Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

https://theresurgent.com/2019/08/26/amazon-fires-bolsonaro-climatechange-environment-flames-farmers/

Gabriella Hoffman, 26/8/2019

O mundo estava quieto na semana passada até surgirem notícias sobre incêndios na floresta Amazônica, no Brasil e no exterior.

Adivinha quem foi o primeiro culpado pelo incêndio? O recém-eleito presidente brasileiro Jair Bolsonaro - que a mídia apelidou de "Trump dos trópicos". Isso é alguma surpresa?

Acontece, no entanto, que os agricultores foram responsáveis pelo início dos incêndios. (O horror, o horror!) Até o New York Times desmentiu essas alegações:
Como começaram os incêndios?

Os incêndios naturais na Amazônia são raros, e a maioria desses incêndios foi provocada por agricultores que preparam terras agrícolas adjacentes à Amazônia para as colheitas e pastagens do próximo ano.

Grande parte da terra que está queimando não era floresta tropical antiga, mas terra que já havia sido desmatada e preparada para uso agrícola.
Eles nunca ouviram falar de queimadas programadas? Manejo florestal? Claramente não.

Cantores e atores, incluindo Madonna e Jaden Smith, compartilharam fotos nas mídias sociais que foram vistas por dezenas de milhões de pessoas. "Os pulmões da Terra estão em chamas", disse o ator Leonardo DiCaprio. "A Floresta Amazônica produz mais de 20% do oxigênio do mundo", tuítou o craque Cristiano Ronaldo. "A floresta tropical da Amazônia - os pulmões que produzem 20% do oxigênio do nosso planeta - está pegando fogo", tuítou o presidente francês Emanuel Macron.

E, no entanto, as fotos não eram realmente desses incêndios, e muitas nem eram da Amazônia. A foto que Ronaldo compartilhou foi tirada no sul do Brasil, longe da Amazônia, em 2013. A foto que DiCaprio e Macron compartilharam tem mais de 20 anos. A foto compartilhada por Madonna e Smith tem mais de 30 anos. Algumas celebridades compartilharam fotos de Montana, Índia e Suécia.

Para crédito de ambos, a CNN e o New York Times desmascararam as fotos e outras desinformações sobre os incêndios. "O desmatamento não é novo nem limitado a uma nação", explicou a CNN. "Esses incêndios não foram causados pelas mudanças climáticas", observou o NYTimes.

Shellenberger também questionou a alegação da mídia de que a Floresta Amazônica é o "pulmão do mundo" - uma opinião sobre a qual os especialistas lançam grandes dúvidas.

Eu estava curioso para ouvir o que um dos principais especialistas em florestas da Amazônia do mundo, Dan Nepstad, tinha a dizer sobre a alegação dos "pulmões". "É besteira", disse ele. “Não há ciência por trás disso. A Amazônia produz muito oxigênio, mas consome a mesma quantidade por meio da respiração.

As plantas usam a respiração para converter nutrientes do solo em energia e a fotossíntese para converter luz em energia química, que pode ser usada mais tarde na respiração.

O que dizer da afirmação do The New York Times de que “Se uma área significativa da floresta tropical for perdida e não puder ser restaurada, a área se tornará savana, que não armazena tanto carbono, significando uma redução na capacidade pulmonar do planeta?”

Também não é verdade, diz Nepstad, que foi o principal autor do mais recente relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas. "A Amazônia produz muito oxigênio, mas fazendas de soja e pastagens [de gado] também".

Algumas pessoas vão, sem dúvida, afastar o mito dos "pulmões" por considerarem-no irrelevante. O ponto mais amplo é que há um aumento de incêndios no Brasil e algo deve ser feito sobre isso.

No entanto, o mito dos "pulmões" é apenas a ponta do iceberg. Considere que a CNN veicule extensa notícia com o título “Incêndios queimando a uma taxa recorde na floresta amazônica”, enquanto um importante repórter climático afirma que “Os atuais incêndios não têm precedentes nos últimos 20.000 anos”.

Esse comportamento não é novidade. Muitos da esquerda culparão seus oponentes políticos pelas crises ambientais no país e no exterior. É por isso que muitas pessoas não confiam nos democratas.

Pesquisa:
Fim do conteúdo da página