Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página
50

A Presidenta Dilma Rousseff realizará visita a Hannover entre os dias 4 e 6 de março, quando participará da inauguração da Feira Internacional de Tecnologia de Informação, Telecomunicações, Software e Serviços (CeBIT) e se reunirá com a Chanceler Federal da Alemanha, Angela Merkel. Acompanhará a visita delegação empresarial composta por cerca de 200 pessoas.

O Brasil será país-tema da edição de 2012 da CeBIT, da qual participarão mais de 4200 expositores de 70 países e que, estima-se, será visitada por cerca de 350 mil pessoas. A atenção conferida ao Brasil na feira criará oportunidades de negócios para empresas produtoras de tecnologias de informação e comunicação. O Brasil é o sexto maior mercado consumidor dessas tecnologias no mundo.

A visita da Presidenta da República à Alemanha contribuirá para intensificar o relacionamento econômico bilateral, fortalecendo o componente de inovação e estimulando novas formas de parceria, especialmente entre pequenas e médias empresas. A Alemanha é o quarto principal parceiro comercial do Brasil. O volume de comércio entre os dois países superou US$ 24 bilhões em 2011, o que corresponde a aumento de 17,6% em relação ao ano anterior.

A Alemanha é um dos principais parceiros do programa “Ciência sem Fronteiras”, que concretiza o potencial existente na convergência das vertentes econômica e científico-tecnológica das relações bilaterais. Até 2014, mais de dez mil bolsistas brasileiros estudarão em instituições alemãs.

A Presidenta Dilma Rousseff e a Chanceler Federal Angela Merkel examinarão o aprofundamento da Parceria Estratégica Brasil-Alemanha, estabelecida em 2002. Além de educação, ciência, tecnologia e inovação, temas como desenvolvimento sustentável, energia e infraestrutura são centrais na cooperação bilateral.

Serão igualmente tratados assuntos de interesse global, como a Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), a atuação do G-20 diante da situação financeira internacional e a reforma das instituições políticas e econômicas de governança global.


 Mais sobre as relações bilaterais Brasil-Alemanha

Fim do conteúdo da página