001, in particular, to increase mutual understanding, trust and friendly cooperation among member countries. We have continuously enriched and developed ways and means to sharing experiences and best practices as well as tapping potentials for cross-sectorial cooperation, inter alia in trade, tourism and investment, science and technology, sustainable development, as well as people-to- people exchanges.

32. We welcome the recommendation proposed by FEALAC Vision Group, which aims at evaluating FEALAC cooperation, and providing future visions on how FEALAC can contribute to address global challenges as well as promoting a strong and closer cooperation among member countries. The Vision Group recommendation demonstrates the strong commitment of both regions to strengthen and deepen the bi-regional partnership of FEALAC based on openness and cooperation. This partnership shall be pursued with the purpose of contributing to what is good not only for the region but also for the world. In this context we welcome Korea’s proposal to hold FEALAC Cyber Secretariat Workshop in March 2014 to discuss follow-up measures of the Vision Group report.

33. We noted the need for strengthening FEALAC processes and institutions in order to adequately respond to global challenges and opportunities as well as enhance inter-regional cooperation. In this regard, we agreed to refocus the existing Working Groups into as follows: 1) Working Group on Socio-Political Issues,; (2) Working Group on Trade, Investment, MSMEs, Sustainable Development; (3) Working Group on Tourism, Youth, Culture, Sports; (4) Working Group on Innovation, Education, Science and Technology.

34. Noting the importance of constant monitoring of the progress of the cooperation, we underline the necessity to enhance communication between FEALAC members and therefore the need to have more interaction and explore intersessional meetings at the SOM or Deputy SOM level when necessary, strengthen the role of the Coordinating Board as well as the need to fully utilize the FEALAC Cyber-Secretariat sponsored by the Republic of Korea to facilitate online communication within FEALAC. As we recognize that continuous communication and coordination is key to strengthening and expanding FEALAC, enhancing the utilization of the FEALAC Cyber Secretariat is imperative. In the same vein, in order to increase visibility, we shall encourage member countries to create a national website of FEALAC linked with the Cyber Secretariat so as to enable the general public of FEALAC member countries to access national data and information. Appreciating the contributions made by the Cyber Secretariat to the FEALAC, we renew the request to member countries to make continuous and timely cooperation with the Cyber Secretariat (Korea), including by updating and enhancing data banks.

35. To improve our mechanism of dialogue and to advance our partnership, we believe in the significance of involving cross-sectorial institutions. Regular and timely deliberations among Focal Points are foreseen as a way and mean to achieve an effective cooperation as well as monitor progress in each working group.

36. Noting the importance of research as well as strengthening FEALAC analytical and policy recommendations, we underline the importance of cooperating closely with regional organizations, including APEC, ABAC, IDB, ADB, ASEAN, Pacific Alliance, CELAC, UNASUR, OAS and think tanks in Latin America and East-Asia.

37. In order to fully achieve its objectives and goals, FEALAC needs to transform itself into a more effective and efficient framework of bi-regional cooperation. Within this context, it is deemed necessary to evaluate finished and ongoing national projects, with a view to restructure the mechanism of work, and to establish a reliable instrument to provide data regarding various aspects of FEALAC relations. It is necessary to develop mechanisms to ensure that national projects have a wider scope of participation and transform themselves into bioregional projects in the future.

38. In achieving all the above-mentioned objectives, we, therefore, reaffirm the importance of further strengthening bi-regional cooperation, expanding the network of technical support and cooperation and sharing information and expertise among FEALAC members and international and regional institutions. As such, we tasked the FEALAC Senior Officials to coordinate the implementation and evaluation of all programs and activities agreed at this Meeting. (annexes of national projects)

Closing

39. The next Foreign Ministers’ Meeting will be held in 2015 in Costa Rica on a date to be decided by consensus.

40. We express our appreciation to the outgoing Coordinators of FEALAC, Indonesia and Colombia, and welcome the next Coordinators Thailand for East Asia and Costa Rica for Latin America.

 

* * * * *

 

DECLARAÇÃO ULUWATU
SEXTA REUNIÃO FOCALAL de Ministros dos Negócios Estrangeiros (FMM VI)
Bali, 13-14 de junho 2013

Nós, os Ministros das Relações Exteriores dos países membros do Fórum de Cooperação para América Latina e Ásia do Leste (FOCALAL), reunimo-nos em Bali, em 13 e 14 de Junho de 2013, na VI FMM do FOCALAL, que foi co-presidida pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros da República da Indonésia, Coordenador Regional do FOCALAL pela Ásia do Leste, e pelo Vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da República da Colômbia, Coordenador Regional do FOCALAL pela América Latina. Depois de mantermos discussões substantivas, adotamos essa "Declaração de Uluwatu".

FOCALAL e a arquitetura global

1. Reconhecemos que desde a criação do FOCALAL há 12 anos, o mundo sofreu grandes mudanças. A globalização e a interdependência caracterizam as relações internacionais contemporâneas. Embora tenham gerado novas oportunidades, estamos também crescentemente enfrentando desafios globais, que afetam todos os países e seus povos e o desenvolvimento sustentável de toda a humanidade, a serem abordados de forma democrática e transparente.

2. Notamos ainda que o nosso mundo tambémtestemunhoumudanças na política global e regional e na situação econômica. Novos mercados e atores estão surgindo, muitos dos quais são países membros do FOCALAL. Hoje, os países emergentes em desenvolvimento desempenham um papel importante como o motor do crescimento econômico e desenvolvimento global, para o qual as economias do FOCALAL contribuem com 33,43% do PIB mundial e 29,82% do comércio global.

3. Enfrentar desafios novos que estão surgindo no mundo globalizado e interdependente de hoje requer colaboração, cooperação e coordenação eficientes entre as nações e outros atores. Isso é particularmente importante se quisermos garantir uma globalização e um desenvolvimento justos e inclusivos. Nesse contexto, reconhecemos os esforços feitos em nível regional para criar novas instituições financeiras como fonte de desenvolvimento entre os países que participam de sua dinâmica e para lidar com as deficiências da atual arquitetura financeira internacional.

4. No contexto dessa evolução da arquitetura mundial e regional, reconhecemos que o FOCALAL pode desempenhar um papel importante na facilitação e no reforço inter-regional de cooperação e colaboração entre a Ásia do Leste e a América Latina. Trabalharemos, portanto, para revigorar a nossa cooperação e colaboração, reduzindo desigualdades e disparidades dentro dos países membros e entre eles, bem como apoiar a obtenção de crescimento e desenvolvimento econômicos sustentáveis, inclusivos e equitativos, incluindo a realização dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio na América Latina e nos países asiáticos.


Promover a conectividade de FOCALAL

5. Compartilhamos a visão comum de que, a fim de promover uma crescente interconectividade das duas regiões, o aprofundamento e ampliação da cooperação bi-regional existente desempenham um papel crucial. Várias questões de interesse comum devem ser identificadas para serem exploradas. Nessas condições, reafirmamos nosso compromisso de tomar medidas eficazes de cooperação, a fim de superar as necessidades e dificuldades dos Estados com economias vulneráveis, incluindo os países em desenvolvimento sem litoral e os pequenos Estados insulares em desenvolvimento.

6. A fim de assegurar um desenvolvimento justo e sustentável, encorajamos a cooperação e o diálogo sobre políticas macroeconômicas e estratégias de desenvolvimento entre os países membros do FOCALAL. Neste sentido, saudamos os resultados do Seminário sobre "Experiências de países do FOCALAL na Transformação do Modelo de Crescimento com vistas ao Desenvolvimento Sustentável", realizado em Hanói, no Vietnã, de 5 a 8 de junho de 2013.

7. Com esse objetivo, sublinhamos a importância da conectividade entre as duas regiões para a redução das disparidades. Nesse sentido, apoiamos esforços para explorar a cooperação em transporte aéreo por meio da promoção de vôos diretos e compartilhamento de códigos entre as transportadoras aéreas das duas regiões, bem como para aprimorar a cooperação em transporte marítimo, a fim de facilitar uma maior circulação de pessoas e bens, de acordo com os regulamentos e leis internacionais. Nós também encorajamos a conectividade institucional entre as duas regiões, incluindo a conectividade social por intermédio do intercâmbio acadêmico e jornalistico, e da mobilidade no setor empresarial.

8. À vista do crescimento da população global, a segurança alimentar e nutricional tornou-se uma questão central. Por isso, apoiamos os esforços internacionais e regionais para garantir o fornecimento de alimentos nutritivos, em quantidade suficiente e a preços acessíveis, por meio do aumento da cooperação internacional, de investimentos, da promoção da pesquisa e do desenvolvimento nos campos da agricultura sustentável, pesca e desenvolvimento rural, e esforços concertados para reduzir o desperdício de alimentos. Temos que almejar reduzir o raquitismo para todas as crianças menores de cinco anos, reconhecendo que este é um investimento no crescimento econômico e social futuro.

9. Acreditamos que as Micro, Pequenas e Médias Empresas (MPMEs) são a espinha dorsal das economias do FOCALAL e a maior fonte de emprego doméstico em todos os setores da economia, tanto em áreas rurais quanto urbanas. O setor de MPMEs também fornece oportunidades para que as mulheres e os jovens participem do desenvolvimento econômico do país. Nós encorajamos os setores público e privado a desenvolver programas para as MPMEs que contribuam para o desenvolvimento econômico e prosperidade de nossas regiões. Nesse sentido, apoiamos a iniciativa do Equador de desenvolver um centro bi-regional de desenvolvimento das MPMEs. Também tomamos nota da importância de explorar possíveis sinergias com outros foros regionais relevantes, com o objetivo de compartilhar pontos de vista sobre formas de permitir o desenvolvimento das MPMEs.

10. Reafirmamos nosso compromisso com a promoção da cooperação na área de educação, parte essencial do crescimento econômico e do desenvolvimento. Como esforço para alcançar maior articulação entre as duas regiões, apoiamos a proposta do Brasil de criar a Rede Universitária do FOCALAL, para identificar potenciais áreas de cooperação em ciência e tecnologia e melhorar a troca de informações, conhecimento e experiência em pesquisa e desenvolvimento. Acolhemos a iniciativa japonesa do Concurso Latino-Americano de Robôs do FOCALAL, para o qual universidades de países membros do FOCALAL demonstraram interesse, como uma importante iniciativa para promover a ciência e tecnologia, bem como a cooperação acadêmica. Nós também acolhemos a proposta colombiana de "Rede de Convergência Científico-Tecnológica" do FOCALAL, que visa a promover a formação de redes birregionais conjuntas e colaborativas entre centros e gruposde pesquisa. Vamos também explorar colaboração com foco no empreendedorismo de base tecnológica, incluindo transferência de conhecimento; gestão conjunta de conhecimento, como as iniciativas relacionadas com formação e projetos de pesquisa; mobilidade acadêmica e empresarial, incluindo o intercâmbio de professores e alunos, bem como associações empresariais nas áreas de tecnologia e de mão-de-obra intensiva.

11. Reconhecemos que as catástrofes naturais agravadas pelas mudanças do clima continuam a afetar os recursos econômicos, físicos, sociais e ambientais dos povos da Ásia do Leste e da América Latina. Por isso, sublinhamos a importância da redução do risco de desastres e reafirmamos a necessidade de fortalecer ainda mais a cooperação inter-regional, expandindo a rede de apoio e cooperação técnica e o compartilhamento de informações e conhecimentos entre os membros do FOCALAL e instituições internacionais e regionais na área de redução, preparação e gestão do risco de desastres. Tal cooperação deve estar em consonância com os principais acordos multilaterais.

12. Ressaltamos a importância de apoiar as iniciativas regionais e nacionais existentes entre os membros do FOCALAL para criar resiliência, bem como a necessidade de desenvolver a colaboração entre os centros regionais para redução do risco de desastres, a fim de responder de forma mais eficaz a eventuais catástrofes futuras, especialmente em suas consquências imediatas, com o objetivo de maximizar os esforços para salvar vidas. Nesse sentido, um estudo de viabilidade sobre a possibilidade de desenvolver um sistema de alerta bi-regional precoce é percebido como significativo. Reiteramos a nossa solidariedade para com o processo de reconstrução de países seriamente afetados por desastres naturais e reafirmamos nosso forte compromisso de compartilhar as informações entre os países do FOCALAL em tempo hábil para que a recuperação do comércio e do investimento nos países afetados possa ser devidamente acelerada.

13. Reafirmamos nosso compromisso de aumentar os esforços para desenvolver a cooperação no setor do turismo, tendo em conta que o turismo gera empregos, estimulando o movimento mais fácil de turistas, promovendo o ecoturismo e aumentando o envolvimento dos jovens. Todas estas medidas serão tomadas em linha com a ética do turismo, que funciona como um quadro de referência fundamental para o turismo responsável e sustentável, tendo como objetivo maximizar os benefícios e minimizar seus impactos potencialmente negativos sobre o ambiente, o patrimônio cultural e as sociedades em todo o mundo. A este respeito, prevê-se que no futuro o FOCALAL possa desenvolver novas pesquisas para ampliar o conhecimento sobre a indústria do turismo e o desenvolvimento dos recursos no setor.

14. Reafirmamos nosso compromisso de fortalecer a cooperação sócio-cultural e promover uma maior interação interpessoal por meio do aumento da educação, do intercâmbio esportivo, acadêmico de parlamentares e da sociedade civil. Nós reconhecemos as possibilidades de maior colaboração entre centros de excelência e think tanks em ambas as regiões.

15. Sublinhamos a importante contribuição do setor privado no desenvolvimento do comércio e investimento inter-regionais e como ator importante no estímulo a um maior crescimento. A esse respeito, vamos facilitar uma maior conectividade empresarial e a formaçao de redes de negócios, bem como promover regularmente forosempresariais. Também iremos facilitar viagens e deslocamento para os nossos empresários, de acordo com as legislações nacionais.

16. Notando a importância do papel dos meios de comunicação como portadores de informação em tempo real, nós compartilhamos o objetivo de promover maior conectividade entre as nossas instituições de mídia através de conexões de mídia e visitas de jornalistas, a fim de aumentar a visibilidade do FOCALAL dentro de cada um de seus países-membros e contribuir para sua maior presença no mundo.

17. Reconhecemos a importância de reforçar a cooperação internacional no combate ao crime organizado transnacional. A esse respeito, reafirmamos o nosso compromisso de envidar esforços para desenvolver uma colaboração mais estreita na prevenção e combate ao crime organizado transnacional, incluindo o tráfico ilícito de entorpecentes e de substâncias psicotrópicas, à corrupção, ao contrabando de migrantes, ao tráfico de pessoas, especialmente mulheres e crianças, que provocam graves impactos sobre os direitos humanos, o Estado de Direito, a segurança e o desenvolvimento econômico e social. Reconhecemos ainda a importância da criação de um ciberespaço seguro, inclusive por meio do aprimoramento da cooperação internacional para combater o crime cibernético. Com esse objetivo, compartilhamos a importância da cooperação no campo da segurança cibernética, que pode incluir troca de informações, intercâmbio de melhores práticas e a promoção da capacitação. Nós reafirmamos nosso compromisso de cooperarmos em foros regionais e multilaterais para reforçar a luta contra o crime organizado transnacional e o terrorismo, no âmbito da Convenção das Nações Unidas contra o Crime Organizado Transacional e seus protocolos pertinentes e dos instrumentos internacionais relevantes sobre contra-terrorismo.

18. Nós reconhecemos o potencial da Cooperação Sul-Sul e da Cooperação Triangular (SSTC) como mecanismos que permitem o intercâmbio e promoção das competências e capacidades institucionais dos países de ambas às regiões, com base na solidariedade e guiados pelos princípios de respeito à soberania nacional e livre de quaisquer condicionalidades, para contribuir para seu desenvolvimento social e econômico e fortalecer os vínculos entre os governos e os setores acadêmico, produtivo, empresarial e outros setores relevantes da região. Nesse sentido, apoiamos a iniciativa da Indonésia para a construção de centros nacionais de conhecimento no contexto da Cooperação Sul-Sul e Triangular, que incluem o fortalecimento institucional, o intercâmbio de conhecimentos, a coordenação, a cooperação bilateral e triangular, o engajamento contínuo, bem como monitoramento e avaliação.

19. Reafirmamos nosso compromisso de apoiar o desenvolvimento de estratégias no setor de energia, que inclui o desenvolvimento de tecnologias limpas e energias renováveis, bem como a expansão do acesso aos serviços de energia para as populações de áreas remotas, através da cooperação Sul-Sul, da cooperação triangular, do incentivo à inovação e da maior conscientização das populações a respeito da energia sustentável. Nesse sentido, acolhemos o resultado da II Cúpula sobre a Água da Ásia – Pacífico, realizada em 19 e 20 de maio de 2013, em Chiang Mai, na Tailândia, e o XXII Congresso Mundial de Energia, a ser organizado pelo Conselho Mundial de Energia, em Daegu, na Coreia do Sul, de 13 a 17 de outubro de 2013.

FOCALAL e os desafios globais

20. Ressaltamos que o objetivo final do desenvolvimento sustentável é erradicar a pobreza em todas as suas formas. Acreditamos que a realização desse objetivo exige que promovamos o crescimento econômico sustentado e inclusivo, com equidade. Com distribuição equitativa, esse crescimento vai reduzir a desigualdade e atender às necessidades do presente sem comprometer as necessidades das geraões futuras.

21. Nós, portanto, reafirmamos nosso compromisso de combater a pobreza, alcançar todos os ODMs e trabalhar para um acordo ambicioso e exequível da Agenda para o Desenvolvimento pós-2015, que tem como objetivo central a erradicação da pobreza, a promoção do desenvolvimento sustentável e o crescimento equitativo e inclusivo.

22. Nesse contexto, saudamos o trabalho que tem sido realizado pelo Painel de Alto Nível da ONU de Personalidades Eminentes para a Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e o relatório que foi apresentado ao Secretário-Geral. Além disso, esperamos que o relatório sirva como contribuição para o processo intergovernamental inclusivo, aberto e transparente, que visa chegar a acordo sobre a Agenda de Desenvolvimento pós-2015.

23. Reconhecemos a importância do multilateralismo no sistema de comércio global e o compromisso de alcançar um sistema de comércio multilateral aberto, baseado em regras, não-discriminatório e equitativo, que contribua para o crescimento, o desenvolvimento sustentável e a geração de empregos em todos os setores. Nós reiteramos, ainda, o nosso compromisso com a conclusão da "Agenda de Doha para o Desenvolvimento" relativa à negociação comercial multilateral, que coloca a necessidade e o interesse de todos os países em desenvolvimento, incluindo dos países de menor desenvolvimento relativo, no centro do seu Programa de Trabalho, e fazemos um chamamento à vontade política e à flexibilidade necessárias de todas as partes para alcançar convergências e para quebrar o impasse na negociação.

24. Estamos prontos para trabalhar em estreita colaboração com outros membros da OMC para ter uma discussão frutífera e abrangente, em direção à conclusão da Rodada de negociações de Doha, em conformidade com o seu mandato, por meio de um processo transparente e inclusivo, com o objetivo de manter e defender a integridade do sistema de multilateral de comércio, que beneficia a todos. Nesse contexto, nós expressamos nosso compromisso em garantir o êxito da Reunião Ministerial da OMC que será realizada em Bali, em dezembro de 2013.

25. Reafirmamos nosso compromisso com o aumento do investimento inter-regional e, neste sentido, acolhemos os esforços para desenvolver mecanismos inovadores que promovam e facilitem os fluxos de comércio e investimento. Com o objetivo de melhorar os fluxos de investimento e a criação de associações estratégicas entre empresas de ambas as regiões, é importante priorizar os esforços de coordenação que têm como meta os investimentos em cada um dos países membros. Nesse sentido, apoiamos a proposta da Argentina para o desenvolvimento do Banco de Dados de Oportunidades de Investimentos do FOCALAL para permitir que os países membros possam anunciar, de modo eficiente, ofertas de projetos de investimento buscando investidores inter-regionais.

26. Reiteramos nosso compromisso com um crescimento econômico sustentável e inclusivo, por meio do enfrentamento dos desafios ambientais globais, reforçando a resiliência e melhorando as capacidades de preparação para desastres. Uniremos nossos esforços e lutaremos para alcançar um clima mais estável, uma atmosfera mais limpa, florestas e oceanos saudáveis e produtivos, sendo esses apenas alguns dos recursos ambientais dos quais todos nos beneficiamos. Reafirmamos nossa determinação para enfrentar a mudança do clima e continuar a participar de forma construtiva nas negociações no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) e do Protocolo de Kyoto, em direção a um ambicioso regime pós-2020 para mudança do clima.

27. Nós compartilhamos a intenção de alcançar cobertura universal de saúde, de acordo com as políticas e capacidades nacionais. Reafirmamos a importância da cooperação estreita para enfrentar pandemias e doenças transmissíveis e não transmissíveis. Nesse sentido, vamos explorar as possibilidades de cooperação conjunta no enfrentamento de pandemias e doenças transmissíveis e não transmissíveis, bem como na troca de experiências em promoção do acesso ao sistema de saúde pública, incluindo pesquisas conjuntas e desenvolvimento de medicamentos e vacinas, compartilhamento de melhores práticas e experiências e promoção do intercâmbio de profissionais de saúde.

28. Reconhecemos as inestimáveis contribuições econômicas, sociais e culturais de todos os trabalhadores migrantes e dos membros das suas famílias. Destacamos ainda a necessidade de identificar vários meios para maximizar os benefícios do desenvolvimento e enfrentar os desafios que as migrações representam para os países de origem, trânsito e destino.
29. Reafirmamos nossa forte crença no multilateralismo com as Nações Unidas em seu núcleo e com nosso comprometimento em apoiar os princípios da Carta das Nações Unidas. Reafirmamos, portanto, a necessidade de uma reforma abrangente da ONU, incluindo o Conselho de Segurança, para torná-la mais efetiva, democrática, responsável, eficiente e transparente.

De Santiago de Bali e Além

30. Desde sua criação, o FOCALAL evoluiu de um fórum de diálogo para um fórum de cooperação sólido e estável que vincula as duas regiões. Reafirmamos nossos compromissos conforme delineados em Santiago, em março de 2001, em particular, o de aumentar a compreensão mútua, a confiança e a cooperação amigável entre os países membros. Temos continuamente enriquecido e desenvolvido formas e meios de compartilhar experiências e melhores práticas, bem como explorado áreas potenciais para a cooperação inter-setorial, entre outras em comércio, turismo e investimento, ciência e tecnologia, desenvolvimento sustentável, bem como o contato interpessoal.

31. Saudamos as recomendações do Grupo de Reflexão do FOCALAL, que tem como objetivo avaliar a cooperação no âmbito do FOCALAL e fornecer visões futuras sobre como o FOCALAL pode contribuir para enfrentar os desafios globais, e promover uma cooperação forte mais estreita entre os países membros. As recomendações do Grupo de Reflexão demonstram o forte compromisso de ambas as regiões em fortalecer e aprofundar a parceria birregional do FOCALAL, com base na abertura e na cooperação. Esta parceria deve ser perseguida com o propósito de contribuir para o que é bom não só para a região, mas também para o mundo. Neste contexto, saudamos a proposta da República da Coreia de realizar um Seminário da Secretaria Virtual do FOCALAL em Março de 2014 para discutir medidas de seguimento do relatório do Grupo de Reflexão.

32. Notamos a necessidade de fortalecer os processos e instituições do FOCALAL, a fim de responder adequadamente aos desafios e oportunidades globais, bem como aprimorar a cooperação inter-regional. Nesse sentido, concordamos em reorganizar os Grupos de Trabalho existentes da seguinte forma: 1) Grupo de Trabalho sobre Cooperação Sócio-política e Desenvolvimento Sustentável, e (2) Grupo de Trabalho sobre Comércio, Investimento, Turismo e MPMEs, (3) Grupo de Trabalho sobre Cultura, Juventude e Gênero, e Esportes, (4) Grupo de Trabalho sobre Ciência e Tecnologia, Inovação e Educação.

33. Observando a importância do monitoramento constante da evolução da cooperação, sublinhamos a necessidade de melhorar a comunicação entre membros do FOCALAL e, portanto, a necessidade de ter maior interação e de explorar reuniões intersessionais em nível de Altos Funcionários ou Altos Funcionários adjuntos, quando necessário; fortalecer o papel do Grupo de Coordenação, bem como a necessidade de utilizar plenamente o Secretariado Virtual do FOCALAL, patrocinado pela República da Coreia para facilitar a comunicação on-line dentro do Foro. Como reconhecemos que a contínua comunicação e coordenação são fundamentais para o fortalecimento e expansão do FOCALAL, é imperativo melhorar a utilização do Secretariado Virtual do Foro. No mesmo sentido, a fim de aumentar a visibilidade, vamos incentivar os países membros a criar sítios nacionais, ligados ao Secretariado Virtual, de modo a permitir que o público em geral dos países membros do FOCALAL possa acessar dados e informações nacionais. Ao expressar apreço pelas contribuições feitas pelo Secretariado Virtual ao FOCALAL, renovamos o pedido para que aos países membros cooperem de modo contínuo e oportuno com o Secretariado Virtual, inclusive por meio da atualização e o aperfeiçoamento dos bancos de dados.

34. Para melhorar o nosso mecanismo de diálogo e fazer avançar a nossa parceria, acreditamos na importância de envolver as instituições inter-setoriais. Debates regulares e oportunos entre os Pontos Focais estão previstos como forma e meio de alcançar uma cooperação eficaz, bem como de monitorar o progresso em cada um dos grupos de trabalho.
35. Notando a importância da pesquisa, bem como o fortalecimento das recomendações analíticas e de políticas do FOCALAL, sublinhamos a importância de uma cooperação estreita com as organizações regionais, incluindo a APEC, ABAC, o BID, BAD, ASEAN, Aliança do Pacífico, CELAC, Unasul, OEA e think tanks da América Latina e Ásia do Leste.

36. A fim de atingir plenamente seus objetivos e metas, o FOCALAL precisa transformar-se em uma plataforma mais eficaz e eficiente de cooperação birregional. Neste contexto, considera-se necessário avaliar projetos nacionais finalizados e em andamento, com vistas a reestruturar o mecanismo de trabalho e estabelecer um instrumento confiável para fornecer dados sobre vários aspectos das relações do FOCALAL. É necessário desenvolver mecanismos para assegurar que os projetos nacionais tenham escopo mais amplo de participação e transformem-se em projetos birregionais no futuro.

37. Para alcançar todos os objetivos acima mencionados, reafirmamos, portanto, a importância de fortalecer a cooperação birregional, ampliar a rede de apoio e cooperação técnica e compartilhar informações e expertise entre os membros do FOCALAL e instituições internacionais e regionais. Dessa forma, encarregamos os Altos Funcionários do FOCALAL de coordenar a implementação e avaliação de todos os programas e atividades acordados nessa reunião.

Encerramento

38. A próxima reunião de Ministros de Relações Exteriores será realizada em 2015, na Costa Rica, em data a ser decidida por consenso.

39. Expressamos nosso agradecimento aos Coordenadores do FOCALAL que estão deixando seus cargos, Indonésia e Colômbia, e damos as boas vindas aos próximos Coordenadores, Tailândia pela Ásia do Leste e Costa Rica pela América Latina.

Endereço: Palácio Itamaraty - Esplanada dos Ministérios - Bloco H -Brasília/DF - Brasil - CEP 70.170-900
Fale Conosco | Mapa do Site | Embaixadas | Consulados e Vice-Consulados | Delegações, Missões e Escritórios
Escritório de Representação: EREMINAS, ERENE, ERENOR, EREPAR, ERERIO, ERESC, ERESP, ERESUL
Legalização de documentos brasileiros: Setor de Legalização de Documentos e Rede Consular Estrangeira (SLRC). E-mail: slrc@itamaraty.gov.br