Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Liga dos Estados Árabes

leaA Liga dos Estados Árabes (LEA), criada em 1945, 

tem sua sede na cidade do Cairo. A organização conta com 22 membros: Arábia Saudita, Argélia, Bahrein, Catar, Comores, Djibouti, Egito, Emirados Árabes Unidos, Iêmen, Iraque, Jordânia, Kuwait, Líbano, Líbia, Marrocos, Mauritânia, Palestina, Síria (suspenso), Omã, Somália, Sudão e Tunísia. A área dos estados membros corresponde a 13.953.041 km², com a população de 386,2 milhões de habitantes. O atual Secretário Geral da Liga é o egípcio Ahmed Abul Gheit. 

O principal órgão decisório é o Conselho da Liga, no qual todos os membros estão representados e que se reúne, em princípio, duas vezes por ano, podendo também reunir-se extraordinariamente. A Presidência do Conselho é ocupada em caráter de rodízio semestral pelos membros da LEA. As Cúpulas da Liga ocorrem em frequência anual.

O Presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi o primeiro Chefe de Estado brasileiro a visitar a sede da Liga, em dezembro de 2003. Em 2005, o Secretário-Geral da LEA anunciou a decisão de reabrir a Missão da Liga em Brasília (fechada desde 1995) e nomear um representante residente. Em janeiro de 2009, o Decreto n.º 6.733 promulgou o Acordo de Sede entre o Brasil e a LEA (assinado no Cairo em abril de 2007) que permitiu a reabertura física de sua representação em Brasília.

O Brasil e a Liga Árabe têm intensificado os contatos políticos e vínculos institucionais. Trabalham em conjunto na organização das Cúpulas ASPA (América do Sul-Países Árabes) – onde atuam, respectivamente, como coordenadores dos países sul-americanos e árabes. Em 2014, o Conselho da Liga concordou em acreditar o Embaixador do Brasil no Egito como Representante Especial do Brasil junto à Liga dos Estados Árabes, significativo passo para o estreitamento das relações do Brasil com aquela organização e com os países árabes.

O Brasil está representado em 17 dos 22 países árabes que integram a Liga, exatamente os mesmos que possuem Embaixadas em Brasília, à exceção do Iêmen, que é o único país árabe que possui Embaixada em Brasília e no qual o Brasil não possui Embaixada residente. Não têm Embaixada em Brasília: Bareine, Djibuti, Comores e Somália. Desde 2003, foram abertas Embaixadas em Doha, Cartum, Mascate e Nouakchott, reaberta a Embaixada em Bagdá e aberto o Escritório em Ramala.

De 2005 a 2016, o comércio com os países da Liga Árabe passou de US$ 10,5 bilhões para US$ 16,7 bilhões (saldo de US$ 6,2 bilhões para o Brasil em 2016).

{backbutton}

Fim do conteúdo da página