Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página
107

Os governos da Argentina, do Brasil, do Canadá, do Chile, da Colômbia, da Costa Rica, da Guatemala, de Honduras, do Panamá, do Paraguai e do Peru, membros do Grupo de Lima:

1) Expressam seu pleno respaldo ao processo constitucional e popular empreendido pelo povo venezuelano, sob a liderança do Presidente Encarregado, Juan Guaidó, para recuperar a democracia na Venezuela; e rechaçam que tal processo seja qualificado como golpe de Estado.

2) Exigem o pleno respeito à vida, à integridade de à liberdade de todos os venezuelanos e, em particular, de todos os membros da Assembleia Nacional e de todos os líderes das forças políticas democráticas venezuelanas, assim como a liberação imediata dos presos políticos.

3) Renovam seu chamado à Força Armada Nacional da Venezuela para que manifeste sua lealdade ao Presidente Encarregado, Juan Guaidó, na função constitucional de seu Comandante em Chefe; e para que, fiéis ao seu mandato constitucional de estar a serviço da Nação e não de uma pessoa, cessem de servir como instrumentos do regime ilegítimo para a opressão do povo venezuelano e a violação sistemática de seus direitos humanos.

4) Advertem Nicolás Maduro a cessar a usurpação, para que possa começara a transição democrática, a normalização constitucional e a reconstrução econômica e social da Venezuela.

5) Advertem para a responsabilidade direta de Nicolás Maduro e dos grupos armados e de inteligência a serviço de seu regime ilegítimo pelo uso indiscriminado da violência para reprimir o processo de transição democrática e o restabelecimento do Estado de direito na Venezuela.

6) Instam a comunidade internacional a seguir com atenção a evolução dos acontecimentos e a oferecer seu apoio político e diplomático às legítimas aspirações do povo venezuelano de voltar a viver em democracia e liberdade, sem a opressão do regime ilegítimo e ditatorial de Nicolás Maduro.

7) Declaram-se em sessão permanente e decidem reunir-se presencialmente na próxima sexta, dia 3 de maio, em Lima (Peru).

Fim do conteúdo da página