Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

50 anos do Palácio Itamaraty

50 anos do Palácio Itamaraty

  Há 50 anos, em 14 de março de 1967, realizava-se no Palácio Itamaraty a primeira recepção oficial a autoridades estrangeiras. A inauguração do Palácio foi a mais importante etapa da transferência do Ministério das Relações Exteriores para Brasília, um processo essencial para a consolidação da nova capital. Tudo começara quase dez anos antes, com as primeiras discussões internas sobre as necessidades de funcionamento da chancelaria brasileira na nova sede, e se concluiria com a transferência para Brasília de todas as unidades e todo o pessoal administrativo, em 20 de abril de 1970.

Leia mais
Arquitetura

    Embora a pedra fundamental do Palácio Itamaraty tenha sido "lançada" em 1960, a nova sede do Ministério das Relações Exteriores só começou a ser construída em 1963. Durante a obra, o gabinete do chanceler em Brasília funcionou no Ministério da Saúde, vizinho ao terreno onde se erguia o novo Palácio. O gabinete foi transferido em 11 de março, poucos dias antes da recepção oferecida no dia 14 de março às delegações estrangeiras vindas a Brasília para a posse de Artur da Costa e Silva.

Leia mais
Design

      Os diversos salões de recepção, salas de reuniões e gabinetes do Palácio Itamaraty e autoridades representavam um problema extremamente complexo: os interiores deveriam ao mesmo tempo adequar-se ao cerimonial diplomático internacional; representar a criação nacional contemporânea; apresentar características genuinamente brasileiras; e atender às necessidades de funcionalidade e conforto do trabalho diário.

Leia mais
Obras de arte

    O Palácio Itamaraty e o novo bloco de escritórios, de 8 andares, representaram a oportunidade para a formação de um acervo com exemplos do que de melhor se realizou na arte brasileira, desde o barroco até a atualidade. Destacam-se, nesse conjunto, as obras de arte integradas à estrutura. Algumas, como os pisos e murais de Athos Bulcão e Sérgio Camargo, enriquecem os ambientes com jogos sutis de padrões e relevos.

Leia mais
 
 
Fim do conteúdo da página