Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

the-world-bankO Banco Mundial é uma organização internacional que

surgiu da Conferência de Bretton Woods (1944) para atender às necessidades de financiamento da reconstrução dos países devastados pela Segunda Guerra Mundial. O nome oficial da instituição criada em Bretton Woods era "Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento" (BIRD). A instituição, que se capitalizou a partir da venda de títulos ao mercado garantidos pelos países membros, mudou gradualmente seu foco para os países em desenvolvimento, muitos dos quais se tornaram nações independentes no pós-Guerra.

A estrutura da organização tornou-se mais complexa e deu origem a outras instituições – que hoje conformam o grupo Banco Mundial – criadas para suprir demandas que o BIRD não podia atender. Em 1956, surgiu a Corporação Financeira Internacional (CFI), com o objetivo de promover a expansão do investimento privado nos países em desenvolvimento. Seguiu-se, em 1960, a criação da Associação Internacional de Desenvolvimento (AID), que tornou possível a concessão de empréstimos aos países mais pobres que não preenchiam as condições para aceder aos empréstimos concedidos pelo BIRD. Entre os países em desenvolvimento, o Brasil tem sido um dos maiores doadores da AID.

O Centro Internacional para Arbitragem de Disputas sobre Investimentos (CIADI) e a Agência Multilateral de Garantia de Investimentos (AMGI) foram criadas respectivamente em 1966 e 1988, dentro da perspectiva de alavancar o investimento estrangeiro nos países em desenvolvimento.

O Banco Mundial tornou-se uma referência importante por suas análises e experimentos relacionados ao processo de desenvolvimento. A instituição já foi alvo de críticas, por financiar projetos que provocaram desastres ambientais ou desconsideraram impactos sociais. O Banco Mundial, entretanto, sofisticou seus procedimentos para elaboração, análise e seguimento dos projetos que financia. Para os mais pobres países em desenvolvimento do mundo, os planos de assistência do Banco são baseados em estratégias de redução da pobreza.

O êxito econômico de muitos países em desenvolvimento, que hoje têm acesso a fontes de financiamento privado para seus investimentos, encorajou o Banco Mundial a reorientar seu foco priorizando os países mais necessitados. Temáticas como a proteção ao meio ambiente e a mudança do clima passaram a figurar com destaque na agenda da instituição.

A estrutura organizacional do Banco Mundial assemelha-se à do FMI, com uma Assembleia de Governadores, onde o poder de voto é distribuído de acordo com a participação de cada país como garante do capital do Banco em caso de inadimplência, (algo que nunca ocorreu), e um Conselho de 25 Diretores, eleito a cada dois anos pelos 188 diretores. A Diretoria integrada pelo Brasil também representa os seguintes países: Colômbia, Equador Filipinas, Guiana, Haiti, República Dominicana, Suriname e Trinidad e Tobago.

Em 2010, o poder de voto no Banco Mundial foi revisto para aumentar a voz dos países em desenvolvimento. Os países com maior poder de voto são, no momento, os Estados Unidos (com poder de veto), Japão, China, Alemanha, o Reino Unido, França, e Índia. Brasil, Coreia do Sul, Espanha, Índia, México e Turquia, dentre outros, obtiveram ganhos significativos.

As diretrizes políticas do Banco Mundial são discutidas e aprovadas em reuniões bianuais (abril e outubro) de nível ministerial no âmbito do Comitê de Desenvolvimento. O Comitê é composto por 25 membros, refletindo a composição do Conselho de Diretores.

Fim do conteúdo da página