Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página
402

A Presidenta da República realizará visita oficial a Angola, no dia 20 de outubro. Na ocasião, manterá encontro de trabalho com o Presidente José Eduardo dos Santos.

Em junho de 2010, Brasil e Angola assinaram Acordo de Parceria Estratégica que definiu áreas de interesse recíproco e prioridades em termos de cooperação técnica, concertação política e integração econômica. A visita da Presidenta Rousseff possibilitará a retomada de contatos bilaterais do mais alto nível, reiterando a prioridade atribuída pelo Brasil a Angola, à CPLP e à África.

O Brasil foi o primeiro país a reconhecer a independência de Angola, e desde então, o relacionamento bilateral continua a evoluir de forma significativa e positiva. A cooperação entre os dois países é crescente, incluindo projetos em saúde, educação, agricultura, mineração, petróleo e de fortalecimento institucional.

Os investimentos brasileiros em Angola concentram-se nas áreas de construção civil, mineração e petróleo. O extraordinário crescimento econômico angolano nos últimos anos (12,1% ao ano em média, no período 2002-2010) demonstra, ademais, haver grande potencial de incremento das relações econômico-comerciais entre os dois países.

Angola é um dos maiores parceiros comerciais do Brasil na África. Entre 2002 e 2008, a corrente de comércio bilateral cresceu mais de vinte vezes, chegando a US$ 4,21 bilhões, com exportações brasileiras de US$ 1,9 bilhão (+62,1% em relação a 2007) e importações de US$ 2,2 bilhões (+136,3%). Em 2010, o fluxo comercial chegou a US$ 1,44 bilhão e Angola permaneceu na quinta posição entre os principais parceiros econômicos do Brasil no continente africano.

O Brasil, por sua vez, encontra-se entre os cinco maiores parceiros comerciais de Angola, ao lado de China, EUA, França e Portugal; importando majoritariamente petróleo e exportando, principalmente, automóveis, tratores, máquinas, aparelhos, instrumentos mecânicos, mobiliário, carnes, açúcares, combustíveis e, crescentemente, serviços.


Mais sobre as relações bilaterais Brasil-Angola

Fim do conteúdo da página