Nota nº 227

Declaração Conjunta da XII Reunião Ministerial do BASIC sobre Mudança do Clima - Brasília, Brasil, 20 e 21 de setembro, 2012

21/09/2012 -


Joint statement issued at the conclusion of the 12th BASIC Ministerial Meeting on Climate Change - Brasília, Brazil - 20th and 21st of September, 2012

The 12th BASIC Ministerial Meeting on Climate Change was held in Brasília on the 20th and 21st of September, 2012. H.E. Mr. Antonio de Aguiar Patriota, Minister of External Relations of Brazil, H.E. Ms. Izabella Teixeira, Minister for the Environment of Brazil, H.E. Mr. Xie Zhenhua, Vice Chairman of the National Development and Reform Commission of China, HE Ms. Edna Molewa, Minister of Water and Environmental Affairs of South Africa, and H.E Bellur Shamarao Prakash, Ambassador of India to Brazil, participated in the meeting.

2. Invitations to the event were extended, in line with the “BASIC-Plus” approach. Barbados was represented by Ms. Maxine McClean, Minister of Foreign Affairs and Foreign Trade; Algeria, Chair of the Group of 77 and China, by Ambassador Mourad Benmehidi, Permanent Representative of Algeria to the United Nations; Qatar, incoming President of COP-18/CMP-8, by Mr. Rashid Ahmad Al-Kuwari, Assistant General Secretary for Environmental Affairs of the Ministry of the Environment; and Argentina by Minister María Fabiana Loguzzo, Director for Environmental Issues of the Ministry of Foreign Relations and Worship.

3. Ministers once again welcomed the outcome of the United Nations Conference on Sustainable Development (Rio+20) and the adoption of the document The Future We Want, which reaffirms the Rio Principles, in particular the principle of common but differentiated responsibilities, and urges Parties to the UNFCCC and Parties to the Kyoto Protocol to fully implement their commitments, as well as decisions adopted under those agreements.

4. Ministers emphasized the active role of the Group of 77 and China in the climate change negotiations, which has been confirmed under the current leadership of the Algerian Presidency. They reiterated the importance of unity among developing countries in dealing with climate change, and reaffirmed the continuation of the “BASIC plus” approach to foster unity amongst developing countries, as well as the importance of South-South cooperation.

5. Ministers stressed that the outcome of COP-17/CMP-7, in Durban, was a carefully balanced package, which must be fully implemented in all its aspects. They reiterated their commitment to a successful outcome of COP-18/CMP-8, while expressing their full support to Qatar, as the incoming President of the Doha Climate Change Conference.

6. Ministers emphasized the centrality of the decision to initiate the second commitment period of the Kyoto Protocol on the 1st of January, 2013. They underscored that the final formal adoption of the second commitment period is a key deliverable for Doha and an essential basis for ambition within the regime. Ministers welcomed, in this regard, the progress achieved under the AWG-KP during the intersessional meetings held in Bonn and Bangkok, in May and September of 2012, including with respect to the formulation of a Group of 77 and China proposal for addressing surplus and carry-over of units from the first to the second commitment period.

7. Ministers urged Annex I Parties to present concrete information on their quantified emission reduction commitments for inscription under the second commitment period. Ministers expressed concern about the level of ambition reflected in QELROs submitted by Annex I Parties that are Parties to the Kyoto Protocol, which is far below what science requires. They reiterated that Annex I Parties that decide not to join the second commitment period of the Kyoto Protocol demonstrate an unwillingness to substantively cut their greenhouse gas emissions.

8. Ministers emphasized the importance of achieving a successful and meaningful conclusion of the AWG-LCA in Doha, as part of the Durban package. Serious engagement and substantive work are needed to reach an agreed outcome and finalize negotiations on unresolved issues mandated under the Bali Action Plan, such as equity, IPR and unilateral trade measures. Additionally, it will be necessary to reach an understanding on how to address the ongoing issues in case we are not able to conclude them in Doha.

9. Ministers stressed that key issues cannot be allowed to fall off the table in order to achieve successful closure of the AWG-LCA. This will require the consideration of different possible solutions, according to the technical or political nature of the different issues, in order to ensure their adequate treatment in appropriate technical or political bodies beyond 2012.

10. Ministers also emphasized the importance of issues related to means of implementation. This includes the consideration of sources of long-term finance and the continued scaling-up of financing in the 2013-2020 period. They also underscored the importance of concluding, in Doha, the necessary arrangements between the Conference of the Parties and the Green Climate Fund, in order to ensure that the Fund works under the authority and guidance of the Conference of the Parties.

11. Ministers emphasized that successfully concluding the work of both the AWG-KP and the AWG-LCA in Doha will be crucial to strengthen confidence among Parties and offer important definitions for the work of the Durban Platform. They welcomed the initial exploratory work carried out by the ADP and expressed the need to continue this work in Doha, in a flexible and constructive manner, providing confidence to the international community that we are implementing the Durban outcome.

12. Ministers recognized that the Durban Platform, in defining the negotiation of a Protocol, another legal instrument or an agreed outcome with legal force to come into effect in 2020, offers a clear opportunity for the strengthening of the regime, through enhanced implementation of the Convention, in order to achieve an equitable, inclusive, effective and multilateral rules based outcome. They reaffirmed that both the negotiation process and its result shall be under the Convention, and in full accordance with its principles and provisions, in particular the principles of equity and common but differentiated responsibilities and respective capabilities. They recognized that all countries should participate in an enhanced global effort to be implemented after 2020, under the UNFCCC, which would respect the principles of equity and common but differentiated responsibilities and differentiation between Annex I and non-Annex I Parties. Ministers stressed that the institutional architecture built on the basis of decisions adopted in Bali, Cancun, Durban and Doha will continue to function in the post-2020 period, as a foundation for the full implementation of the Convention.

13. Ministers noted with concern the insufficiency of mitigation pledges presented up to now by Annex I Parties, which in aggregate represent a lower mitigation potential contribution than the nationally appropriate mitigation actions presented by non-Annex I Parties. They called on Annex I Parties to do more, in line with their historical responsibilities and the demands of science, by means of participation in the second commitment period or, for those that are still unwilling to join, by adopting commitments that are fully comparable to those under the Kyoto Protocol, as part of the Bali Action Plan outcome.

14. Ministers underscored that fulfillment of obligations on the part of Annex I Parties to provide enhanced financial, technological and capacity-building support to developing countries is critical in order to allow a greater number of developing countries to come forward with their nationally appropriate mitigation actions. The current level of support available is regrettably insufficient to address even the actions already presented, as part of the Bali Action Plan.

15. Regarding the ADP workstream on ambition, Ministers stressed the centrality of the UNFCCC and the importance of its principles and provisions, in particular the principle of common but differentiated responsibilities and respective capabilities, and welcomed complementary initiatives that explore specific mitigation opportunities, while respecting these principles and provisions. They further stressed the importance of clarity on the additionality of these initiatives and on their environmental integrity.

16. Ministers reiterated their concern regarding continued unilateral action by the European Union to include international aviation in the EU Emissions Trading Scheme (EU-ETS), as well as with similar intentions regarding other sectors. This approach undermines confidence and weakens efforts to tackle climate change on a multilateral basis.

17. Ministers confirmed their support to India as host of the upcoming 11th Conference of the Parties of the Convention on Biological Diversity, and 6th Meeting of Parties to the Cartagena Protocol, to be held in Hyderabad, from the 1stto the 19th of October, 2012.

18. Ministers welcomed the offer by China to host the 13th BASIC Ministerial Meeting in November of 2012.

(versão em português)

A 12ª Reunião Ministerial do BASIC sobre mudança do clima realizou-se em Brasília, em 20 e 21 de setembro de 2012. Participaram do encontro o Embaixador Antonio de Aguiar Patriota, Ministro das Relações Exteriores do Brasil; a Senhora Izabella Teixeira, Ministra do Meio Ambiente do Brasil; o Senhor Xie Zhenhua, Vice-Presidente da Comissão de Desenvolvimento Nacional e Reforma da China; a Senhora Edna Molewa, Ministra de Recursos Hídricos e Assuntos Ambientais da África do Sul; e o Senhor Bellur Shamarao Prakash, Embaixador da Índia no Brasil.

2. Convites ao evento foram apresentados conforme a abordagem “BASIC plus”. Barbados foi representado pela Senhora Máxime McClean, Ministra de Assuntos Estrangeiros e Comércio Internacional; Argélia, Presidente do Grupo dos 77 e China, pelo Embaixador Mourad Benmehidi, Representante Permanente da Argélia junto às Nações Unidas; Catar, Presidente da COP-18/CMP-8, pelo Senhor Rashid Ahmad Al-Kuwari, Secretário-Geral Assistente para Assuntos Ambientais do Ministério de Meio Ambiente; e Argentina pela Ministra María Fabiana Loguzzo, Diretora da Direção-Geral de Assuntos Ambientais do Ministério de Relações Exteriores e Culto.

3. Os Ministros novamente saudaram o resultado da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) e a adoção do documento O Futuro que Queremos, que reafirma os Princípios do Rio, em particular o princípio das responsabilidades comuns, porém diferenciadas, e insta as Partes na UNFCCC e Partes no Protocolo de Quioto a implementarem plenamente seus compromissos, bem como decisões adotadas no âmbito desses acordos.

4. Os Ministros enfatizaram o papel ativo do Grupo dos 77 e China nas negociações sobre mudança do clima, que foi confirmado sob a atual liderança da Presidência argelina. Reiteraram a importância da unidade entre países em desenvolvimento no tratamento da mudança do clima e reafirmaram a continuidade da abordagem “BASIC plus”, para promover unidade entre países em desenvolvimento, bem como a importância da cooperação Sul-Sul.

5. Os Ministros destacaram que o resultado da COP-17/CMP-7, em Durban, foi um pacote cuidadosamente equilibrado, que deve ser plenamente implementado em todos os seus aspectos. Reiteraram seu compromisso com um resultado exitoso da COP-18/CMP-8, e demonstraram seu pleno apoio ao Catar, na qualidade de próximo Presidente da Conferência sobre Mudança do Clima de Doha.

6. Os Ministros enfatizaram a centralidade da decisão de iniciar o segundo período de compromisso do Protocolo de Quioto em 1º de janeiro de 2013. Ressaltaram que a adoção formal final do segundo período de compromisso é um resultado chave para Doha e base essencial para ambição no âmbito do regime. Os Ministros saudaram, nesse sentido, o progresso logrado sob o AWG-KP durante as reuniões intersessionais realizadas em Bonn e Bangkok, em maio e setembro de 2012, incluindo no tocante à formulação de proposta do Grupo dos 77 e China para tratamento do excedente e transferência de unidades do primeiro para o segundo período de compromisso.

7. Os Ministros instaram Partes do Anexo I a apresentarem informações concretas sobre suas metas quantificadas de redução de emissões para inscrição no segundo período de compromisso. Os Ministros expressaram preocupação ante o nível de ambição refletido em QELROs submetidas por Partes do Anexo I que são Partes no Protocolo de Quioto, que está muito abaixo do exigido pela ciência. Reiteraram que Partes do Anexo I que decidem não se juntar ao segundo período de compromisso do Protocolo de Quioto demonstram falta de vontade para reduzir substantivamente suas emissões de gases de efeito estufa.

8. Os Ministros enfatizaram a importância de lograr conclusão exitosa e significativa do AWG-LCA em Doha, como parte do pacote de Durban. Engajamento sério e trabalho substantivo são necessários para alcançar um resultado acordado e finalizar as negociações sobre questões não resolvidas definidas sob o Plano de Ação de Bali, tais como equidade, direitos de propriedade intelectual e medidas unilaterais de comércio. Adicionalmente, será necessário alcançar entendimento sobre como abordar temas ainda em curso, caso não seja possível concluí-los em Doha.

9. Os Ministros destacaram que questões chave não podem ser perdidas, a fim de alcançar encerramento exitoso do AWG-LCA. Isso requererá a consideração de diferentes possíveis soluções, de acordo com a natureza técnica ou politica de diferentes questões, de modo a assegurar seu tratamento adequado em órgãos técnicos ou políticos apropriados a partir de 2012.

10. Os Ministros também enfatizaram a importância de questões relacionadas a meios de implementação. Isto inclui a consideração de fontes de financiamento de longo-prazo e o incremento contínuo do financiamento no período de 2013 a 2020. Também sublinharam a importância de concluir, em Doha, os arranjos necessários entre a Conferência das Partes e o Fundo Verde para o Clima, com vistas a assegurar que o Fundo trabalhe sob a autoridade e orientação da Conferência das Partes.

11. Os Ministros enfatizaram que a conclusão exitosa dos
trabalhos tanto do AWG-KP como do AWG-LCA em Doha será crucial para fortalecer a confiança entre as Partes e oferecer importantes definições para o trabalho da Plataforma de Durban. Saudaram o trabalho exploratório inicial realizado pelo ADP e expressaram a necessidade de continuá-lo em Doha, de maneira flexível e construtiva, oferecendo confiança à comunidade internacional de que estamos implementando o
resultado de Durban.

12. Os Ministros reconheceram que a Plataforma de Durban, ao definir a negociação de um Protocolo, outro instrumento legal ou resultado acordado com força legal a entrar em vigor em 2020, oferece clara oportunidade para o reforço do regime, por meio da implementação fortalecida da Convenção, com vistas a alcançar um
resultado equitativo, inclusivo, efetivo e baseado em regras multilaterais. Reafirmaram que tanto o processo negociador quanto seu resultado estarão sob a Convenção e em total conformidade com seus princípios e dispositivos, em particular os princípios de equidade e de responsabilidades comuns, porém diferenciadas e respectivas capacidades. Reconheceram que todos os países devem participar em um
esforço global fortalecido após 2020, sob a UNFCCC, que respeite os princípios de equidade e de responsabilidades comuns, porém diferenciadas, bem como a diferenciação entre Partes do Anexo I e Partes não incluídas no Anexo I. Os Ministros ressaltaram que a arquitetura institucional construída com base nas decisões adotadas em Bali, Cancun, Durban e Doha seguirá em funcionamento no período pós-2020, como base para a implementação integral da Convenção.

13. Os Ministros notaram com preocupação a insuficiência das ofertas de mitigação apresentadas até o momento pelas Partes do Anexo I, que somadas representam contribuição potencial de mitigação inferior à das ações de mitigação nacionalmente apropriadas apresentadas por Partes não incluídas no Anexo I. Exortaram os países do Anexo I a fazer mais, em conformidade com suas responsabilidades históricas e as demandas da ciência, por meio da participação no segundo período de compromisso ou, para aqueles que ainda não desejam aderir, por meio da adoção de compromissos plenamente comparáveis àqueles sob o Protocolo de Quioto, como parte do resultado do Plano de Ação de Bali.

14. Os Ministros sublinharam que o cumprimento, pelas Partes do Anexo I, de suas obrigações de fornecimento fortalecido de apoio financeiro, tecnológico e de capacitação para países em desenvolvimento é crucial para permitir que um número maior de países em desenvolvimento apresentem suas ações de mitigação nacionalmente apropriadas. O atual nível de apoio disponível é lamentavelmente insuficiente, mesmo para fazer frente a ações já apresentadas, como parte do Plano de Ação de Bali.

15. Em relação ao fluxo de trabalho do ADP sobre ambição, os Ministros ressaltaram a centralidade da UNFCCC e a importância de seus princípios e dispositivos, em particular o princípio das responsabilidades comuns porém diferenciadas e respectivas capacidades, e saudaram iniciativas complementares que explorem oportunidades específicas de mitigação, respeitando esses princípios e dispositivos. Eles enfatizaram, ainda, a importância de clareza quanto a adicionalidade dessas iniciativas e sua integridade ambiental.

16. Os Ministros reiteraram sua preocupação em relação à contínua ação unilateral da União Europeia para incluir aviação internacional no Esquema de Comércio de Emissões da UE (EU-ETS), bem como em relação a intenções similares em outros setores. Essa abordagem prejudica a confiança e enfraquece os esforços para enfrentamento multilateral de mudança do clima em base multilateral.

17. Os Ministros confirmaram seu apoio à Índia como país anfitrião da vindoura 11a Conferência das Partes na Convenção sobre Diversidade Biológica e da 6a Reunião das Partes no Protocolo de Cartagena, a serem realizadas em Hyderabad, de 1o a 19 de outubro de 2012.

18. Os Ministros agradeceram a oferta da China para sediar a 13a Reunião Ministerial do BASIC, em novembro de 2012.

www.itamaraty.gov.br :: twitter.com/mrebrasil :: youtube.com/mrebrasil :: flickr.com/mrebrasil

 

 

Endereço: Palácio Itamaraty - Esplanada dos Ministérios - Bloco H -Brasília/DF - Brasil - CEP 70.170-900
Fale Conosco | Mapa do Site | Embaixadas | Consulados e Vice-Consulados | Delegações, Missões e Escritórios
Escritório de Representação: EREMINAS, ERENE, ERENOR, EREPAR, ERERIO, ERESC, ERESP, ERESUL
Legalização de documentos brasileiros: Setor de Legalização de Documentos e Rede Consular Estrangeira (SLRC). E-mail: slrc@itamaraty.gov.br