Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página
Política Externa

 

Grupo dos 20 foi criado em 1999, no contexto das crises

 de balanço de pagamentos em economias emergentes, que tiveram início em meados daquela década. É um foro para a cooperação internacional em temas econômicos e financeiros, congregando países desenvolvidos e em desenvolvimento com projeção sistêmica na economia mundial, para diálogo e cooperação centrados em temas financeiros. Por nove anos, o G20 funcionou em nível de Ministros de Finanças.

Em 2008, o então Presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, convidou os Líderes do G20 para reunião em Washington.

A iniciativa sinalizou interesse e necessidade de cooperação internacional mais ampla, além do marco delimitado pelo G8 (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão, Reino Unido e Rússia), para dar uma resposta mais eficaz à crise gerada nas economias desenvolvidas a partir daquele ano. O G20 consolidou-se como foro de Chefes de Estado e Governo, que se reúne anualmente, com objetivos mais ambiciosos do que o encontro de Ministros.

Além do Brasil, o G20 tem os seguintes integrantes: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Canadá, China, República da Coreia, Estados Unidos, França, Índia, Indonésia, Itália, Japão, México, Reino Unido, Rússia, Turquia e União Europeia. Os países que integram o G20 representam 90% do PIB mundial, 80% do comércio internacional e 2/3 da população mundial e 84 % da emissão de gases de efeito estufa.

O G20 não é uma organização internacional, diversamente do que ocorre com o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial. Por essa razão, não possui secretariado permanente nem recursos próprios. A tarefa de preparação e seguimento dos entendimentos é assumida pelo país que exerce a presidência de turno – que muda anualmente, em rotação baseada em grupos de países, buscando alternância entre regiões geográficas e entre países desenvolvidos e emergentes.

Dentre os principais objetivos do G20 estão: coordenar políticas entre seus membros para promover o crescimento sustentável e a estabilidade econômica; promover regulação financeira que reduza o risco de futuras crises financeiras e reformar a arquitetura financeira internacional.

Os trabalhos preparatórios e de seguimento às cúpulas são subdivididos em dois trilhos. O trilho dos representantes pessoais dos líderes (“sherpas”) é coordenado pelo Itamaraty e o de Ministros de Finanças, pelo Ministério da Fazenda. O “sherpa” brasileiro é o Subsecretário-Geral de Assuntos Econômicos e Financeiros, Embaixador Carlos Márcio Bicalho Cozendey, que é assessorado pelo Diretor do Departamento de Assuntos Financeiros e de Serviços, Norberto Moretti.


Reportar erro
Pesquisa:
 
 
Fim do conteúdo da página