Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

 

leaA Liga dos Estados Árabes (LEA), criada em 1945, 

tem sua sede na cidade do Cairo. A organização conta com 22 membros: Arábia Saudita, Argélia, Bahrein, Catar, Comores, Djibouti, Egito, Emirados Árabes Unidos, Iêmen, Iraque, Jordânia, Kuwait, Líbano, Líbia, Marrocos, Mauritânia, Palestina, Síria (suspenso), Omã, Somália, Sudão e Tunísia. A área dos estados membros corresponde a 13.953.041 km², com a população de 386,2 milhões de habitantes. O atual Secretário Geral da Liga é o egípcio Ahmed Abul Gheit. 

O principal órgão decisório é o Conselho da Liga, no qual todos os membros estão representados e que se reúne, em princípio, duas vezes por ano, podendo também reunir-se extraordinariamente. A Presidência do Conselho é ocupada em caráter de rodízio semestral pelos membros da LEA. As Cúpulas da Liga ocorrem em frequência anual.

O Presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi o primeiro Chefe de Estado brasileiro a visitar a sede da Liga, em dezembro de 2003. Em 2005, o Secretário-Geral da LEA anunciou a decisão de reabrir a Missão da Liga em Brasília (fechada desde 1995) e nomear um representante residente. Em janeiro de 2009, o Decreto n.º 6.733 promulgou o Acordo de Sede entre o Brasil e a LEA (assinado no Cairo em abril de 2007) que permitiu a reabertura física de sua representação em Brasília.

O Brasil e a Liga Árabe têm intensificado os contatos políticos e vínculos institucionais. Trabalham em conjunto na organização das Cúpulas ASPA (América do Sul-Países Árabes) – onde atuam, respectivamente, como coordenadores dos países sul-americanos e árabes. Em 2014, o Conselho da Liga concordou em acreditar o Embaixador do Brasil no Egito como Representante Especial do Brasil junto à Liga dos Estados Árabes, significativo passo para o estreitamento das relações do Brasil com aquela organização e com os países árabes.

O Brasil está representado em 17 dos 22 países árabes que integram a Liga, exatamente os mesmos que possuem Embaixadas em Brasília, à exceção do Iêmen, que é o único país árabe que possui Embaixada em Brasília e no qual o Brasil não possui Embaixada residente. Não têm Embaixada em Brasília: Bareine, Djibuti, Comores e Somália. Desde 2003, foram abertas Embaixadas em Doha, Cartum, Mascate e Nouakchott, reaberta a Embaixada em Bagdá e aberto o Escritório em Ramala.

De 2005 a 2016, o comércio com os países da Liga Árabe passou de US$ 10,5 bilhões para US$ 16,7 bilhões (saldo de US$ 6,2 bilhões para o Brasil em 2016).


Reportar erro
 
 
Fim do conteúdo da página