Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página
419

I. COMUNICADO CONJUNTO DOS ESTADOS PARTES E ESTADOS ASSOCIADOS DO MERCOSUL

II.  COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E BOLÍVIA

III. DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA SOBRE CORREDORES BIOCEÂNICOS

IV. PROTOCOLO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS DO MERCOSUL

V.  ACORDO DO MERCOSUL SOBRE DIREITO APLICÁVEL EM MATÉRIA DE CONTRATOS INTERNACIONAIS DE CONSUMO


I. COMUNICADO CONJUNTO DOS ESTADOS PARTES E ESTADOS ASSOCIADOS DO MERCOSUL

Os Estados Partes e os Estados Associados do MERCOSUL, reunidos na cidade de Brasília, República Federativa do Brasil, no dia 21 de dezembro de 2017, por ocasião da LI Reunião Ordinária do Conselho do Mercado Comum (CMC):

Ressaltaram que a plena vigência das instituições democráticas e a observância dos direitos humanos e liberdades fundamentais são condições essenciais para o processo de integração regional.

Reafirmaram seu compromisso com o aprofundamento da integração regional para contribuir com o desenvolvimento econômico e social, a melhoria da qualidade de vida, a erradicação da fome e da pobreza em nossas sociedades e a geração de condições propícias para maior participação política de todos os setores envolvidos na integração.

Reafirmaram o compromisso da América Latina e Caribe como zona de paz baseada no respeito ao Direito Internacional e nos princípios e propósitos da Carta da Organização das Nações Unidas.

Destacaram a importância de aprofundar a dimensão social do MERCOSUL mediante a implementação do Plano de Ação 2017-2018 da Reunião de Ministros e Altas Autoridades de Desenvolvimento Social do MERCOSUL (RMADS) e do Plano de Trabalho 2017-2019 da Comissão de Coordenação de Ministros de Assuntos Sociais do MERCOSUL (CCMASM).

Congratularam-se pela conclusão do processo de revisão e avaliação do Plano Estratégico de Ação Social (PEAS), com a consequente publicação do Relatório "Avaliação dos Avanços na Implementação do Plano Estratégico do PEAS" pelo Instituto Social do MERCOSUL (ISM).

Saudaram a nomeação do novo Diretor-Executivo do Instituto Social do MERCOSUL (ISM), Embaixador José Eduardo Martins Felicio, e destacaram a importância de dotar o ISM de recursos humanos, técnicos e financeiros adequados ao cumprimento de suas atribuições. Nesse sentido, realçaram a importância do Projeto "MERCOSUL Social: Fortalecimento do Instituto Social do MERCOSUL e Consolidação do Plano Estratégico de Ação Social", aprovado e financiado no âmbito do Programa IV do FOCEM: “Fortalecimento da Estrutura Institucional e do Processo de Integração".

Agradeceram o Embaixador José Augusto Lindgren Alves pelo trabalho dedicado e exitoso como Secretário Executivo do Instituto de Políticas Públicas de Direitos Humanos do MERCOSUL, e desejaram êxito ao senhor Juan Miguel González Bibolini, que estará à frente do Instituto no próximo mandato.

Felicitaram o senhor Facundo Landívar por sua designação como primeiro Coordenador Executivo da Unidade de Comunicação e Informação do MERCOSUL e destacaram a relevância da Unidade para o pleno desenvolvimento e execução da Política Comunicacional do MERCOSUL.

Destacaram a importância de promover maior mobilidade acadêmica e de aprofundar a cooperação educacional de nível primário, secundário e superior.

Reconheceram a importante presença da comunidade afrodescendente na região e a necessidade de avançar na implementação efetiva e permanente do Plano de Ação da Década Internacional dos Afrodescendentes, declarada pelo Sistema das Nações Unidas (Reconhecimento- Justiça- Desenvolvimento), especialmente no que concerne ao combate ao racismo e a todas as formas de discriminação que continuam a afetar as pessoas afrodescendentes em nossas sociedades.

Destacaram, no âmbito da Reunião de Ministros da Cultura, o lançamento do Mapa de Residências Artísticas e dos Cadernos da Diversidade.

Reconheceram a relevância conferida ao combate do tráfico ilícito de bens culturais, no entendimento de que o patrimônio cultural é expressão simbólica inequívoca de nossa integração regional.

Encorajaram os Ministros e as Altas Autoridades em Gestão Integral de Riscos e Desastres do MERCOSUL a continuar trabalhando, de forma coordenada, na redução e na prevenção de desastres, bem como na assistência humanitária na região, conforme as prioridades estabelecidas no Marco de Sendai para a Redução do Risco de Desastres 2015-2030.

Entenderam que é prioritário o fortalecimento, a plena independência e a autonomia dos sistemas de Defensoria Pública Oficial no âmbito nacional, provincial, estadual e/ou departamental, com o propósito de garantir o efetivo acesso à justiça das pessoas em condição de vulnerabilidade. Nesse contexto, comprometeram-se a incentivar e fortalecer a independência técnica e a autonomia funcional e financeira das defensorias públicas oficiais, com a garantia de serviço eficaz e gratuito, livre de qualquer ingerência, intervenções ou controles por parte de outros poderes do Estado.

Comprometeram-se a continuar dando impulso à integração fronteiriça em todos os seus âmbitos: educação, saúde, trabalho, segurança, acesso à justiça, migração, entre outros. Continuar-se-á privilegiando as regiões de fronteira como espaço compartilhado para o intercâmbio cultural, social e econômico entre os povos.

Manifestaram seu firme compromisso com a prevenção, o combate e a eliminação da fabricação e do tráfico ilícitos de armas de fogo, munições, explosivos e outros materiais relacionados. Salientaram, dessa forma, as atividades do Grupo de Trabalho sobre Armas de Fogo e Munições do MERCOSUL, as quais têm permitido aprimorar a coordenação e a cooperação regionais, com vistas a implementar políticas, estratégias e programas comuns e permitir o intercâmbio de informações e boas práticas.

Expressaram satisfação com o entendimento entre as administrações aduaneiras de Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai, Bolívia, Chile e Peru para o desenvolvimento conjunto de um Programa Regional de Operador Econômico Autorizado (OEA).

Reafirmaram os termos da "Declaração dos Presidentes dos Estados Partes do MERCOSUL, da República da Bolívia e da República do Chile, assinada em 25 de junho de 1996, em Potrero de los Funes, República Argentina, denominada "Declaração sobre as Malvinas", e reiteraram seu respaldo aos legítimos direitos da República da Argentina na disputa da soberania relativa à Questão das Ilhas Malvinas.

Agradeceram a Presidência Pro Tempore Brasileira do Foro de Consulta e Concertação Politica (FCCP) pelo acompanhamento realizado das reuniões e encorajaram a busca de maior articulação com as distintas reuniões ministeriais, reuniões de altas autoridades e grupos especializados do MERCOSUL em matéria político-social.

 


II. COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E BOLÍVIA


Os Presidentes dos Estados Partes do MERCOSUL, Mauricio Macri, pela República Argentina; Michel Temer, pela República Federativa do Brasil; Horacio Cartes, pela República do Paraguai; e Tabaré Vázquez Rosas, pela República Oriental do Uruguai, bem como o Presidente do Estado Plurinacional da Bolívia, Evo Morales Ayma, reunidos em Brasília, em 21 de dezembro de 2017, por ocasião da LI Cúpula de Presidentes do MERCOSUL:

  1. Ratificaram que a plena vigência das instituições democráticas é condição essencial para o desenvolvimento do projeto de integração. Nesse sentido, coincidiram na importância do acompanhamento da situação democrática dos países da região.

  2. Reiteraram seu firme compromisso com os princípios que nortearam a criação do MERCOSUL: integração econômica e comercial, fortalecimento da democracia e o respeito aos direitos humanos.
  1. Congratularam-se pela adoção do Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL, acordo que criará oportunidades de negócios para as nossas empresas e beneficiará nossos trabalhadores, ampliando o universo de fornecedores dos nossos órgãos públicos, reduzindo custos e dotando de maior transparência e competitividade todo o universo das contratações públicas.
  1. Saudaram a exitosa conclusão do Plano de Ação para o Fortalecimento do MERCOSUL Comercial e Econômico, cuja execução levou a melhorias efetivas na fluidez do comércio regional, e reiteraram os compromissos de evitar os entraves ao comércio entre os países do bloco e de continuar na busca de soluções para os temas ainda pendentes.
  1. Felicitaram-se pela adoção de novo marco normativo para elaboração e revisão de regulamentos técnicos no âmbito do MERCOSUL, que permitirá alinhar o bloco aos mais avançados padrões e práticas internacionais, em benefício dos cidadãos, consumidores e empresas do MERCOSUL.
  1. Acolheram com satisfação a atualização da agenda de trabalho do MERCOSUL, que voltou a tratar de temas relevantes como comércio eletrônico e liberalização de serviços, e deu início, ademais, ao tratamento de questões novas e prementes, como a proteção recíproca de indicações geográficas e a facilitação do comércio no MERCOSUL.
  1. Coincidiram na importância de adoção de uma agenda digital do MERCOSUL, que contemple uma verdadeira estratégia do bloco, com o tratamento de temas como economia digital, governo digital e inovação pública, segurança e confiança no ambiente digital, infraestrutura e conectividade, assim como coordenação em foros internacionais sobre esses temas.
  1. Sublinharam a importância estratégica da continuidade do Fundo para a Convergência Estrutural do MERCOSUL (FOCEM) como ferramenta para a redução das assimetrias. Destacaram os trabalhos do Grupo "Ad Hoc" sobre fortalecimento institucional do FOCEM, que analisa propostas de complementariedade com organismos regionais de financiamento para o desenvolvimento, em particular com o Fundo Financeiro para o Desenvolvimento da Bacia do Prata (FONPLATA), de modo a potencializar e fortalecer o mecanismo financeiro do FOCEM. 
  1. Reafirmaram seu compromisso de continuar trabalhando na análise de propostas para a incorporação dos setores que ainda não fazem parte do regime de livre comércio do MERCOSUL.
  1. Na área institucional do MERCOSUL, reconheceram o esforço de reestruturação dos órgãos existentes, com vistas a melhorar a eficiência e a racionalizar o uso de recursos humanos e financeiros, e congratularam-se pela conclusão das negociações para o fortalecimento da Unidade de Apoio à Participação Social (UPS), com o objetivo de assegurar a pluralidade, a transparência e a adequada gestão financeira dos mecanismos de participação social no bloco.
  1. Tomaram nota, com satisfação, dos avanços nas discussões do Grupo de Trabalho para a Adesão da Bolívia ao MERCOSUL, que contribuirão para acelerar o processo de incorporação do acervo normativo do MERCOSUL ao ordenamento jurídico boliviano uma vez que entre em vigor o Protocolo de Adesão da Bolívia ao MERCOSUL.
  1. Congratularam-se pelo adensamento da agenda de negociações extrarregionais do MERCOSUL. Destacaram o progresso alcançado nas negociações do Acordo de Associação Birregional MERCOSUL-União Europeia ao longo de 2017. Reafirmaram o empenho do MERCOSUL na conclusão, no mais breve prazo possível, de um acordo ambicioso, abrangente e equilibrado, em todas suas dimensões.
  1. Saudaram também o avanço das negociações com a Área de Livre Comércio Europeia (EFTA) e dos entendimentos com os países da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), bem como com as negociações com a Índia, o Marrocos e a Tunísia. Destacaram, ainda, as perspectivas de lançamento de negociações com o Canadá e com a Coreia do Sul.
  1. No relacionamento externo intrarregional, saudaram os avanços no processo de depósito e internalização do Acordo de Complementação Econômica Nº 72 entre o MERCOSUL e a Colômbia, bem como na execução do Roteiro de Atividades ("Hoja de Ruta") entre o MERCOSUL e a Aliança do Pacífico. Destacaram a realização da I Reunião de Coordenadores do Grupo Mercado Comum e do Grupo de Alto Nível da Aliança do Pacífico, a apresentação pelo MERCOSUL de proposta de marco jurídico sobre facilitação do comércio e as iniciativas em cadeias regionais de valor e apoio a pequenas e médias empresas.
  1. Registraram, igualmente, os contatos mantidos com o Sistema de Integração Centro-Americana (SICA), com o propósito de realizar, proximamente, um encontro para avançar a agenda econômico-comercial entre os dois agrupamentos.
  1. Destacaram a celebração da 11ª Conferência Ministerial da OMC, organizada pela Argentina, que permitiu reafirmar o apoio ao sistema multilateral de comércio e ao multilateralismo, reiterando que se trata da melhor resposta para aproveitar as oportunidades e enfrentar os desafios do comércio internacional.
  1. Coincidiram em que a presidência argentina do G20 constitui expressão relevante do compromisso da região com a cooperação internacional, o multilateralismo e a governança global. Sublinharam o papel do Grupo na promoção do crescimento econômico inclusivo, tendo por meta o desenvolvimento sustentável de todos os países.


Expressaram seu reconhecimento ao Senhor Presidente da República Federativa do Brasil, Michel Temer, e ao Governo e ao povo brasileiro por sua hospitalidade e pela dedicação com que realizaram a LI Cúpula do MERCOSUL.

 


 III. DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA SOBRE CORREDORES BIOCEÂNICOS 

 

Corredor Rodoviário Centro Oeste do Brasil - Portos do Norte do Chile

 

  1.                Reunidos em Brasília, em 21 de dezembro de 2017, à margem da LI Reunião Ordinária do Conselho de Mercado Comum e da Cúpula dos Chefes de Estado do Mercosul e Estados Associados, o Presidente da República Argentina, Mauricio Macri; o Presidente da República Federativa do Brasil, Michel Temer; o Presidente da República do Paraguai, Horacio Cartes; e o Ministro de Relações Exteriores do Chile, Heraldo Muñoz, reiteraram seu firme compromisso com o processo de integração regional, expressado, entre outras medidas, pelo estímulo a uma melhor conexão entre  seus países. O estabelecimento de um corredor rodoviário bioceânico demonstra, de forma concreta, como se pode promover a convergência do Mercosul com a Aliança do Pacífico.

 

  1.                Os Chefes de Estado tomaram conhecimento dos importantes avanços realizados nos dois últimos anos pelo Grupo de Trabalho do Corredor Rodoviário Campo Grande-Porto Murtinho (Brasil) - Carmelo Peralta-Mariscal Estigarribia-Pozo Hondo (Paraguai) - Missão La Paz -Tartagal-Jujuy-Salta (Argentina) -Sico-Jama-Puertos de Antofagasta-Mejillones-Iquique (Chile), criado pela Declaração de Assunção sobre Corredores Bioceânicos, aprovada em 21 de dezembro de 2015, destacando o início, em breve, da construção do trecho rodoviário Carmelo Peralta – Lomo Plata como resultado de licitação internacional realizada pelo Governo do Paraguai. Reiteraram, assim, que o objetivo comum é concluir uma conexão viária bioceânica que se distinga por uma gestão fronteiriça moderna, eficiente e ágil, que permita viabilizar projetos de integração produtiva, gerar novos fluxos de comércio e investimentos, criar mais empregos e promover maior integração dos territórios ao longo do corredor.

 

  1.                Concordaram que a participação e a contribuição dos atores privados, das universidades locais e da sociedade civil é fundamental para o processo de implementação do corredor bioceânico. Nesse sentido, apoiaram a constituição da Rede de Universidades e da Rede Empresarial do corredor.

 

  1.                Consideraram que o Corredor Rodoviário Bioceânico deve permitir o desenvolvimento multidimensional da subregião e integrar-se ao resto do mundo a partir da complementaridade de seus espaços territoriais.

 

  1.                Reconheceram que avanços importantes foram realizados em relação à execução de obras públicas e infraestrutura ao longo do Corredor. No entanto, ainda se faz necessário criar estruturas de apoio e desenvolver serviços conexos, modernos e eficientes, imprescindíveis para a otimização do transporte de cargas e o movimento de pessoas.

 

  1.                Nesse sentido, ressaltaram a necessidade de que os quatro países disponham de um plano piloto, com o propósito de acelerar os procedimentos aduaneiros e promover inspeção e controle fronteiriço eficiente e eficaz. Esses objetivos deverão ser alcançados mediante uso de tecnologias modernas e cooperação estreita entre os serviços de fronteira. Para tanto, instruíram o Grupo de Trabalho para que, em coordenação com os órgãos nacionais responsáveis, defina, nos próximos doze meses, procedimentos e padronizações que permitam a coordenação dos serviços nacionais de fronteira do Corredor em matéria de segurança, controle zoo e fitossanitário e movimento de carga e pessoas. Para a execução dessas medidas, concordaram que os quatro países implementem, entre outras medidas, o Sistema Informatizado de Trânsito Internacional (SINTIA). No mesmo sentido, acordaram desenvolver, por meio da articulação público-privada, uma plataforma eletrônica e outros instrumentos que permitam assegurar o rastreamento da carga ao longo do corredor e o monitoramento dos processos aduaneiros, a partir da compatibilidade de informações, segundo o modelo de dados proposto pela Organização Mundial de Aduanas (OMA).

 

  1.                Os mandatários determinaram que o Grupo de Trabalho inicie um segundo ciclo de reuniões, com o objetivo de monitorar os avanços logrados na elaboração do referido Plano Piloto e dar cumprimento à ação programática adotada no âmbito da V Reunião de Trabalho, realizada em Antofagasta em novembro de 2017. Do mesmo modo, instruíram o Grupo de Trabalho a elaborar um relatório sobre o progresso dos trabalhos solicitados no parágrafo 6, o qual será apresentado na VI Reunião do Grupo de Trabalho, a realizar-se nas províncias de Salta e Jujuy, no primeiro semestre de 2018.

 

 

Brasília, 21 de dezembro de 2017.

 


IV. PROTOCOLO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS DO MERCOSUL

 

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Decisões Nº 27/04 e 23/06 do Conselho do Mercado Comum.

 

CONSIDERANDO:

Que um protocolo de contratações públicas representa para o MERCOSUL um instrumento essencial para o fortalecimento da União Aduaneira, visando à construção do Mercado Comum do Sul.

Que esse instrumento conferirá a necessária segurança jurídica aos agentes econômicos dos Estados Partes.

Que a criação de novas oportunidades de negócio para o setor privado contribui para a geração de emprego e renda.

Que a redução de custos para o setor público contribui para o desenvolvimento econômico-social.

 

O CONSELHO DO MERCADO COMUM DECIDE:

 
Art. 1°- Aprovar o texto do “Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL”, que consta como Anexo e faz parte da presente Decisão.

Art. 2° - Revogar as Decisões CMC N° 27/04 e 23/06.

Art. 3° - Esta Decisão não necessita ser incorporada ao ordenamento jurídico dos Estados Partes, por regulamentar aspectos da organização ou do funcionamento do MERCOSUL.

 

LI CMC - Brasília, 20/XII/17.


ANEXO

PROTOCOLO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS DO MERCOSUL

 

A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a República Oriental do Uruguai, Estados Partes do MERCOSUL signatários deste Acordo, doravante denominados Estados Partes,

 

ACORDAM:

 
Capítulo I

ÂMBITO DE APLICAÇÃO

Artigo 1º – DEFINIÇÕES

CONTRATAÇÃO PÚBLICA: significa qualquer forma de contratação de bens ou serviços, incluindo os serviços de construção, ou uma combinação deles, realizada por entidades dos Estados Partes, com objetivos governamentais e sem almejar a revenda comercial ou o uso na produção de bens ou na prestação de serviços para venda comercial, salvo se especificado de outra forma;

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS: significa um requisito de licitação que

a) Estabeleça as características:

i. os bens que serão contratados, como qualidade, desempenho, segurança e dimensões, ou processos e métodos de produção, ou
ii. dos serviços que serão contratados ou de seus processos e métodos de fornecimento, e

b) Estabeleça os requisitos de terminologia, símbolos, embalagem, rótulos ou etiquetagem aplicáveis a bens ou serviços;

PROCEDIMENTO COMPETITIVO: significa um procedimento de contratação pública em que todos os fornecedores interessados podem apresentar uma oferta, desde que atendam às condições pré-estabelecidas nos editais. Esse tipo de procedimento poderia implicar, entre outros, a possibilidade de convidar um número determinado de fornecedores interessados em apresentar ofertas, incluindo fornecedores do MERCOSUL; e, simultaneamente, publicar o aviso em seu portal eletrônico e em qualquer outro meio considerado oportuno e conveniente, podendo reduzir-se os prazos de acordo com o ordenamento jurídico vigente em cada Estado Parte;


PROCEDIMENTO DE EXCEÇÃO
: significa um método de contratação pública no qual a entidade contratante seleciona um fornecedor ou fornecedores de sua escolha;


PESSOA: significa uma pessoa física ou uma pessoa jurídica;

PESSOA FÍSICA: significa um nacional ou residente permanente em qualquer um dos Estados Partes;

PESSOA JURÍDICA: significa qualquer entidade devidamente constituída ou organizada de qualquer outra forma, de acordo com a lei aplicável, seja ela com fins lucrativos ou de outro tipo, privada ou estatal, incluindo qualquer corporação, fideicomisso, sociedade ou joint venture;

ESCRITO OU POR ESCRITO: significa qualquer expressão que consiste em palavras, números ou símbolos que possa ser lida, reproduzida e subsequentemente comunicada. Pode incluir informações transmitidas e armazenadas em meios eletrônicos;

CONDIÇÕES COMPENSATÓRIAS ESPECIAIS: significa qualquer condição ou compromisso que incentive o desenvolvimento local ou melhore as contas da balança de pagamentos de um Estado Parte, como os requisitos de conteúdo local, licenças de tecnologia, requisitos de investimento, comércio compensatório ou requisitos semelhantes;

MEDIDA: significa qualquer lei, regulamento, procedimento ou ato administrativo que afete a contratação pública coberta;

FORNECEDOR: significa uma pessoa que fornece ou poderia fornecer bens ou serviços a uma entidade contratante;


AVISO DE CONTRATAÇÃO
: significa um aviso publicado pela entidade em que são convidados os fornecedores interessados em apresentar uma solicitação de participação, uma oferta ou ambas;

SERVIÇOS: inclui serviços de construção, salvo especificação em contrário;

SERVIÇO DE CONSTRUÇÃO: significa serviço cujo objetivo é a realização, por qualquer meio, de uma obra de engenharia civil ou de construção, com base na Divisão 51 da Classificação Central Provisória de Produtos das Nações Unidas, doravante “CPPC”.

 

Artigo 2º – ÂMBITO DE APLICAÇÃO

  1. Este Protocolo é aplicável às contratações públicas realizadas pelas entidades listadas no Anexo I “Entidades”, por qualquer meio contratual, para a aquisição de bens e serviços listados nos Anexos II “Bens”, III “Serviços” e IV “Serviços de Construção”, respectivamente, cujo valor seja igual ou superior aos patamares estabelecidos no Anexo V “Patamares” sem prejuízo do disposto no Anexo VI “Notas Gerais”.

  2. Todos os Anexos deste Protocolo constituem parte integrante deste.

  3. Este Protocolo não é aplicável:

    a) às contratações públicas realizadas pelas Entidades Públicas entre si, definidas ou não no Anexo I “Entidades”, sempre que o objeto contratado não seja subcontratado a um terceiro que não uma Entidade Pública;
    b) à contratação de servidores públicos;
    c) aos acordos não contratuais ou a qualquer forma de assistência governamental fornecida por um Estado Parte, como quaisquer bônus, créditos, incentivos fiscais, subsídios, doações, garantias e acordos de cooperação;
    d) às aquisições realizadas com a finalidade imediata de prestar assistência internacional;
    e) à aquisição de serviços de agências ou serviços de armazéns alfandegados, serviços de liquidação e administração para instituições financeiras reguladas e serviços de venda e distribuição de dívida pública;
    f) às contratações públicas fora do território de um Estado Parte para consumo fora do território do Estado Parte;
    g) à contratação de serviços financeiros;
    h) à aquisição ou ao arrendamento de terras, ao aluguel de edificações ou de outros bens imóveis, ou seus direitos;
    i) às contratações realizadas em virtude dos procedimentos ou condições particulares de uma organização internacional, ou do financiamento por meio de doações internacionais, empréstimos ou outras formas de assistência, quando os procedimentos ou condições aplicáveis forem incompatíveis com este Protocolo.

 

Artigo 3º – PRINCÍPIOS GERAIS

  1. Os processos de contratações públicas de bens e serviços deverão ser realizados de forma transparente, observando os princípios básicos de legalidade, objetividade, imparcialidade, igualdade, devido processo legal, publicidade, concorrência e demais princípios correspondentes.
  1. Os processos de contratações públicas de bens e serviços serão orientados para promover o desenvolvimento sustentável dos Estados Partes.
  1. Nenhum dos Estados Partes pode elaborar, projetar ou estruturar qualquer contratação pública com o propósito de eximir-se das obrigações deste Protocolo.
  1. Nenhuma disposição deste Protocolo impedirá um Estado Parte de desenvolver novas políticas de contratação pública, procedimentos ou modalidades contratuais, sempre que não forem incompatíveis com as disposições deste Protocolo.

 

Artigo 4º – VALORAÇÃO DOS CONTRATOS

  1. Ao calcular o valor de uma contratação pública com o propósito de determinar se corresponde a uma contratação coberta, uma entidade:


    a) incluirá o cálculo do valor total máximo estimado ao longo de toda a sua duração, incluindo as prorrogações previstas, levando em consideração todas as formas de remuneração, como bônus, quotas, honorários, comissões e juros estipulados na contratação pública;

    b) deverá, nos contratos adjudicados em partes separadas, bem como nos de execução contínua, basear seu cálculo no valor máximo total estimado durante todo o período de vigência, incluindo suas eventuais prorrogações expressamente autorizadas nos contratos ou no ordenamento jurídico vigente em cada Estado Parte;

    c) deverá, no caso de contratos cujo prazo não esteja determinado, valorá-los de acordo com os critérios estabelecidos no ordenamento jurídico vigente em cada Estado Parte para cada modalidade contratual ou, na ausência de legislação específica, será tomado como base o valor mensal estimado multiplicado por quarenta e oito (48).


  2. Não poderá fracionar-se a licitação nem utilizar-se método de valoração com a finalidade de impedir a aplicação deste Protocolo.

 

Capítulo II

OBRIGAÇÕES E DISCIPLINAS GERAIS

 

Artigo 5º – TRATAMENTO DE NAÇÃO MAIS FAVORECIDA

No que diz respeito às disposições estabelecidas neste Protocolo, cada Estado Parte concederá imediata e incondicionalmente aos bens, serviços e aos fornecedores e prestadores de qualquer outro Estado Parte tratamento não menos favorável do que aquele que tenha concedido aos bens, serviços e aos fornecedores e prestadores de qualquer outro Estado Parte ou de terceiros países, de acordo ao estabelecido no Anexo IX “Tratamento de Nação Mais Favorecida”.

 

Artigo 6º – TRATAMENTO NACIONAL E NÃO DISCRIMINAÇÃO

  1. Com relação a qualquer medida coberta por este Protocolo, cada Estado Parte concederá imediata e incondicionalmente aos bens e serviços dos outros Estados Partes e aos fornecedores dos outros Estados Partes que forneçam bens e serviços de qualquer Estado Parte um tratamento não menos favorável que o tratamento mais favorável que o referido Estado Parte conceda a seus próprios bens, serviços e fornecedores.

  2. Com relação a qualquer medida coberta por este Protocolo, nenhum Estado Parte poderá discriminar:

    a) um fornecedor ou prestador estabelecido em qualquer um dos Estados Partes por seu grau de afiliação ou propriedade estrangeira, nem
    b) um fornecedor ou prestador estabelecido em seu território pelo fato de os bens ou serviços oferecidos por esse fornecedor ou prestador, para uma contratação específica, serem os bens ou serviços dos outros Estados Partes.

  3. Este Artigo não se aplica:

    a) aos direitos aduaneiros, incluindo as tarifas ou outros encargos de qualquer tipo que sejam impostos à importação ou que estejam a ela relacionados, ao método de arrecadação desses impostos e encargos, nem a outras regulamentações de importação, incluindo as restrições e formalidades; 
    b) às medidas que afetam o comércio de serviços, diferentemente das medidas que regem especificamente a contratação pública coberta por este Protocolo.

Artigo 7º – REGIME DE ORIGEM

Para fins do tratamento previsto no Artigo 6º “Tratamento Nacional e Não Discriminação”, a determinação de origem dos bens será realizada em uma base não preferencial.

Artigo 8º – DENEGAÇÃO DE BENEFÍCIOS

Um Estado Parte poderá denegar os benefícios derivados deste Protocolo a um prestador de serviços de outro Estado Parte, mediante notificação prévia, se esse prestador:

a) for uma pessoa jurídica de outro Estado Parte que não realiza operações comerciais substanciais no território de qualquer outro Estado Parte, ou
b) for uma pessoa que presta o serviço de um território que não seja de um Estado Parte.

Artigo 9º – CONDIÇÕES COMPENSATÓRIAS ESPECIAIS

Com relação às contratações cobertas, as entidades não poderão considerar, solicitar nem impor condições compensatórias especiais em nenhuma etapa de uma contratação pública.

Artigo 10 – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

  1. As especificações técnicas que estabelecerem as características dos bens e serviços objeto da contratação, bem como as prescrições relativas aos procedimentos de avaliação da conformidade, não serão elaboradas, adotadas nem aplicadas para anular ou limitar a concorrência, criar obstáculos desnecessários à negociação nem discriminar os fornecedores.
  1. As especificações técnicas serão elaboradas em função das propriedades de uso e aplicação dos bens e da finalidade do serviço, e incluirão requisitos objetivos que sejam essenciais para a realização do objeto da contratação.
  1. As especificações técnicas deverão fazer referência, sempre que adequado, a normas do MERCOSUL, a normas técnicas da Associação MERCOSUL de Normalização (AMN) ou a normas internacionais, se houver, ou, caso contrário, a normas nacionais reconhecidas ou a regulamentos técnicos nacionais.
  1. Os Estados Partes garantirão que as especificações técnicas a serem estabelecidas pelas empresas não exigirão nem farão referência a nenhuma marca ou nome comercial, patente, design ou tipo, origem específica nem fornecedor ou prestador, a não ser que seja indispensável ou que não haja outra maneira suficientemente precisa ou abrangente de descrever os requisitos da contratação, e, nesses casos, deve-se incluir no edital da licitação expressões como “ou equivalente”.

  2. Cada um dos Estados Partes garantirá que suas entidades não solicitarão nem aceitarão de nenhuma pessoa que tenha interesse comercial no contrato assessoramento passível de ser utilizado na preparação das especificações técnicas do contrato com a finalidade de anular ou limitar a concorrência.


Artigo 11 – TRANSPARÊNCIA

Com o objetivo de assegurar a transparência nas contratações e supervisioná-las de maneira eficaz:

a) cada Estado Parte publicará e disponibilizará todas as leis, regulamentos, resoluções administrativas de aplicação geral, procedimentos de aplicação específica, bem como suas modificações, referentes às contratações públicas cobertas neste Protocolo.
b) cada um dos Estados Partes coletará estatísticas e disponibilizará ao Grupo Mercado Comum um relatório anual sobre os contratos adjudicados conforme os critérios a serem adotados.

Artigo 12 – DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES

  1. Os Estados Partes não divulgarão informações confidenciais sem a autorização por escrito do fornecedor que as concedeu quando essa divulgação puder prejudicar os interesses comerciais legítimos de determinada pessoa ou puder prejudicar uma concorrência justa entre os fornecedores.
  1. Os Estados Partes não fornecerão informações privilegiadas sobre uma contratação pública de forma a impedir o caráter competitivo do processo licitatório.

 

Artigo 13 – EXCEÇÕES GERAIS

  1. Nenhuma disposição neste Protocolo será interpretada no sentido de impedir que um Estado Parte adote medidas que considera necessárias para proteger seus interesses essenciais em matéria de contratações relativas à segurança e à defesa nacional.
  1. Nenhuma disposição deste Protocolo será interpretada no sentido de impedir que um Estado Parte estabeleça ou mantenha as medidas necessárias para proteger a moral, a ordem e a segurança pública, a vida ou a saúde humana, animal ou vegetal, incluindo as medidas ambientais, e para proteger a propriedade intelectual ou os bens ou serviços de pessoas com deficiência, de instituições beneficentes ou de trabalho penitenciário, sempre que essas medidas não forem aplicadas de modo a constituir um meio de discriminação arbitrária ou injustificável, ou que impliquem uma restrição dissimulada do comércio entre os Estados Partes.
     

Capítulo III

REGRAS E PROCEDIMENTOS

Artigo 14 – PROCEDIMENTOS

De acordo com as regras estabelecidas neste Protocolo, as entidades adjudicarão seus contratos por meio de procedimentos competitivos ou procedimentos de exceção, incluindo os de contratação direta, nos casos previstos no Artigo 15 “Regras e Procedimentos de Exceção às Licitações Públicas”.

Artigo 15 – REGRAS E PROCEDIMENTOS DE EXCEÇÃO ÀS LICITAÇÕES PÚBLICAS

1. Sempre que esta disposição não for utilizada para impedir a concorrência entre fornecedores ou de forma que discrimine os fornecedores de outro Estado Parte ou proteja os fornecedores nacionais, uma entidade contratante poderá utilizar outros procedimentos de contratação apenas nas seguintes circunstâncias:

a) quando:

i. nenhuma oferta tiver sido apresentada ou nenhum fornecedor houver solicitado participação;
ii. nenhuma oferta que atenda aos requisitos essenciais exigidos nos editais de licitação tiver sido apresentada;
iii. nenhum fornecedor houver atendido às condições de participação; ou
iv.
tenha havido colusão na apresentação de ofertas;
e sempre que os requisitos dos editais não forem substancialmente modificados;

b) quando os bens ou serviços puderem ser fornecidos somente por um fornecedor particular e não existir uma alternativa razoável ou bem ou serviço substituto devido a quaisquer dos seguintes motivos:

i. a solicitação for para realização ou restauração de uma obra de arte;
ii. proteção de patentes, direitos autorais ou outros direitos exclusivos de propriedade intelectual; ou
iii. devido à ausência de concorrência por motivos técnicos;

c) para entregas ou prestações adicionais do fornecedor inicial de bens ou serviços não incluídos na contratação pública inicial, quando a mudança de fornecedor desses bens ou serviços adicionais:

i. não puder ser realizada por motivos econômicos ou técnicos, como requisitos de permutabilidade ou compatibilidade com equipamentos, programas de informática, serviços ou instalações existentes objeto da contratação inicial; e
ii. puder causar inconvenientes significativos ou uma duplicação relevante dos custos para a entidade contratante;

d) quando estritamente necessário, por motivos de extrema urgência decorrentes de acontecimentos imprevistos para a entidade contratante, os bens ou serviços não puderem ser obtidos oportunamente, e o uso desses procedimentos puder resultar em um prejuízo grave para a entidade contratante;

e) para aquisições de bens em um mercado de commodities;

f) quando uma entidade contratante adquirir um primeiro bem em quantidade limitada ou um protótipo, ou contratar um serviço desenvolvido mediante solicitação durante e para um contrato específico de pesquisa, experimento, estudo ou desenvolvimento original, incluindo os insumos para tanto, quando estes forem adquiridos pela entidade contratante. Uma vez que esses contratos sejam cumpridos, as contratações posteriores desses bens ou serviços estarão sujeitas ao disposto neste Protocolo;

g) quando um contrato for adjudicado ao vencedor de um concurso de projeto, sempre que:

i. o concurso tiver sido organizado de maneira coerente com os princípios deste Protocolo, principalmente a respeito da publicação do aviso de contratação pública; e
ii. os participantes forem qualificados ou avaliados por um júri ou órgão independente.


2. Uma entidade contratante deverá manter registros ou elaborar um relatório escrito para cada contrato adjudicado de acordo com este Artigo, de maneira coerente com o Artigo 22 “Publicação dos Resultados das Licitações”. Quando um Estado Parte elaborar relatórios escritos de acordo com este parágrafo, estes incluirão o nome da entidade contratante, o valor e a natureza dos bens ou serviços contratados e uma justificativa indicando as circunstâncias e as condições descritas neste Artigo que justifiquem a utilização de outros procedimentos de contratação diferentes dos procedimentos competitivos. Quando um Estado Parte mantiver registros, estes devem indicar as circunstâncias e as condições descritas neste Artigo que justifiquem a utilização de outros procedimentos de contratação diferentes dos procedimentos competitivos.

Artigo 16 – CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO


1.
Cada Estado Parte deverá garantir que suas entidades:

a) limitem as condições de participação àquelas essenciais para garantir que qualquer fornecedor tenha capacidade legal, comercial, técnica e financeira para atender os requisitos técnicos de contratação pública, que serão avaliados com base nas atividades comerciais globais de negociação do fornecedor.
b) tomem como base para suas decisões sobre a qualificação dos eventuais fornecedores somente as condições de participação especificadas com antecedência nos avisos ou editais de licitação; e
c) reconheçam como qualificados todos os fornecedores dos Estados Partes que atenderam às condições de participação em uma contratação pública coberta por este Protocolo.
d) comuniquem prontamente a qualquer fornecedor que se tenha apresentado à qualificação a decisão de se este foi considerado qualificado. Quando uma entidade rejeitar uma solicitação de qualificação ou deixar de reconhecer um fornecedor qualificado, essa entidade deverá, a pedido do fornecedor, conceder-lhe prontamente uma explicação por escrito sobre os motivos de sua decisão.


2. Poderá ser exigida dos prestadores a comprovação de experiência anterior compatível com o objeto da contratação, em característica e quantidade, inclusive com respeito às instalações, aos equipamentos e ao pessoal técnico disponível para a execução do contrato, quando a complexidade do serviço exigir.

3. Nenhuma entidade poderá impor como condição para que um fornecedor possa participar de uma contratação pública coberta por este Protocolo a adjudicação prévia de um ou mais contratos por uma entidade desse Estado Parte ou que esse fornecedor tenha experiência prévia de trabalho no território desse Estado Parte.

4. Nenhuma das disposições incluídas nos parágrafos acima impedirá que uma entidade exclua um fornecedor por motivos como falência, liquidação ou insolvência, declarações falsas ou descumprimento de obrigações fiscais dentro de um processo de contratação pública, deficiências significativas no cumprimento de uma obrigação sujeita a um contrato anterior ou sanções que o tornem inapto para celebrar contratos com entidades dos Estados Partes.

Artigo 17 – LISTAS OU REGISTROS DE FORNECEDORES E ACESSO A ESTES

1. Os Estados Partes que utilizarem as listas ou os registros permanentes de fornecedores de bens ou prestadores de serviços qualificados garantirão que:

a) os fornecedores de outro Estado Parte possam solicitar sua inscrição, qualificação ou habilitação nas mesmas condições que os fornecedores e prestadores nacionais;
b) as informações e os requisitos de acesso a essas listas ou registros estejam disponíveis publicamente;
c) caso um fornecedor solicite sua inclusão nessas listas ou registros, o procedimento de inscrição será iniciado prontamente e será permitido que o fornecedor participe da contratação pública sempre que existir tempo suficiente para concluir todos os procedimentos de qualificação dentro do prazo estabelecido para a apresentação de ofertas;
d) todos os fornecedores incluídos nas listas ou registros sejam notificados sobre a suspensão temporária ou o cancelamento dessas listas ou registros ou de sua exclusão destes.


2. Quando for exigida a inclusão de um fornecedor de bens ou serviços em uma lista ou registro de fornecedores ou prestadores, o objetivo não deverá ser outro que não a comprovação da idoneidade para celebrar contratos com o Estado, sem impedir a entrada dos interessados de qualquer outro Estado Parte.

 

Artigo 18 – PUBLICAÇÃO DOS AVISOS DE CONTRATAÇÃO

1. Cada Estado Parte garantirá que suas entidades farão uma divulgação efetiva das oportunidades de licitação geradas pelo processo de contratações públicas, de forma que os interessados de qualquer um dos Estados Partes contem com todas as informações necessárias para participar desse processo de contratação.

2. Para cada contratação pública coberta por este Protocolo, a entidade deverá publicar com antecedência um aviso convidando os fornecedores interessados a apresentar ofertas ou, sempre que adequado, solicitar a participação na contratação pública, com exceção do disposto no Artigo 15 “Regras e Procedimentos de Exceção às Licitações Públicas”. Cada um desses avisos estará acessível durante todo o período estabelecido para a apresentação de ofertas da contratação pública correspondente.

3. Os avisos de contratação serão publicados e deverão conter os elementos informativos necessários para permitir que os interessados avaliem seu interesse em participar da contratação pública, incluindo, no mínimo:

a) nome e endereço da entidade contratante, incluindo, se possível, número de telefone e endereço de correio eletrônico;
b) tipo de procedimento de licitação;
c) síntese de seu objeto: tipo de bem ou serviço, incluindo a natureza e a quantidade, bem como o local de execução no caso de prestação de serviço;
d) forma, local, data e horário em que os interessados poderão ter acesso ao texto completo do edital, bem como às informações adicionais sobre o processo;
e) custo do edital e forma de pagamento, se for o caso;
f) as datas de entrega dos bens ou serviços a serem contratados ou a duração do contrato, a não ser que essas informações sejam incluídas nos editais de licitação;
g) local, data e horário de entrega e abertura das ofertas.

4. Os avisos de contratação e a informação para participar em contratações públicas serão publicados no diário oficial nacional ou em outro meio de grande circulação, inclusive pelos meios eletrônicos especificados no Anexo VII “Publicação de Informação”.

5. Uma vez publicado o aviso de contratação, qualquer alteração no edital implicará a obrigação de publicar um novo aviso com as mesmas características da publicação anterior e o reinício dos prazos de regulamentação, exceto quando a alteração inquestionavelmente não afetar a elaboração das ofertas.

6. Visando a melhorar o acesso a seu mercado de compras públicas, cada Estado Parte procurará implementar um sistema eletrônico único de informações para a divulgação dos avisos de suas respectivas entidades.

Artigo 19 – PRAZOS

1. Cada entidade proporcionará aos provedores tempo suficiente para preparar e apresentar ofertas adequadas, tendo em conta a natureza e a complexidade da contratação pública.

2. Cada entidade concederá um prazo mínimo de vinte e cinco (25) dias corridos entre a data da publicação do aviso de contratação pública e a data final para a apresentação das ofertas.

3. Sem prejuízo do disposto no parágrafo 2º deste Artigo, as entidades poderão estabelecer um prazo inferior, porém, em nenhuma hipótese, inferior a dez (10) dias corridos, quando:

a) tratar-se de contratação de bens ou de simples e objetiva especificação, cujos padrões de rendimento e qualidade podem ser definidos de maneira objetiva por meio de especificações habituais de mercado, que razoavelmente leve a um esforço menor na preparação das ofertas;
b) por motivos de urgência devidamente justificados pela entidade, não seja possível cumprir o prazo mínimo estabelecido no parágrafo 2º deste Artigo.

4. Um Estado Parte poderá estabelecer que uma de suas entidades reduza em cinco (5) dias corridos o prazo para apresentação de ofertas estabelecido no parágrafo 2º deste Artigo, por cada uma das seguintes circunstâncias, quando:

a) o aviso de contratação futura for publicado por meio eletrônico;
b) todos os editais de contratação estejam à disposição do público por meio eletrônico na data de publicação do aviso de contratação; ou
c) as ofertas possam ser recebidas por meio eletrônico pela entidade contratante.

5. A aplicação dos parágrafos 3º e 4º deste Artigo não poderá resultar na redução dos prazos estabelecidos no parágrafo 2º deste Artigo para menos de dez (10) dias corridos contados da data de publicação do aviso de contratação.

Artigo 20 – EDITAL DE LICITAÇÃO

1. O edital de licitação estará à disposição do público a partir da primeira data de publicação do aviso, seja para adquiri-lo ou consultá-lo sem custo, e deverá conter todas as informações necessárias para que os licitantes possam apresentar suas ofertas corretamente, incluindo pelo menos os seguintes itens:

a) nome e endereço da entidade licitante;
b) procedimento de licitação;
c) objeto da contratação prevista, incluindo a natureza e a quantidade dos bens ou serviços a serem adquiridos; quando a quantidade for desconhecida, indicar a quantidade estimada ou os serviços de construção a serem executados e as exigências a serem atendidas, incluindo as especificações técnicas, os certificados de conformidade, planos, projetos e instruções que forem necessários;
d) condições para a participação na licitação, entre as quais estejam:

i. garantias;
ii.
comprovação de idoneidade jurídica e fiscal e da qualificação técnica e econômico-financeira, no caso de bens e serviços, quando necessário;

e) forma e idioma de apresentação das ofertas;
f) moeda para a apresentação das ofertas e para o pagamento;
g) sanções por descumprimento contratual;
h) local, dia e hora para o recebimento da documentação e da oferta;
i) a data ou o período para a entrega dos bens ou a duração do contrato;
j) critérios de avaliação das ofertas, inclusive qualquer outro fator que não o preço. Também, se for o caso, deverá constar uma explicação clara da fórmula de ponderação dos fatores utilizados para a seleção das ofertas;
k) local, dia e hora para a abertura das ofertas;
l) anexos que contenham, quando necessário:

i. projeto básico e/ou executivo;
ii. orçamento estimado;
iii. modelo do contrato a ser assinado entre as partes; e
iv.
as especificações complementares e as normas de execução relevantes para a licitação:

m) prazo de validade das ofertas, a partir do qual os licitantes ficarão liberados dos compromissos assumidos;
n) condições de pagamento, bem como qualquer outra disposição e condição;
o) indicação da legislação específica relacionada à contratação e aos procedimentos recursais.


2. Uma entidade contratante deverá fornecer prontamente, mediante solicitação prévia, a documentação das condições de licitação a qualquer fornecedor que participe da contratação, e responder a qualquer solicitação de informações por parte de um fornecedor que participe da contratação, sempre que as referidas informações não ofereçam a esse fornecedor uma vantagem sobre seus concorrentes na contratação e que a solicitação seja apresentada dentro dos prazos correspondentes.

3. As entidades licitantes poderão exigir dos fornecedores uma garantia de manutenção da oferta, bem como ao fornecedor vencedor as garantias da execução.

4. Quando uma entidade modificar os critérios mencionados no parágrafo 1º deste Artigo antes da data limite acordada para a apresentação das ofertas, deverá enviar essas modificações por escrito:

a) a todos os fornecedores que estiverem participando da contratação pública no momento da modificação dos critérios, caso sejam conhecidas as identidades desses fornecedores, e nos demais casos, da mesma forma como foram enviadas as informações originais; e
b) com tempo suficiente para que os fornecedores modifiquem e apresentem novamente suas ofertas, de acordo com o parágrafo 5° do Artigo 18, conforme aplicável.

 

Artigo 21 – TRATAMENTO DAS OFERTAS E ADJUDICAÇÃO DOS CONTRATOS

 

1. Cada entidade receberá, abrirá e tratará todas as ofertas conforme os procedimentos que garantam a igualdade e a imparcialidade no processo de contratação pública e concederá tratamento confidencial às ofertas, pelo menos até sua abertura.

2. Uma entidade não penalizará nenhum fornecedor cuja oferta seja recebida depois do prazo especificado para o recebimento das ofertas quando o atraso for exclusivamente atribuível à negligência da entidade.

3. A fim de ser considerada para uma adjudicação, cada entidade exigirá que as ofertas sejam apresentadas por escrito e que, no momento da abertura das ofertas:

a) sejam ajustadas aos requisitos essenciais contidos no edital de licitação, e
b) procedam de um fornecedor que tenha atendido às condições de participação.

4. A oferta apresentada pelo fornecedor deverá incluir todos os custos que integrem o valor final da contratação.

5. A entidade adjudicará o contrato ao fornecedor que esta determine que atende as condições de participação, que esteja plenamente capacitado para cumprir o contrato e cuja oferta seja considerada a mais vantajosa unicamente com base nos requisitos e nos critérios de avaliação especificados no edital de licitação, a menos que a entidade determine que essa adjudicação vá contra o interesse público.

6. Caso uma entidade contratante receba uma oferta cujo preço seja anormalmente mais baixo que os preços das demais ofertas apresentadas, a entidade poderá verificar se o fornecedor reúne as condições para participar e se tem competência para cumprir o estabelecido no contrato.

7. Se, por qualquer motivo atribuível ao adjudicatário, o contrato não se perfectibilize ou o adjudicatário não apresentar garantia efetiva ou não cumprir o contrato, este poderá ser adjudicado para a seguinte melhor oferta, e assim sucessivamente, desde que permitido pela legislação de cada Estado Parte.

8. A entidade contratante poderá declarar nulas ou recusar todas as ofertas, quando aplicável.

9. Uma entidade não poderá cancelar uma contratação pública, nem rescindir ou modificar um contrato adjudicado, a fim de esquivar-se das obrigações deste Protocolo. 


Artigo 22 – PUBLICAÇÃO DOS RESULTADOS DAS CONTRATAÇÕES


1. Os Estados Partes garantirão que suas entidades farão uma divulgação eficaz dos resultados dos processos de contratações públicas.

2. As entidades deverão disponibilizar a todos os fornecedores todas as informações relativas ao procedimento de contratação e, em especial, aos fundamentos da adjudicação e das características relacionadas à oferta vencedora. Mediante solicitação prévia, uma entidade informará a um fornecedor cuja oferta não tenha sido selecionada para a adjudicação os motivos para não selecionar sua oferta ou as vantagens relativas da oferta selecionada pela entidade.

3. Uma vez assinado o contrato, as entidades publicarão, se possível, o próprio contrato ou as informações sobre a contratação, incluindo: nome do fornecedor ou prestador favorecido, valor, período de vigência e objeto do contrato, nome e localização da entidade contratante e o tipo de procedimento de contratação utilizado.

4. As entidades publicarão essas informações no diário oficial nacional ou em outro meio de divulgação oficial nacional de fácil acesso para os fornecedores, prestadores e outros Estados Partes. Os meios de divulgação serão especificados no Anexo VII “Publicação da Informação”. Os Estados Partes buscarão disponibilizar essas informações para o público por meio eletrônico.


Artigo 23 – RECURSOS


1. Cada Estado Parte deverá garantir um procedimento administrativo ou judicial de análise que seja adequado, eficaz, transparente, não discriminatório e em conformidade com o princípio do devido processo legal, por meio do qual o fornecedor possa apresentar impugnações, sob a alegação de descumprimento deste Protocolo, que surjam no contexto das contratações públicas cobertas nas quais o fornecedor tenha ou tivesse interesse.

2. Cada Estado Parte estabelecerá ou manterá no mínimo uma autoridade administrativa ou judicial imparcial, independente de suas entidades contratantes, para receber e analisar uma impugnação apresentada por um fornecedor em uma contratação pública coberta, e proferir as decisões e recomendações relevantes.

3. Quando um órgão diferente da autoridade mencionada no parágrafo 2º deste Artigo inicialmente analisar uma impugnação, o Estado Parte garantirá que o fornecedor poderá apelar da decisão inicial perante uma autoridade administrativa ou judicial imparcial, que seja independente da entidade contratante cuja contratação seja objeto da impugnação.

4. Sem prejuízo dos outros procedimentos de impugnação organizados ou desenvolvidos por cada um dos Estados Partes, cada Estado Parte garantirá o que segue:

a) prazo suficiente para que o fornecedor prepare e apresente impugnações por escrito, o qual, em hipótese alguma, será inferior a sete (7) dias corridos, a partir do momento em que o ato ou omissão motivo da impugnação seja informado ao fornecedor ou que, razoavelmente, deveria ter sido conhecido por ele;
b) a entrega expedita e por escrito das decisões relacionadas à impugnação, com uma explicação dos fundamentos de cada decisão.

5. Cada Estado Parte adotará ou manterá os procedimentos que estabeleçam:

a) medidas provisórias rápidas para preservar a possibilidade de o fornecedor participar da contratação pública e que sejam aplicadas pela entidade contratante ou pela autoridade imparcial referida no parágrafo 2º deste Artigo. Essas medidas poderão ter como efeito a suspensão do processo de contratação. Os procedimentos poderão prever a possibilidade de se considerar as consequências desfavoráveis predominantes para os interesses afetados, incluído o interesse público, ao decidir se essas medidas deverão ser aplicadas. Será apresentada por escrito a razão pela qual essas medidas não serão adotadas; e
b) medidas corretivas ou uma compensação pelas perdas ou danos e prejuízos sofridos quando um órgão de análise determinar a existência de um descumprimento mencionado no parágrafo 1º deste Artigo, de acordo com o ordenamento jurídico vigente em cada Estado Parte.

 

Capítulo IV
DISPOSIÇÕES INSTITUCIONAIS


Artigo 24 – SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS


As controvérsias que poderão surgir entre os Estados Partes com relação à aplicação, interpretação ou descumprimento dos compromissos estabelecidos neste Protocolo serão resolvidas em conformidade com os procedimentos e mecanismos de solução de controvérsias vigentes no MERCOSUL.


Artigo 25 – CONSERVAÇÃO E ACESSO ÀS INFORMAÇÕES


1. A documentação referente aos processos de contratação pública deverá ser conservada por no mínimo cinco (5) anos.

2. Um Estado Parte poderá solicitar informações adicionais sobre a adjudicação do contrato, principalmente a respeito de ofertas não selecionadas, para determinar se uma contratação foi realizada de forma coerente com as disposições deste Protocolo. Para esse efeito, o Estado Parte da entidade contratante fornecerá as informações sobre as características e vantagens relacionadas à oferta vencedora e ao preço do contrato. O Estado Parte solicitante não poderá revelar essas informações adicionais, salvo consentimento prévio do Estado Parte que forneceu as informações.


Artigo 26 – COOPERAÇÃO TÉCNICA ENTRE OS ESTADOS PARTES


1. Os Estados Partes trabalharão conjuntamente para:

a) desenvolver atividades de cooperação com o objetivo de atingir um melhor entendimento de seus respectivos sistemas de contratação pública e melhorar o acesso a seus respectivos mercados;
b) avançar em direção à integração de seus sistemas e à convergência de seus procedimentos.


2. As atividades de cooperação incluirão temas como:

a) intercâmbio de experiências e informações, incluindo marco regulatório, melhores práticas e estatísticas; bem como todas as informações a respeito de programas de capacitação e orientação desenvolvidos em termos de contratações públicas, visando à participação de outros Estados Partes nesses empreendimentos;
b) intercâmbio de listas de fornecedores;
c) facilitação da participação de fornecedores dos Estados Partes na contratação pública coberta, principalmente das Micro, Pequenas e Médias Empresas (MPME’s);
d) reconhecimento mútuo da documentação equivalente para os procedimentos de qualificação de fornecedores;
e) desenvolvimento e uso de meios eletrônicos de informação nos sistemas de contratação pública;
f) capacitação e assistência técnica aos fornecedores em termos de acesso ao mercado da contratação pública;
g) fortalecimento institucional para o cumprimento deste Protocolo, incluindo a capacitação de funcionários públicos; e
h) criação de um portal único do MERCOSUL, no qual serão publicados todos os avisos de contratação de cada um dos Estados Partes.

3. Os Estados Partes notificarão o Subgrupo de Trabalho Nº 16 “Contratações Públicas” (SGT Nº 16) sobre a realização de qualquer atividade de cooperação.

 

Artigo 27: FACILITAÇÃO DA PARTICIPAÇÃO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS (MPME’s)


1. Os Estados Partes reconhecem que as MPME’s contribuem de maneira relevante para o crescimento econômico e o emprego, motivo pelo qual é importante facilitar sua participação na contratação pública.

2. Os Estados Partes também reconhecem a importância das alianças empresariais entre seus fornecedores e principalmente das MPME’s, incluindo a participação conjunta nos procedimentos de contratação.

3. Quando um Estado Parte mantiver medidas que ofereçam um tratamento preferencial para suas MPME’s, este garantirá que essas medidas, incluindo os critérios de elegibilidade, serão objetivas e transparentes.

4. Os Estados Partes fornecerão, caso estejam disponíveis, as informações a respeito de suas medidas utilizadas para auxiliar, promover, fomentar ou facilitar a participação das MPME’s na contratação pública.

5. Para facilitar a participação das MPME’s na contratação pública coberta, cada Estado Parte, na medida do possível:

a) fornecerá as informações relacionadas à contratação pública que inclua uma definição das MPME’s em um portal eletrônico;
b) garantirá que os documentos de contratação estejam disponíveis gratuitamente;
c) identificará as MPME’s interessadas em se tornarem parceiras comerciais de outras empresas no território dos outros Estados Partes;
d) desenvolverá bases de dados sobre as MPME’s em seu território para serem utilizadas por entidades de outros Estados Partes; e
e) realizará outras atividades destinadas a facilitar a participação das MPME’s nas contratações públicas cobertas por este Protocolo.

 
Capítulo V

DISPOSIÇÕES FINAIS
 

Artigo 28 – MODIFICAÇÕES E ATUALIZAÇÕES DAS LISTAS DE ENTIDADES
 

1. Qualquer Estado Parte poderá modificar suas listas contidas no Anexo I “Entidades” sempre que:

a) notificar os outros Estados Partes por escrito;
b) incluir, na notificação, uma proposta dos ajustes compensatórios adequados aos outros Estados Partes para manter um nível de cobertura comparável ao existente antes da modificação, exceto pelo disposto nos parágrafos 2º e 3º deste Artigo; e
c) os outros Estados Partes não se opuserem por escrito em um prazo de  quarenta e cinco (45) dias corridos após essa notificação.

2. Qualquer Estado Parte poderá fazer atualizações de natureza meramente formal em suas listas contidas no Anexo I “Entidades”, sempre que não afetarem a cobertura mutuamente acordada no Protocolo, tais como:

a) alteração no nome de uma entidade listada no Anexo I “Entidades”,
b) incorporação de duas ou mais entidades listadas no Anexo I “Entidades”; e
c) separação de uma entidade listada no Anexo I “Entidades” em duas ou mais entidades adicionadas ao Anexo I “Entidades”.

Os ajustes mencionados no presente parágrafo somente poderão ser realizados se notificados aos outros Estados Partes por escrito, e estes não se opuserem por escrito dentro de quarenta e cinco (45) dias corridos após a notificação. O Estado Parte que fizer essas atualizações não será obrigado a fornecer ajustes compensatórios.

3. Um Estado Parte não precisará fornecer ajustes compensatórios quando a modificação proposta às suas listas contidas no Anexo I “Entidades” abranger uma entidade que deixou de estar efetivamente sob o seu controle ou influência. Quando os Estados Partes não concordarem que esse controle ou influência governamental tenha sido efetivamente eliminado, os Estados Partes que fizerem objeção poderão solicitar informações adicionais ou consultas visando a esclarecer a natureza de qualquer controle ou influência governamental e a chegar a um acordo sobre a permanência ou a exclusão da entidade na cobertura em conformidade com este Protocolo.

4. Quando os Estados Partes tiverem acordado uma modificação ou atualização de suas listas contidas no Anexo I “Entidades”, incluindo o caso em que nenhum Estado Parte tiver feito uma objeção dentro de quarenta e cinco (45) dias corridos, de acordo com os parágrafos 1º e 2º do presente Artigo, o órgão encarregado que administrar o Protocolo elevará a modificação ou atualização proposta ao Grupo Mercado Comum (GMC).

5. Caso algum Estado Parte se oponha à modificação ou atualização proposta, os demais Estados Partes resolverão a questão mediante consultas.

6. A modificação ou a atualização deverá ser aprovada pelo GMC.


Artigo 29 – ADMINISTRAÇÃO DO PROTOCOLO


1. A administração deste Protocolo estará a cargo do órgão do MERCOSUL com competência na temática de contratações públicas que seja designado pelo GMC.

2. As funções do órgão de administração do presente Protocolo incluirão:

a) monitorar e avaliar a implementação e a administração deste Protocolo, incluindo seu aproveitamento, e recomendar ao Grupo Mercado Comum as atividades correspondentes;
b) relatar ao Grupo Mercado Comum a implementação e a administração deste Protocolo, quando aplicável;
c) monitorar as atividades de cooperação;
d) considerar e propor ao Grupo Mercado Comum a realização de negociações adicionais com o objetivo de ampliar a cobertura deste Protocolo e/ou aperfeiçoar suas disciplinas gerais de aplicação; e
e) tratar qualquer outro assunto relacionado a este Protocolo.

3. Até que este Protocolo esteja vigente para todos os Estados Partes, as funções de administração a que se refere este Artigo serão cumpridas pelas Coordenações Nacionais do órgão do MERCOSUL com competência na temática de contratações públicas dos Estados Partes que o tiverem ratificado.


Artigo 30 – REVISÃO


1. A partir do terceiro ano após a entrada em vigor do presente Protocolo, os Estados Partes signatários poderão iniciar negociações a fim de aprofundar os compromissos assumidos no marco deste Protocolo, à luz dos princípios de gradualidade, flexibilidade e equilíbrio previstos no Tratado de Assunção, e de forma a promover os benefícios mútuos e atender os interesses de todos os participantes.

2. Qualquer modificação e/ou ampliação do presente Protocolo deverá ser aprovada por Decisão do Conselho do Mercado Comum (CMC).
 

Artigo 31 - DENÚNCIA

O Estado Parte que desejar desvincular-se do presente Protocolo deverá comunicar essa intenção aos demais Estados Partes de maneira expressa e formal, efetuando no prazo de sessenta (60) dias a entrega do documento de denúncia ao depositário, que o distribuirá aos demais Estados Partes.


Artigo 32 – VIGÊNCIA E DEPÓSITO


1. O presente Protocolo, celebrado no âmbito do Tratado de Assunção, terá duração indefinida e entrará em vigor trinta (30) dias após a data do depósito do segundo instrumento de ratificação.

Para os Estados Partes que o ratifiquem posteriormente à sua entrada em vigor, o presente Protocolo entrará em vigor trinta (30) dias após a data em que cada um deles depositem seus respectivos instrumentos de ratificação.

2. O presente Protocolo e seus instrumentos de ratificação serão depositados perante a República do Paraguai, que deverá notificar aos Estados Partes a data dos depósitos desses instrumentos e a entrada em vigor do Protocolo, assim como enviar-lhes cópia devidamente autenticada deste.

3. As modificações e atualizações que sejam feitas nos Anexos que fazem parte do presente Protocolo deverão ser comunicadas pela Secretaria do MERCOSUL ao depositário.

Feito na cidade de Brasília, República Federativa do Brasil, aos 20 dias do mês de dezembro de dois mil e dezessete, em um original, nos idiomas português e espanhol, sendo ambos os textos igualmente autênticos.

 

ANEXO I

 ENTIDADES

SEÇÃO A – ENTIDADES DO GOVERNO CENTRAL

 

Argentina

O presente Protocolo aplica-se às entidades do governo argentino listadas a seguir:

I. Administração Central

O presente Protocolo aplica-se a todas as entidades da Administração Central listadas a seguir, incluindo suas divisões centralizadas (salvo aquelas expressamente excluídas), exceto as entidades ou organismos descentralizados e/ou as sociedades do estado sob sua órbita (a menos que se encontrem expressamente listados no presente Anexo).

  1. Presidencia de la Nación (exceto a Agencia Federal de Inteligencia)
  2. Jefatura de Gabinete de Ministros
  3. Ministerio de Modernización
  4. Ministerio del Interior, Obras Públicas y Vivienda
  5. Ministerio de Relaciones Exteriores y Culto
  6. Ministerio de Justicia y Derechos Humanos
  7. Ministerio de Seguridad
  8. Ministerio de Defensa
  9. Ministerio de Hacienda
  10. Ministerio de  Finanzas Públicas
  11. Ministerio de Producción
  12. Ministerio de Agroindustria
  13. Ministerio de Turismo
  14. Ministerio de Transporte
  15. Ministerio de Energía y Minería
  16. Ministerio de Educación
  17. Ministerio de Ciencia, Tecnología e Innovación Productiva
  18. Ministerio de Cultura
  19. Ministerio de Trabajo, Empleo y Seguridad Social
  20. Ministerio de Salud
  21. Ministerio de Ambiente y Desarrollo Sustentable
  22. Ministerio de Desarrollo Social

II. Organismos descentralizados

  1. Sindicatura General de la Nación
  2. Instituto Nacional del Agua
  3. Registro Nacional de las Personas
  4. Dirección Nacional de Migraciones
  5. Tribunal de Tasaciones de la Nación
  6. Instituto Nacional de Asuntos Indígenas
  7. Instituto Nacional contra la Discriminación, la Xenofobia y el Racismo
  8. Centro Internacional para la Promoción de los Derechos Humanos
  9. Comisión Nacional de Valores
  10. Superintendencia de Seguros de la Nación
  11. Superintendencia de Servicios de Salud
  12. Tribunal Fiscal de la Nación
  13. Unidad de Información Financiera
  14. Instituto Nacional de Tecnología Industrial
  15. Instituto Nacional de la Propiedad Industrial
  16. Instituto Nacional de Tecnología Agropecuaria
  17. Instituto Nacional de Investigación y Desarrollo Pesquero
  18. Instituto Nacional de Vitivinicultura
  19. Instituto Nacional de Semillas
  20. Servicio Nacional de Sanidad y Calidad Agroalimentaria
  21. Instituto Nacional de Promoción Turística
  22. Dirección Nacional de Vialidad
  23. Comisión Nacional de Regulación del Transporte
  24. Organismo Regulador del Sistema Nacional de Aeropuertos
  25. Administración Nacional de Aviación Civil
  26. Junta de Investigación de Accidentes de Aviación Civil
  27. Servicio Geológico Minero Argentino
  28. Ente Nacional Regulador del Gas
  29. Ente Nacional Regulador de la Electricidad
  30. Ente Nacional de Comunicaciones
  31. Comisión Nacional de Evaluación y Acreditación Universitaria (CONEAU)
  32. Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas (CONICET)
  33. Biblioteca Nacional
  34. Instituto Nacional del Teatro
  35. Fondo Nacional de las Artes
  36. Superintendencia de Riesgos del Trabajo
  37. Instituto Nacional Central Único Coordinador de Ablación e Implante
  38. Administración Nacional de Laboratorios e Institutos de Salud Dr. Carlos G. Malbrán
  39. Instituto Nacional de Rehabilitación Psicofísica del Sur Dr. Juan Otimio Tesone
  40. Servicio Nacional de Rehabilitación
  41. Administración de Parques Nacionales
  42. Instituto Nacional de Asociativismo y Economía Social
  43. Teatro Nacional Cervantes
  44. Servicio Meteorológico Nacional
  45. Administración Nacional de Medicamentos, Alimentos y Tecnología Médica (ANMAT)

III. Instituições de Seguridade Social

  1. Caja de Retiros, Jubilaciones y Pensiones de la Policía Federal Argentina
  2. Instituto de Ayuda Financiera para el pago de Retiros y Pensiones Militares
  3. Administración Nacional de la Seguridad Social

IV. Universidades Nacionais

  1. Universidad de Buenos Aires
  2. Universidad Nacional de Catamarca
  3. Universidad Nacional del Centro de la Provincia de Buenos Aires
  4. Universidad Nacional de Comahue
  5. Universidad Nacional de Córdoba
  6. Universidad Nacional de Cuyo
  7. Universidad Nacional de Entre Ríos
  8. Universidad Nacional de Formosa
  9. Universidad Nacional de San Martín
  10. Universidad Nacional de General Sarmiento
  11. Universidad Nacional de Jujuy
  12. Universidad Nacional de La Matanza
  13. Universidad Nacional de La Pampa
  14. Universidad Nacional de La Plata
  15. Universidad Nacional del Litoral
  16. Universidad Nacional de Lomas de Zamora
  17. Universidad Nacional de Luján
  18. Universidad Nacional de Mar del Plata
  19. Universidad Nacional de Misiones
  20. Universidad Nacional del Nordeste
  21. Universidad Nacional de la Patagonia San Juan Bosco
  22. Universidad Nacional de Quilmes
  23. Universidad Nacional de Río Cuarto
  24. Universidad Nacional de Rosario
  25. Universidad Nacional de Salta
  26. Universidad Nacional de San Juan
  27. Universidad Nacional de San Luis
  28. Universidad Nacional de Santiago del Estero
  29. Universidad Nacional del Sur
  30. Universidad Tecnológica Nacional
  31. Universidad Nacional de Tucumán
  32. Universidad Nacional de la Rioja
  33. Universidad Nacional de Lanús
  34. Universidad Nacional Tres de Febrero
  35. Universidad Nacional de Villa María
  36. Universidad Nacional de la Patagonia Austral
  37. Universidad Nacional de las Artes
  38. Universidad Nacional de Chilecito
  39. Universidad Nacional del Noroeste de la Provincia de Buenos Aires
  40. Universidad Nacional de Río Negro
  41. Universidad Nacional del Chaco Austral
  42. Universidad Nacional de Villa Mercedes
  43. Universidad Nacional de Avellaneda
  44. Universidad Nacional del Oeste
  45. Universidad Nacional de Tierra del Fuego, Antártida e Islas del Atlántico Sur
  46. Universidad Nacional de Moreno
  47. Universidad Nacional Arturo Jauretche
  48. Universidad Nacional de José Clemente Paz
  49. Universidad Nacional de Hurlingham
  50. Universidad Nacional del Alto Uruguay
  51. Universidad Nacional de Rafaela
  52. Universidad de la Defensa Nacional
  53. Universidad Nacional San Antonio de Areco
  54. Universidad Nacional Guillermo Brown
  55. Universidad Pedagógica Nacional
  56. Universidad Nacional Raúl Scalabrini Ortiz
  57. Universidad Nacional de los Comechingones

Notas da Argentina à sua lista de entidades:

  1. Estão excluídas do presente Protocolo as seguintes contratações:

    a)
    Ministerio de Salud:
    i. 3003, 3004, 3005 e 3006: medicamentos;
    ii.
    841920: esterilizadores médicos;
    iii.
    9018, 9019, 9021, 9022, 9025: instrumentos e aparelhos médicos.

    b) Ministerio de Defensa y Ministerio de Seguridad:
    i.61, 62 e 4203: vestuário e seus acessórios;
    ii. 64: calçados;
    iii.   650610: somente se excluem os capacetes blindados;
    iv. Equipamento militar.

    c)
    Ministerio de Seguridad:
    i.
    8903: somente se excluem lanchas.

    d)
    Ministerio de Desarrollo Social:
    i.
    2005, 0402, 1006 e 1902: conserva enlatada, leite, arroz e massas alimentícias.

    e)
    Ministerio de Transporte, Ministerio de Energía y Minería y Ministerio de Interior, Obras Públicas y Vivienda:
    i.
    8413, 8414, 8415, 8419, 8428, 8481, 8483, 8504: máquinas, aparelhos e material elétrico.

Brasil

 O Protocolo aplica-se às entidades listadas a seguir, incluindo suas respectivas entidades vinculadas que não estejam excluídas de outra forma:


I. Poder Executivo

  1. Presidência da República
  2. Vice-Presidência da República
  3. Advocacia-Geral da União
  4. Assessoria Especial do Presidente da República
  5. Casa Civil da Presidência da República
  6. Gabinete Pessoal do Presidente da República
  7. Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República
  8. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
  9. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações
  10. Ministério da Cultura
  11. Ministério da Defesa
  12. Ministério do Desenvolvimento Social
  13. Ministério dos Direitos Humanos
  14. Ministério da Educação
  15. Ministério da Fazenda
  16. Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços
  17. Ministério da Integração Nacional
  18. Ministério da Justiça e Cidadania
  19. Ministério da Saúde
  20. Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União
  21. Ministério das Cidades
  22. Ministério das Relações Exteriores
  23. Ministério de Minas e Energia
  24. Ministério do Esporte
  25. Ministério do Meio Ambiente
  26. Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão
  27. Ministério do Trabalho
  28. Ministério do Turismo
  29. Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil
  30. Secretaria Especial de Comunicação Social
  31. Secretaria de Governo da Presidência da República
  32. Secretaria do Programa de Parceria de Investimentos
  33. Ministério Público da União - MPU

II. Poder Judiciário

  1. Supremo Tribunal Federal - STF
  2. Justiça Federal (Tribunais Regionais Federais)
  3. Superior Tribunal de Justiça - STJ
  4. Superior Tribunal de Justiça Militar - STM
  5. Tribunal Superior Eleitoral – TSE
  6. Justiça Eleitoral (Tribunais Regionais Eleitorais)
  7. Tribunal Superior do Trabalho
  8. Justiça do Trabalho (Tribunais Regionais do Trabalho)
  9. Justiça do Distrito Federal e dos Territórios

III. Poder Legislativo

  1. Câmara dos Deputados
  2. Senado Federal
  3. Tribunal de Contas da União

a. Não estão incluídas as seguintes entidades: INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária); ANATER (Agencia Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural); AEB (Agência Espacial Brasileira); CNEN (Comissão Nacional de Energia Nuclear); e INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial).
b. Não estão incluídas as empresas estatais vinculadas às entidades listadas na Seção A.
c.
Aplicam-se a esta Seção as Notas Gerais do Brasil contidas no Anexo VI “Notas Gerais”.


Notas do Brasil à sua lista de entidades:

  1. Presidência da República, Ministério das Relações Exteriores e Ministério da Justiça:

    a. O Protocolo não se aplica:
    i.
    aos serviços relativos à tecnologia da informação: desenvolvimento e manutenção de programas informáticos empregados na criptografia de comunicações, armazenagem e manutenção de banco de dados que contenham informações pessoais sobre cidadãos brasileiros, decorrentes de pedidos de documento e/ou passaporte; desenvolvimento e manutenção de programas informáticos responsáveis pelo processo de elaboração de documentos expedidos pelo serviço diplomático a cidadãos brasileiros; produção de livro de passaporte (CPC 32610); e
    ii. aos serviços relativos às atividades de demarcação de limites.

  1. Ministério da Saúde:
    a.
    O Protocolo não se aplica às aquisições dos seguintes códigos da Nomenclatura Comum do MERCOSUL (NCM): 3003, 3004, 3005 e 3006 (medicamentos), 841920 (esterilizadores médicos) e 9018, 9019, 9021, 9022, 9025 (instrumentos e equipamentos médicos).
  1. Ministério da Defesa e Ministério da Educação:
    a.
    O Protocolo não se aplica às aquisições das seguintes posições da Nomenclatura Comum do MERCOSUL (NCM): 61051000, 61061000, 61091000, 61099000, 61102000, 62034200, 62052000.


Paraguai


LISTA POSITIVA DE ENTIDADES

I. Poder Executivo

  1. Ministerio de Relaciones Exteriores (MRE)
  2. Ministerio de Industria y Comercio (MIC)
  3. Ministerio de la Mujer (Min. Mujer)
  4. Ministerio de Hacienda (MH)
  5. Vicepresidencia de la República (VPR)
  6. Ministerio de Justicia (MJ)
  7. Ministerio de Trabajo, Empleo y Seguridad Social (MTESS)
  8. Secretaría de Acción Social (SAS)
  9. Secretaría Nacional por los Derechos Humanos de las personas con discapacidad (SENADIS)
  10. Secretaría Nacional de la Juventud (SNJ)
  11. Auditoría General del Poder Ejecutivo (AGPE)
  12. Consejo Nacional de Ciencia y Tecnología (CONACYT)
  13. Dirección General de Estadísticas, Encuestas y Censo (DGEEC)
  14. Escribanía Mayor de Gobierno (EMG)
  15. Procuraduría General de la República (PGR)
  16. Secretaría de la Función Pública (SFP)
  17. Secretaría de Políticas Lingüísticas (SPL)
  18. Secretaría de Prevención de Lavado de Dinero (SEPRELAD)
  19. Secretaría de Repatriados
  20. Secretaría Nacional Anticorrupción (SENAC)
  21. Secretaría Nacional Antidrogas (SENAD)
  22. Secretaría Nacional de Turismo (SENATUR)
  23. Secretaría Técnica de Planificación (STP)
  24. Instituto Nacional de Desarrollo Rural y de la Tierra (INDERT)
  25. Secretaria Nacional de la Niñez y la Adolescencia
  26. Secretaría de Información y Comunicación para el Desarrollo

II. Poder Legislativo

1. Congreso Nacional 

III. Poder Judiciário

  1. Consejo de la Magistratura
  2. Jurado de Enjuiciamiento de Magistrados
  3. Ministerio Público
  4. Ministerio de la Defensa Pública (MDP)

IV. Contraloría General de la República

V. Entes Autônomos e Autárquicos

  1. Instituto Nacional de Tecnología, Normalización y Metrología (INTN)
  2. Instituto Nacional de Desarrollo Rural y de la Tierra (INDERT)
  3. Instituto Paraguayo del Indígena (INDI)
  4. Secretaría de Transporte del Área Metropolitana de Asunción (SETAMA)
  5. Dirección de Beneficencia y Ayuda Social (DIBEN)
  6. Dirección Nacional de Correos del Paraguay (DINACOPA)
  7. Dirección Nacional de Aduanas (DNA)
  8. Dirección Nacional de Propiedad Intelectual (DINAPI)
  9. Instituto Paraguayo de Tecnología Agraria (IPTA)
  10. Secretaría del Ambiente (SEAM)
  11. Servicio Nacional de Calidad y Sanidad Vegetal y de Semillas (SENAVE)
  12. Comisión Nacional de Valores (CNV)
  13. Agencia Nacional de Evaluación y Acreditación de la Educación Superior (ANEAES)
  14. Agencia Nacional de Tránsito y Seguridad Vial (ANTSV)
  15. Autoridad Reguladora Radiológica y Nuclear (ARRN)
  16. Comisión Nacional de Competencia (CONACOM)
  17. Consejo Nacional de Educación Superior (CONES)
  18. Dirección Nacional de Transporte (DINATRAN)
  19. Fondo Nacional de la Cultura y las Artes (FONDEC)
  20. Instituto Forestal Nacional (INFONA)
  21. Instituto Paraguayo de Artesanía (IPA)
  22. Secretaría de Defensa del Consumidor y el Usuario (SEDECO)
  23. Secretaria Nacional de Cultura

 VI. Entidades Financeiras

  1. Crédito Agrícola de Habilitación (CAH)
  2. Fondo Ganadero (FG)
  3. Agencia Financiera de Desarrollo (AFD)
  4. Banco Nacional de Fomento (BNF)
  5. Caja de Préstamos del Ministerio de Defensa Nacional
  6. Instituto Nacional de Cooperativismo

VII. Defensoría del Pueblo

  1. Comisión Nacional de Prevención contra la Tortura y Otros Tratos
  2. Defensoría del Pueblo

VIII. Entidades Públicas de Seguridade Social

  1. Caja de Jubilaciones y Pensiones del Personal de la ANDE
  2. Caja de Jubilaciones y Pensiones del Personal Municipal
  3. Caja de Seguridad Social de Empleados y 

IX. Universidades

  1. Universidad Nacional de Canindeyú
  2. Universidad Nacional de Concepción
  3. Universidad Nacional de Itapúa
  4. Universidad Nacional de Pilar

 

Uruguai*

* No marco da cobertura de sua oferta, o Uruguai outorga tratamento nacional aos bens, serviços e obras dos fornecedores do MERCOSUL.

A menos que se especifique em contrário nesta Seção, todas as entidades/organismos que integram as entidades listadas estarão cobertas por este Acordo.

I. Poder Executivo

  1. Presidencia de la República (1)
  2. Ministerio de Defensa Nacional (2)
  3. Ministerio del Interior (2)
  4. Ministerio de Economía y Finanzas
  5. Ministerio de Relaciones Exteriores
  6. Ministerio de Ganadería, Agricultura y Pesca
  7. Ministerio de Industria, Energía y Minería
  8. Ministerio de Turismo
  9. Ministerio de Transporte y Obras Públicas
  10. Ministerio de Educación y Cultura
  11. Ministerio de Salud Pública
  12. Ministerio de Trabajo y Seguridad Social
  13. Ministerio de Vivienda, Ordenamiento Territorial y Medioambiente
  14. Ministerio de Desarrollo Social (3)

II. Poder Legislativo

  1. Cámara de Senadores
  2. Cámara de Representantes
  3. Asamblea General
  4. Comisión Permanente
  5. Comisión Administrativa

III. Poder Judiciário

  1. Suprema Corte de Justicia
  2. Tribunales de Apelaciones
  3. Juzgados Letrados de Primera Instancia
  4. Juzgados de Paz Departamentales de la Capital
  5. Juzgados de Faltas
  6. Juzgados de Paz Departamentales del Interior
  7. Juzgados de Paz de las Ciudades, Villas o Pueblos del Interior
  8. Juzgados de Paz Rurales

IV. Corte Electoral

V. Tribunal de Cuentas

VI. Tribunal de lo Contencioso Administrativo

VII. Outras entidades cobertas. Organismos descentralizados

  1. Banco Central del Uruguay (BCU)
  2. Administración Nacional de Correos (ANC)
  3. Administración Nacional de Educación Pública (ANEP) (4)
  4. Consejo Directivo Central (CODICEN)
  5. Universidad de la República (UDELAR) (5)
  6. Universidad Tecnológica (UTEC)


Notas do Uruguai à sua lista de entidades:

(1) As contratações de bens e serviços realizadas pela Presidencia não incluem aquelas destinadas ao Sistema Nacional de Emergencias para atender situações de emergência, crises ou desastres excepcionais.

(2) As compras realizadas pelo Ministerio de Defensa e pelo Ministerio del Interior não incluem as compras de bens de caráter estratégico que estão listas a seguir:

a. armamento;
b. material nuclear de guerra;
c. equipamento de combate a incêndio;
d. 
munições e explosivos;
e. 
mísseis;
f. 
aeronaves e componentes para aeronaves;
g. 
equipamento para decolagem, pouso e movimentação terrestre de aeronaves;
h. 
embarcações e equipamentos marítimos.

Tampouco estão cobertas as contratações de bens realizadas pelo Ministerio de Defensa e pelo Ministerio del Interior que se encontrem compreendidas na Seção 2 (Alimentos, Bebidas e Tabaco; Têxteis e Vestuário; e Produtos de Couro) da Classificação Central de Produtos (CPC versão 1.0) das Nações Unidas.

(3) As compras realizadas pelo Ministerio de Desarrollo Social não incluem aquelas que sejam realizadas com sindicatos de trabalhadores, associações profissionais e fundações vinculadas à Universidad de la República.

(4) As compras da ANEP não incluem aquelas que sejam realizadas para adquirir, executar, reparar bens ou contratar serviços destinados à manutenção e melhoras de infraestrutura de locais de ensino sob sua dependência.

(5) As compras da Universidad de la República não incluem aquelas que sejam realizadas para adquirir, executar, reparar bens ou contratar serviços destinados à pesquisa científica.
 

SEÇÃO B – ENTIDADES DE NÍVEL SUBCENTRAL (SUBFEDERAL)

Argentina

A partir da assinatura do presente Protocolo, a Argentina iniciará um processo interno de consultas com seus governos provinciais com o propósito de obter sua incorporação de maneira voluntária.

 Brasil
 

A partir da assinatura do presente Protocolo, o Brasil manterá um processo interno de consultas com seus governos estaduais e municipais com o propósito de obter sua incorporação de maneira voluntária.

 Paraguai

I. Governos Departamentais

  1. Gobernación del Departamento de Concepción
  2. Gobernación del Departamento de San Pedro
  3. Gobernación del Departamento de Cordillera
  4. Gobernación del Departamento de Guairá
  5. Gobernación del Departamento de Caaguazú
  6. Gobernación del Departamento de Caazapá
  7. Gobernación del Departamento de Misiones
  8. Gobernación del Departamento de Itapúa
  9. Gobernación del Departamento de Paraguarí
  10. Gobernación del Departamento de Alto Paraná
  11. Gobernación del Departamento de Central
  12. Gobernación del Departamento de Ñeembucú
  13. Gobernación del Departamento de Amambay
  14. Gobernación del Departamento de Canindeyú
  15. Gobernación del Departamento de Boquerón
  16. Gobernación del Departamento de Presidente Hayes
  17. Gobernación del Departamento de Alto Paraguay

 


Uruguai

A partir da assinatura do presente Protocolo, o Uruguai realizará um processo de consultas com seus governos departamentais, com o objetivo de obter sua incorporação voluntária ao âmbito de aplicação do presente instrumento.


SEÇÃO C – OUTRAS ENTIDADES

Os Estados Partes comprometem-se a iniciar negociações para a inclusão de empresas estatais no prazo de dois (2) anos após a entrada em vigor do Protocolo.

  

ANEXO II
BENS

Argentina

O presente Protocolo cobre todas as contratações públicas de bens realizadas pelas entidades da Argentina listadas na Seção A do Anexo I “Entidades”, com exceção dos bens correspondentes aos códigos da NCM listados a seguir, sujeito às Notas das respectivas Seções e às Notas Gerais:

a. 8528: Monitores e projetores.
b. 9403: Móveis de escritório.
c. 8415: Máquinas e aparelhos de ar-condicionado.

Brasil

O Protocolo aplica-se às contratações públicas de todos os bens adquiridos pelas entidades listadas nas Seções A, B e C do Anexo I “Entidades”, exceto quando se tenha especificado o contrário no Protocolo, incluídos seus Anexos.

Paraguai
 

LISTA NEGATIVA DE BENS
* Em NCM 2017

 

NCM

DESCRIÇÃO

02.01

Carnes de animais da espécie bovina, frescas ou refrigeradas.

02.02

Carnes de animais da espécie bovina, congeladas.

02.03

Carnes de animais da espécie suína, frescas, refrigeradas ou congeladas.

02.07

Carnes e miudezas, comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas, das aves da posição 01.05.

0302.59.00

-- Outros

04

Leite e lacticínios; ovos de aves; mel natural; produtos comestíveis de origem animal, não especificados nem compreendidos noutros Capítulos

0903.00

Mate.

10.06

Arroz.

1101.00

Farinhas de trigo ou de mistura de trigo com centeio (méteil).

11.02

Farinhas de cereais, exceto de trigo ou de mistura de trigo com centeio (méteil).

1108.12.00

-- Amido de milho

1108.14.00

-- Fécula de mandioca

15.15

 

Outras gorduras e óleos vegetais (incluindo o óleo de jojoba) e respectivas frações, fixos, mesmo refinados, mas não quimicamente modificados.

15.16

 

Gorduras e óleos animais ou vegetais e respectivas frações, parcial ou totalmente hidrogenados, interesterificados, reesterificados ou elaidinizados, mesmo refinados, mas não preparados de outro modo.

1517.10.00

- Margarina, exceto a margarina líquida

1601.00.00

 

Enchidos e produtos semelhantes, de carne, de miudezas ou de sangue; preparações alimentícias à base de tais produtos.

17.01

 

Açúcares de cana ou de beterraba e sacarose quimicamente pura, no estado sólido.

19.02

 

Massas alimentícias, mesmo cozidas ou recheadas (de carne ou de outras substâncias) ou preparadas de outro modo, tais como espaguete, macarrão, aletria, lasanha, nhoque, ravioli e canelone; cuscuz, mesmo preparado.

19.04

 

Produtos à base de cereais, obtidos por expansão ou por torrefação (flocos de milho (cornflakes), por exemplo); cereais (exceto milho) em grãos ou sob a forma de flocos ou de outros grãos trabalhados (com exceção da farinha, do grumo e da sêmola), pré-cozidos ou preparados de outro modo, não especificados nem compreendidos noutras posições.

19.05

 

Produtos de padaria, pastelaria ou da indústria de bolachas e biscoitos, mesmo adicionados de cacau; hóstias, cápsulas vazias para medicamentos, obreias, pastas secas de farinha, amido ou fécula, em folhas, e produtos semelhantes.

2008.11.00

-- Amendoins

20.09

 

Sucos (sumos) de fruta (incluindo os mostos de uvas) ou de produtos hortícolas, não fermentados, sem adição de álcool, mesmo com adição de açúcar ou de outros edulcorantes.

2101.20.20

De mate

2201.10.00

- Águas minerais e águas gaseificadas

2710.12.49

Outras

2710.12.5

Gasolinas

2710.19.21

“Gasóleo” (óleo diesel)

2710.19.22

Fuel-oil

2710.19.3

Óleos lubrificantes

2710.19.92

Líquidos para transmissões hidráulicas

2711.19.10

Gás liquefeito de petróleo (GLP)

2804.30.00

- Nitrogênio (azoto)

2804.40.00

- Oxigênio

2815.20.00

- Hidróxido de potássio (potassa cáustica)

30

Produtosfarmacêuticos

32.08

 

 

Tintas e vernizes, à base de polímeros sintéticos ou de polímeros naturais modificados, dispersos ou dissolvidos em meio não aquoso; soluções definidas na Nota 4 do presente Capítulo.

32.09

 

Tintas e vernizes, à base de polímeros sintéticos ou de polímeros naturais modificados, dispersos ou dissolvidos num meio aquoso.

32.14

 

 

Mástique de vidraceiro, cimentos de resina e outros mástiques; indutos utilizados em pintura; indutos não refratários do tipo utilizado em alvenaria.

32.15

 

Tintas de impressão, tintas de escrever ou de desenhar e outras tintas, mesmo concentradas ou no estado sólido.

34.01 

 

 

 

 

 

Sabões; produtos e preparações orgânicos tensoativos utilizados como sabão, em barras, pães, pedaços ou figuras moldadas, mesmo que contenham sabão; produtos e preparações orgânicos tensoativos para lavagem da pele, em forma de líquido ou de creme, acondicionados para venda a retalho, mesmo que contenham sabão; papel, pastas (ouates), feltros e falsos tecidos, impregnados, revestidos ou recobertos de sabão ou de detergentes.

39.17

 

Tubos e seus acessórios (por exemplo, juntas, cotovelos, flanges, uniões), de plástico.

39.23

 

Artigos de transporte ou de embalagem, de plástico; rolhas, tampas, cápsulas e outros dispositivos para fechar recipientes, de plástico.

39.25

 

Artigos para apetrechamento de construções, de plástico, não especificados nem compreendidos noutras posições.

3926.10.00

- Artigos de escritório e artigos escolares

4011.40.00

- Do tipo utilizado em motocicletas

44.18 

 

 

Obras de marcenaria e peças de carpintaria para construções, incluindo os painéis celulares, os painéis montados para revestimento de pisos (pavimentos) e as fasquias para telhados (shingles e shakes), de madeira.

4818.10.00

- Papel higiênico

48.19

 

 

Caixas, sacos, bolsas, cartuchos e outras embalagens, de papel, cartão, pasta (ouate) de celulose ou de mantas de fibras de celulose; cartonagens para escritórios, lojas e estabelecimentos semelhantes.

48.20

 

 

 

 

 

 

 

Livros de registro e de contabilidade, blocos de notas, de encomendas, de recibos, de apontamentos, de papel para cartas, agendas e artigos semelhantes, cadernos, pastas para documentos, classificadores, capas para encadernação (de folhas soltas ou outras), capas de processos e outros artigos escolares, de escritório ou de papelaria, incluindo os formulários em blocos tipo manifold, mesmo com folhas intercaladas de papel-carbono (papel químico), de papel ou cartão; álbuns para amostras ou para coleções e capas para livros, de papel ou cartão.

48.21

Etiquetas de qualquer espécie, de papel ou cartão, impressas ou não.

49.01

Livros, brochuras e impressos semelhantes, mesmo em folhas soltas.

49.11

Outros impressos, incluindo as estampas, gravuras e fotografias.

61

Vestuário e seus acessórios, de malha

63.02

Roupas de cama, mesa, toucador ou cozinha.

68.10

Obras de cimento, de concreto (betão*) ou de pedra artificial, mesmo armadas.

6906.00.00

Tubos, calhas ou algerozes e acessórios para canalizações, de cerâmica.

70.07

Vidros de segurança consistindo em vidros temperados ou formados por folhas contracoladas.

72.14

 

Barras de ferro ou aço não ligado, simplesmente forjadas, laminadas, estiradas ou extrudadas, a quente, incluindo as que tenham sido submetidas a torção após laminagem.

72.15

Outras barras de ferro ou aço não ligado.

72.16

Perfis de ferro ou aço não ligado.

72.17

Fios de ferro ou aço não ligado.

73.05

 

Outros tubos (por exemplo, soldados ou rebitados), de seção circular, de diâmetro exterior superior a 406,4 mm, de ferro ou aço.

73.07

 

Acessórios para tubos (por exemplo, uniões, cotovelos, luvas (mangas*)), de ferro fundido, ferro ou aço.

73.08

 

 

 

 

 

Construções e suas partes (por exemplo, pontes e elementos de pontes, comportas, torres, pórticos, pilares, colunas, armações, estruturas para telhados, portas e janelas, e seus caixilhos, alizares e soleiras, portas de correr, balaustradas), de ferro fundido, ferro ou aço, exceto as construções pré-fabricadas da posição 94.06; chapas, barras, perfis, tubos e semelhantes, de ferro fundido, ferro ou aço, próprios para construções.

7309.00

 

 

 

Reservatórios, tonéis, cubas e recipientes semelhantes para quaisquer matérias (exceto gases comprimidos ou liquefeitos), de ferro fundido, ferro ou aço, de capacidade superior a 300 l, sem dispositivos mecânicos ou térmicos, mesmo com revestimento interior ou calorífugo.

73.10

 

 

Reservatórios, barris, tambores, latas, caixas e recipientes semelhantes para quaisquer matérias (exceto gases comprimidos ou liquefeitos), de ferro fundido, ferro ou aço, de capacidade não superior a 300 l, sem dispositivos mecânicos ou térmicos, mesmo com revestimento interior ou calorífugo.

7311.00.00 

Recipientes para gases comprimidos ou liquefeitos, de ferro fundido, ferro ou aço.

7313.00.00

Arame farpado, de ferro ou aço; arames ou tiras, retorcidos, mesmo farpados, de ferro ou aço, do tipo utilizado em cercas.

73.14

 

Telas metálicas (incluindo as telas contínuas ou sem fim), grades e redes, de fios de ferro ou aço; chapas e tiras, distendidas, de ferro ou aço.

7317.00 

 

 

Tachas, pregos, percevejos, escápulas, grampos ondulados ou biselados e artigos semelhantes, de ferro fundido, ferro ou aço, mesmo com a cabeça de outra matéria, exceto cobre.

8303.00.00

 

Cofres-fortes, portas blindadas e compartimentos para casas-fortes, cofres e caixas de segurança e artigos semelhantes, de metais comuns.

83.11 

 

 

 

 

Fios, varetas, tubos, chapas, eletrodos e artigos semelhantes, de metais comuns ou de carbonetos metálicos, revestidos interior ou exteriormente de decapantes ou de fundentes, para soldadura ou depósito de metal ou de carbonetos metálicos; fios e varetas, de pós de metais comuns aglomerados, para metalização por projeção.

84.71

 

Máquinas automáticas para processamento de dados e suas unidades; leitores magnéticos ou ópticos, máquinas para registrar dados em suporte sob forma codificada, e máquinas para processamento desses dados, não especificadas nem compreendidas noutras posições.

85.04

 

Transformadores elétricos, conversores elétricos estáticos (retificadores, por exemplo), bobinas de reatância e de auto-indução.

85.07

 

Acumuladores elétricos e seus separadores, mesmo de forma quadrada ou retangular.

8535.40 

- Para-raios, limitadores de tensão e supressores de picos de tensão (eliminadores de onda)

85.39

 

 

Lâmpadas e tubos elétricos de incandescência ou de descarga, incluindo os artigos denominados “faróis e projetores, em unidades seladas” e as lâmpadas e tubos de raios ultravioleta ou infravermelhos; lâmpadas de arco; lâmpadas e tubos de diodos emissores de luz (LED).

85.44

 

 

 

 

Fios, cabos (incluindo os cabos coaxiais) e outros condutores, isolados para usos elétricos (incluindo os envernizados ou oxidados anodicamente), mesmo com peças de conexão; cabos de fibras ópticas, constituídos por fibras embainhadas individualmente, mesmo com condutores elétricos ou munidos de peças de conexão.

* A definir

Produtos do setor automotivo

 

 Uruguai

Este Protocolo aplica-se a todas as contratações públicas de bens adquiridos pelas entidades listadas na Seção A do Anexo I “Entidades”, salvo especificação em contrário no Protocolo, inclusive em seus Anexos.

ANEXO III
SERVIÇOS

Argentina

Este Protocolo cobre todas as contratações públicas de serviços listados a seguir, realizadas pelas entidades da Argentina listadas na Seção A do Anexo I “Entidades”, sujeito às Notas das respectivas Seções e às Notas Gerais.

 

  1. SERVIÇOS PRESTADOS ÀS EMPRESAS

 

  1. Serviços profissionais
  2. Serviços jurídicos                                                                                   861
  3. Serviços de contabilidade, auditoria e

                  escrituração                                                                                           862

  1. Serviços de assessoria tributária                                                       863
  2. Serviços de arquitetura                                                                      8671
  3. Serviços de engenharia                                                                     8672
  4. Serviços integrados de engenharia                                                 8673
  5. Serviços de planejamento urbano e

                  e de arquitetura de paisagens                                                          8674

  1. Serviços médicos e odontológicos                                                   9312
  2. Serviços veterinários                                                                           932
  3. Serviços prestados por parteiras, enfermeiras,                                        

                  fisioterapeutas e paramédicos                                                         93191

  1.    Outros

                  Serviços de psicologia

                  Serviços de biologia

                  Serviços de biblioteconomia

                  Serviços de farmácia

 

  1. Serviços de informática e serviços conexos
  2. Serviços de consultores em instalação de

                  equipamentos de informática                                                             841

  1. Serviços de instalação de programas de informática                    842
  2. Serviços de processamento de dados                                              843
  3. Serviços de bases de dados                                                               844
  4. Outros                                                                                                845+849  

 

  1. Serviços de pesquisa e desenvolvimento
  2. Serviços de pesquisa e desenvolvimento de

                  ciências naturais (não inclui a investigação                                                                           científica e técnica no mar territorial, na zona econômica                                                                exclusiva e na plataforma continental Argentina).                                     851

  1. Serviços de pesquisa e desenvolvimento de

                  ciências sociais e humanidades                                                       852

  1. Serviços interdisciplinares de pesquisa

                  e desenvolvimento                                                                               853

 

  1. Serviços imobiliários
  2. Serviços imobiliários relativos a propriedades imóveis

                  próprias ou alugadas                                                                           821

  1. Serviços imobiliários por comissão ou contrato                              822

 

  1. Serviços de aluguel/leasing sem operadores
  2. Serviços de aluguel de navios

                  sem tripulação (não inclui serviços de aluguel

                  de embarcações destinadas à pesca)                                            83103                       

  1. Serviços de aluguel de

                  aeronaves sem tripulação                                                                83104

  1. Serviços aluguel de                                                                               

                  outros meios de transporte sem operadores                    83101+83102+83105  

  1. Serviços aluguel de outras

                  máquinas e equipamentos sem operadores                           83106‑83109

  1. Outros                                                                                                     832

 

  1. Outros serviços prestados às empresas
  2. Serviços publicitários                                                                           871
  3. Serviços de pesquisa de mercados e

                  pesquisas de opinião pública                                                            864

  1. Serviços de consultoria em administração                                      865
  2. Serviços relacionados à

                  consultoria em administração                                                            866

  1. Serviços de testes e análises técnicas                                            8676
  2. Serviços relacionados à pesca                                                          882
  3. Serviços relacionados à mineração                                            883+5115
  4. Serviços relacionados à produção manufatureira                     884+885
  5. Serviços conexos de consultoria em ciência e tecnologia          8675
  6. Serviços de manutenção e reparo de

                  equipamentos (com exceção das embarcações,                          633+

                  das aeronaves e demais equipamentos de transporte) 8861‑8866

  1. Serviços de limpeza de edifícios                                                       874
  2. Serviços fotográficos (com exceção dos serviços fotográficos especiais  e obras audiovisuais - CCP 87504 e 87506)                                                                   875
  3. Serviços de empacotamento   876
  4. Serviços editoriais e de publicação                                                88442
  5. Serviços prestados por ocasião de assembleias       

                  ou convenções                                                                                   87909* 

  1. Outros                                                                                                    8790

 

  1. SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO

 

  1. Serviços postais                                                                                        7511
  2. Serviços de correios                                                                                 7512
  3. Serviços de telecomunicações: Não inclui fornecimento de facilidades satelitais dos satélites artificiais geoestacionários do Serviço Fixo por Satélite.

 

  1. Serviços telefônicos                                                                           7521
  2. Serviços de transmissão de dados com

                  comutação de pacotes                                                                     7523**

  1. Serviços de transmissão de dados com

                  comutação de circuitos                                                                    7523**

  1. Serviços de telex                                                                               7523**
  2. Serviços de telégrafo                                                                          7522
  3. Serviços de fac-símile                                                                7521**+7529**
  4. Serviços de circuitos privados arrendados                            7522**+7523**
  5. Correio eletrônico                                                                              7523**
  6. Correio de voz                                                                                    7523**
  7. Extração de informação online

                  e de bases de dados                                                                         7523**

  1. Serviços de intercâmbio eletrônico

                  de dados (IED)                                                                                   7523**

  1. Serviços de fac-símile ampliados/de valor agregado,

                  incluídos os de armazenamento e retransmissão

                  e os de armazenamento e recuperação                                        7523**

  1. Conversão de códigos e protocolos                                                  n.d.
  2. Processamento de dados e/ou informação online

                   (com inclusão do processamento de transação)                           843**

  1. Outros

 

  1. SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO
  2. Serviços de agentes comissionados                                                      621
  3. Serviços de comércio atacadista                                                             622
  4. Serviços de comércio varejista                                                            631+632

                                                                                                                      6111+6113+6121

  1. Serviços de franquia                                                                                8929

 

  1. SERVIÇOS RELACIONADOS AO MEDIO AMBIENTE
  2. Serviços de esgoto                                                                                  9401

 

  1. Serviços de eliminação de resíduos                                                    9402
  2. Serviços de saneamento e serviços similares                                   9403
  3. Outros

 

  1. SERVIÇOS DE TURISMO E SERVIÇOS RELACIONADOS

        A VIAGENS

 

  1. Hotéis e restaurantes (incluindo os serviços

              defornecimentode alimentos importados                                         641‑643

              por contrato)                                                                                                 

  1. Serviços de agências de viagens e organização

              de viagens em grupo                                                                               7471

  1. Serviços de guias turísticos                                                                  7472
  2. Outros

NOTA: O asterisco (*) indica que o serviço especificado é um elemento de uma rubrica mais agregada da CCP especificada em outro lugar desta lista de classificação. Os dois asteriscos (**) indicam que o serviço especificado constitui apenas uma parte da gama total de atividades abrangidas pela rubrica correspondente da CCP (por exemplo, os serviços de correio de voz são apenas um elemento da rubrica 7523 da CCP).

Brasil

O Protocolo aplicar-se-á a todos os serviços adquiridos pelas entidades listadas no Anexo I “Entidades”, sujeito às Notas do Anexo I “Entidades” e às Notas Gerais do Anexo VI “Notas Gerais”. 

Paraguai

LISTA POSITIVA DE SERVIÇOS

 

 

       

NÚMERO

 

SETORES E SUB-SETORES

   

 

 

       

DA CCP

 

 

       

Seção B

 

 

         

 

Aos serviços abrangidos por esta lista e ainda não registrados ou não consolidados na lista de compromissos específicos do Protocolo de Montevidéu sobre Comércio de Serviços serão aplicadas provisoriamente as limitações de acesso ao mercado e tratamento nacional de acordo com a legislação nacional vigente.

 

         

 

1. SERVIÇOS PRESTADOS ÀS EMPRESAS

 

 

 

B. Serviços de informática e serviços conexos

 

 

 

a. Serviços de consultores em instalação de equipamentos de informática

84100

 

b. Serviços de análise de sistema

84220

 

c. Serviços de processamento de dados

843

 

d. Serviços de bases de dados

844

 

C. Serviços de pesquisa e desenvolvimento

   

 

 

b.Serviços de pesquisa e desenvolvimento das  ciências sociais e humanidades

852

 

F. Outros serviços prestados às empresas

   

 

 

b. Serviços de realização de pesquisas de opinião pública

86402

 

c. Serviços de consultoria em administração

 

865

 

d. Serviços relacionados à consultoria em administração

866

 

h. Serviços relacionados à mineração

   

883+5115

 

n. Serviços de manutenção e reparo de  equipamento (com exceção das embarcações, das aeronaves e demais equipamentos de transporte)

633+8861-8866

 

s. Serviços prestados por ocasião de assembleias  ou convenções

87909* 

 

2. SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO

 

 

 

 

C. Serviços de telecomunicações

   

 

 

4. SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO

 

 

 

 

B. Serviços de comércio atacadista

   

622

 

C. Serviços de comércio varejista

   

631+632 6111+6113+  6121

 

D. Serviços de franquia

     

8929

 

7. SERVIÇOS FINANCEIROS

 

 

 

 

C. Serviços de resseguro e retrocessão

   

81299*

 

9. SERVIÇOS DE TURISMO E SERVIÇOS RELACIONADOS A VIAGENS

 

 

A. Hotéis e restaurantes (incluídos os serviços de fornecimento de alimentos importados por contrato)

641-643

 

C. Serviços de guias turísticos

   

7472

 

 

 

 

 

 

 

 


Uruguai

Este Protocolo aplica-se a todas as contratações públicas de serviços contratados pelas entidades listadas na Seção A do Anexo I “Entidades”, salvo especificação em contrário no Protocolo, ou em seus Anexos.

ANEXO IV

 SERVIÇOS DE CONSTRUÇÃO

Argentina

O presente Protocolo cobre todas as contratações públicas de serviços de construção do CPC 51 listados a seguir, realizadas pelas entidades da Argentina listadas na Seção A do Anexo I “Entidades”, sujeitas às Notas Gerais das respectivas Seções e às Notas Gerais:

GRUPO CLASSE SUBCLASSE

511     Obra de pré-construção em canteiros de obras

5111   51110  Obra de pesquisa de campo

5112   51120 Obra de demolição

5113   51130 Obra de limpeza e preparação do terreno

5114   51140 Obra de escavação e remoção de terra

5116   51160  Obra de andaimes

512     Obras de construção para edifícios

5121   51210   De uma e duas moradias

5122   51220   Para habitações múltiplas

5123   51230   Para armazéns e edifícios industriais

5124   51240  Para edifícios comerciais

5125   51250  Para edifícios de entretenimento público

5126   51260  Para hotéis, restaurantes e edifícios similares

5127   51270  Para edifícios educacionais

5128   51280  Para edifícios de saúde

5129   51290  Para outros edifícios

513     Obras de engenharia civil

5131   51310  Para  estradas (exceto estradas elevadas), ruas, estradas, ferrovias e pistas de pouso

5132   51320  De pontes, estradas elevadas, túneis, trens subterrâneos e estradas de ferro

5134   51340  De colocação de tubos de longa distância, linhas de comunicação e linhas elétricas (fiação)

5135   51350  Tubagem e fiação local, trabalhos auxiliares

5136   51360  De construções para mineração

5137   51370   De construções esportivas e recreativas

5139   51390   De obra de engenharia não classificada em outra parte

514     Montagem e construção de edifícios pré-fabricados

515     Obra de construção especializados para o comércio

5151   51510   Obra de construção, incluindo instalação de pilares

5152   51520  Perfuração de poços de água

5153   51530   Tetos e impermeabilização

5154   51540   Obra em concreto

5155   51550   Dobra e construção de aço, incluindo soldagem

5156   51560   Obra de alvenaria

5159   51590  Outras obras de construção especializadas para comércio

516     Obra de instalação

5161   51610   Obra de calefação, ventilação e ar condicionado

5162   51620   Obra de encanamento hidráulico e drenagem

5163   51630   Obra para a construção de conexões de gás

5164   51640   Obra elétrica

5165   51650 Obra de isolamento (fiação elétrica, água, aquecimento, som)

5166   51660 Obra de construção de grades e corrimões

516951690  Outras obras de instalação

517     Obra de finalização e acabamento de edifícios

5171   51710 Obra de selagem e instalação de janelas de vidro

5172   51720   Obra em gesso

5173   51730    Obra de pintura

5174   51740  Obra de ladrilhamento de pisos e colocação

de azulejos em paredes

5175   51750   Outras obras de colocação de pisos, revestimentos de paredes e estofamento de paredes.

5176   51760   Obra em madeira ou metal e carpintaria

5177   51770   Obra de decoração de interiores

5178   51780   Obra de ornamentação

5179   51790  Outros trabalhos de finalização e acabamento de edifícios

518     5180   51800  Serviços de locação relacionados com equipamentos para construção ou demolição de edifícios ou obras de engenharia civil, com operador.

 

Este Protocolo será aplicado aos contratos de concessão de obras, entendidos como qualquer acordo contratual cujo principal objetivo é dispor da construção ou reabilitação de infraestrutura física, plantas, edifícios, instalações ou outras obras públicas, por meio do qual uma entidade concede a um fornecedor, através de um contrato e por um período determinado, a propriedade temporária ou o direito de controlar, operar e exigir o pagamento pelo uso das referidas obras durante o prazo do contrato.

Brasil

O Protocolo aplicar-se-á a todos os serviços de construção do CPC 51 contratados pelas entidades listadas nas Seções A, B e C do Anexo I “Entidades”, sujeitos às Notas daquelas Seções e às Notas Gerais do Anexo VI “Notas Gerais”.

 O Protocolo aplicar-se-á aos contratos de concessão de obra de infraestrutura, entendidos como qualquer acordo contratual cujo principal objetivo seja realizar a construção ou reabilitação de infraestruturas físicas, plantas, edifícios, instalações e outras obras públicas, e segundo o qual, tendo em conta a execução de um contrato por um fornecedor, uma entidade concede ao fornecedor, por um período determinado, a propriedade temporária ou o direito de controlar, operar e exigir o pagamento pelo uso de tais obras durante a vigência do contrato.

 

Paraguai

Não ofertado.

Uruguai

Este Protocolo aplica-se a todas as contratações públicas de obra pública realizadas pelas entidades listadas na Seção A do Anexo I “Entidades”, salvo especificação em contrário neste Protocolo, inclusive em seus anexos.

ANEXO V

PATAMARES

 Argentina, Brasil e Uruguai


Este Protocolo aplica-se às contratações de bens e serviços cobertos pelos Anexos II “Bens”, III “Serviços” e IV “Serviços de Construção”, adquiridos pelas entidades listadas no Anexo I “Entidades”, quando o valor da contratação pública estimado em conformidade com o Artigo 4° “Valoração de Contratos” é igual ou maior que os patamares abaixo:

ENTIDADES

MOEDA

BENS

(Anexo II)

SERVIÇOS

(Anexo III)

SERVIÇOS DE CONSTRUÇÃO

(Anexo IV)

(SEÇÃO A)

DES

95.000

95.000

4.000.000

 

  1. As Partes calcularão e converterão o valor dos patamares em sua respectiva moeda nacional utilizando as taxas de câmbio dos valores diários da respectiva moeda nacional em termos de Direitos Especiais de Saque (DES), publicados mensalmente pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) nas "Estatísticas Financeiras Internacionais", tomando como base o período de dois anos anterior a 1º de outubro do ano imediatamente anterior a que os patamares passem a ser aplicados. 
  1. A aplicação dos patamares corrigidos terá vigência a partir de 1º de janeiro do ano seguinte. 
  1. Cada Parte notificará à outra Parte, em sua respectiva moeda nacional, o valor de novos patamares calculados, no mais tardar, um mês antes que tais patamares tenham vigência. Os patamares expressos na respectiva moeda nacional serão fixados para um período de um ano (ano-calendário).

 

Paraguai

  1. Bens e Serviços: USD 700.000.-

  

ANEXO VI

NOTAS GERAIS

Argentina

  1. Este Protocolo não se aplica aos programas de contratação pública para favorecer as micro, pequenas e médias empresas (identificadas no “tramo 1”), de acordo com a legislação nacional vigente.

  2. Este Protocolo não se aplica às contratações públicas destinadas ao fomento de ciência, tecnologia e inovação.

  3. Este Protocolo não se aplica às concessões de serviços públicos.

  4. A Argentina reserva-se a possibilidade de adjudicar contratos por meios distintos aos procedimentos competitivos quando se trate de reparos de máquinas, veículos, equipamentos ou motores cujo desmonte, translado ou exame prévio seja imprescindível para determinar o reparo necessário e resultar mais oneroso em caso de adoção de outro procedimento de contratação. Não se poderá utilizar a contratação direta para as contratações comuns de manutenção de tais elementos.

  5. Sem prejuízo do disposto no Artigo 9º “Condições Compensatórias Especiais”, quando as entidades listadas no Anexo I “Entidades” realizem contratações públicas cobertas por este Acordo, a Argentina poderá solicitar ou exigir, em conformidade com seu ordenamento jurídico, que o adjudicatário realize contratações de bens e serviços locais vinculados ao objeto da contratação. Estas condições compensatórias especiais serão indicadas no aviso e/ou edital de contratação e serão de caráter não discriminatório e deverão estar claramente definidas nos editais. Nos casos em que não seja viável contratar bens e serviços locais, a Argentina pode exigir ou autorizar que essa compensação seja completada através da fixação de investimentos no território nacional, transferência de tecnologia, investimentos em pesquisa ou desenvolvimento e inovação tecnológica. A partir do décimo ano depois do início da vigência do Protocolo para a Argentina, só poderão solicitar ou exigir condições compensatórias especiais, nos termos descritos acima, as seguintes entidades:

    i. Ministerio de Transporte
    ii. Ministerio de Energía y Minería
    iii. Ministerio de Interior, Obra Pública y Vivienda
    iv. Ministerio de Salud
    v. Ministerio de Defensa
    vi. Ministerio de Seguridad

Brasil

A menos que se tenha disposto o contrário, as seguintes Notas Gerais aplicam-se sem exceção a este Protocolo.

  1. O Protocolo não se aplicará:

    a. aos programas de contratações públicas para favorecer as micro e pequenas empresas;
    b. às contratações públicas de bens e serviços adquiridos por meio de programas de segurança alimentar e nutricional e de alimentação escolar que apoiem agricultores familiares ou cooperativas da agricultura familiar portadores de registro específico;
    c. às contratações públicas relacionadas a bens ou serviços de instituições sem fins lucrativos dedicadas à assistência social, ao ensino, à pesquisa e ao desenvolvimento institucional, e às contratações de entidades sociais de direito privado submetidas a contratos de gestão;
    d. às contratações públicas nas quais haja transferência de tecnologia de produtos estratégicos para o Sistema Único de Saúde (SUS) e para aquisição de insumos estratégicos para a saúde;
    e. às contratações públicas relacionadas às políticas voltadas a ciência, tecnologia e inovação, inclusive aquelas destinadas às políticas de tecnologia da informação e comunicação, energia nuclear e aeroespacial, conforme a legislação nacional;
    f. às contratações públicas que realizam as embaixadas, consulados e outras missões do serviço exterior do Brasil, exclusivamente para seu funcionamento e gestão.

  2. Mediante justificativa prévia, desde que essas condições e a forma de considerá-las não sejam discriminatórias e estejam indicadas nos editais de licitação, o Brasil reserva-se o direito de exigir condições compensatórias especiais relacionadas ao objeto da contratação, limitadas à transferência de tecnologia e conteúdo nacional, nos procedimentos de contratação pública das seguintes entidades: Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação; Ministério da Defesa; Ministério da Saúde, Ministério das Minas e Energia; Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil.

Paraguai 

  1. O Paraguai outorgará o acesso ao seu mercado de compras governamentais à República Argentina e à República Federativa do Brasil quando realizem a abertura ao Paraguai dos mercados de governos estaduais e provinciais limítrofes com os Estados Partes. 
  1. Nas licitações públicas nacionais convocadas pelas entidades do Paraguai incluídas no Anexo I “Entidades” o país reserva-se a aplicação de preferência de preços estabelecida na Ley N° 4.558/11. 
  1. O Acordo não se aplicará quando o objeto da licitação se refira a políticas nacionais, como: educação, saúde, social, industrial, rural, ambiental, científico e tecnológico, defesa e segurança nacional, agricultura familiar (Decreto N° 3.000/2015), sempre que sejam declarados estratégicos pelo Governo Nacional. 
  1. Regulamentação nacional: em tudo o que não estiver previsto por este Protocolo, e sempre que isso não contradiga os princípios consagrados, será aplicável supletoriamente a legislação nacional vigente em matéria de contratações públicas. 
  1. Exceções ao âmbito de aplicação. Este Protocolo não se aplica a:
    i. compras de empresas públicas e qualquer outra entidade não listada no Anexo I “Entidades”;
    ii. contratos de delegação de serviços, tais como autorizações, permissões e concessões, inclusive a concessão de obra pública.

 

Uruguai

As seguintes notas gerais aplicam-se, sem exceção, a este Protocolo:

1. Este Protocolo não se aplica:

a. aos contratos de delegação de serviços, tais como autorizações, permissões e concessões, inclusive a concessão de obra pública;
b. às compras de petróleo bruto e seus derivados, óleos básicos, gás natural, aditivos para lubrificantes e seus respectivos fretes;
c. às compras de energia;
d. às compras de semoventes por seleção, quando se trate de exemplares de características especiais;
e. aos contratos com empresas de serviços energéticos públicas ou privadas que se encontrem registradas no Ministerio de Industria, Energía y Minería (MIEM) e que operem sob o esquema de Contratos Remunerados por Desempeño, nos quais o investimento seja financiado integral ou parcialmente pela empresa de serviços energéticos;
f. à aquisição de bens ou serviços quando haja notória escassez dos bens ou serviços a contratar.

2. Não obstante qualquer outra disposição do presente Protocolo, o Uruguai poderá reservar, a cada ano, contratos de compra das obrigações deste Protocolo em um montante equivalente a 15% de suas compras totais do ano anterior, com o objetivo de promover planos específicos de promoção de algum setor ou atividade, fundados em políticas públicas e instrumentados em normas que especifiquem seu conteúdo e alcance.

3. Não obstante qualquer disposição do presente Protocolo, nos contratos de obra pública, o Uruguai poderá condicionar a concessão de uma margem de preferências no preço das ofertas no que corresponder à utilização de mão de obra nacional, entendendo-se por tal, a mão de obra uruguaia segundo os critérios de qualificação estabelecidos na legislação nacional.

4. Estão excluídos do âmbito de aplicação deste Protocolo, os acordos de contratação pública do Uruguai com terceiros países que se encontrem vigentes à data de entrada em vigor deste Protocolo.

5. Estão excluídos do âmbito de aplicação deste Protocolo, as contratações realizadas no marco do Programa de Contratación Pública para El Desarrollo e da Ley de Agricultura Familiar y Pesca Artesanal.

6. As entidades poderão adjudicar contratos por outros meios distintos dos procedimentos de licitação aberta, em qualquer uma das seguintes circunstâncias:

a. no caso de serviços de construção ou obra pública, quando se requeiram serviços de construção adicionais aos originalmente contratados, que respondam a circunstâncias imprevistas e que sejam necessários para o cumprimento dos objetivos do contrato que os originou. No entanto, o valor total dos contratos adjudicados para tais serviços de construção ou obras públicas adicionais não poderá exceder cinquenta por cento (50%) do montante do contrato principal;
b. quando uma entidade requeira serviços de consultoria relacionados com aspectos de natureza confidencial, cuja difusão se poderia razoavelmente esperar que comprometesse informação confidencial do setor público, cause sérias perturbações econômicas ou, de forma similar, seja contrária ao interesse público;
c. quando sejam contratadas instituições sem fins lucrativos dedicadas à assistência social, ao ensino, à pesquisa e ao desenvolvimento institucional.

 

ANEXO VII

 PUBLICAÇÃO DE INFORMAÇÕES

 

Argentina

a. boletinoficial.gob.ar 
b. https://comprar.gob.ar 
c. https://contratar.gob.ar

  

Brasil


1. Toda a informação sobre contratações públicas é publicada nos seguintes endereços eletrônicos:

a. Legislação e Jurisprudência: www.planalto.gov.br e www.comprasgovernamentais.gov.br
b. Oportunidades de contratações públicas de bens e serviços: www.comprasgovernamentais.gov.br
c. Oportunidades na contratação de concessões de obra pública e contratos BOT: www.projetocrescer.gov.br e www.epl.gov.br/logistica-brasil 
d. Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores (SICAF): https://www3.comprasnet.gov.br/SICAFWeb/index.jsf

  

Paraguai

a. www.contrataciones.gov.py

 

Uruguai 

a. comprasestatales.gub.uy

ANEXO VIII

NOTA COMPLEMENTAR

 

As ofertas de acesso a mercado constantes dos Anexos a este Protocolo, bem como as condições previstas pelos Artigos 5° “Tratamento de Nação Mais Favorecida” e 6° “Tratamento Nacional e Não Discriminação”, terão validade para a República do Paraguai, de maneira improrrogável, até 30 de junho de 2019. 

Ao fim desse prazo, as referidas ofertas e condições para a República do Paraguai serão prorrogadas caso tenham sido concluídas negociações mutuamente satisfatórias que resultem em nível similar de acesso a mercado entre todas as Partes.

ANEXO IX

TRATAMENTO DE NAÇÃO MAIS FAVORECIDA

O disposto no Artigo 5° “Tratamento de Nação Mais Favorecida” deste Protocolo não se aplica àqueles tratados internacionais bilaterais ou multilaterais na matéria em vigor ou assinados anteriormente à data de entrada em vigor do presente Protocolo. 

 


V. ACORDO DO MERCOSUL SOBRE DIREITO APLICÁVEL EM MATÉRIA DE CONTRATOS INTERNACIONAIS DE CONSUMO

 

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Decisões Nº 28/04 e 64/10 do Conselho do Mercado Comum.

 

CONSIDERANDO:

 

Que é necessário dar proteção ao consumidor e adotar regras comuns sobre o direito aplicável em matéria de contratos internacionais de consumo, contratos entre fornecedores de bens ou prestadores de serviços e consumidores ou usuários na região.

 

Que é conveniente buscar soluções a questões relativas ao consumo internacional como meio de contribuir para o desenvolvimento do comércio internacional na região.

O CONSELHO DO MERCADO COMUM

DECIDE:

 

Art. 1° - Aprovar o texto do “Acordo do MERCOSUL sobre direito aplicável em matéria de contratos internacionais de consumo”, que consta como Anexo e faz parte da presente Decisão.

Art. 2°- A entrada em vigor do Acordo apenso reger-se-á pelo que estabelece seu Artigo 9°.

Art. 3°- Esta Decisão não necessita ser incorporada ao ordenamento jurídico dos Estados Partes, por regulamentar aspectos da organização ou do funcionamento do MERCOSUL.

LI CMC – Brasília, 20/XII/17.

 

ACORDO DO MERCOSUL SOBRE DIREITO APLICÁVEL EM MATÉRIA DE CONTRATOS INTERNACIONAIS DE CONSUMO

 

A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a República Oriental do Uruguai, Estados Partes do MERCOSUL.

 

         TENDO EM VISTA que o Tratado de Assunção estabelece o compromisso dos Estados Partes de harmonizar suas legislações nas áreas pertinentes, para lograr o fortalecimento do processo de integração;

 

         REAFIRMANDO a vontade dos Estados Partes de acordar soluções jurídicas comuns para o fortalecimento do processo de integração;

 

         DESTACANDO a necessidade de oferecer uma adequada proteção ao consumidor, de acordo com as Resoluções A/RES/39/248 e A/RES/70/186 da Assembleia Geral da ONU;

 

         CONVENCIDOS da necessidade de dar proteção ao consumidor e da importância de adotar regras comuns sobre o direito aplicável em matéria de contratos internacionais de consumo, contratos entre fornecedores de bens ou prestadores de serviços e consumidores ou usuários na região;

 

TENDO EM VISTA a conveniência de harmonizar as soluções das questões relativas ao consumo internacional como meio de contribuir para o desenvolvimento do comércio internacional da região e os trabalhos sobre a matéria desenvolvidos pelo MERCOSUL até agora;

 

         OBSERVANDO que o crescimento exponencial das relações entre consumidores e profissionais, produtores ou fornecedores de bens e serviços na região e as cambiantes modalidades em que estas se produzem tornam necessário um marco normativo claro que facilite a contratação internacional e estimule a confiança das partes nos contratos internacionais de consumo;

 

         CONSCIENTES de que, em matéria de negócios internacionais, a contratação é a expressão jurídica do comércio, e este é especialmente relevante no processo de integração;

 

         ACORDAM:

 

CAPÍTULO PRIMEIRO

DEFINIÇÕES E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

Artigo 1° - Âmbito de Aplicação

 

O presente Acordo tem por objetivo determinar o direito aplicável em matéria de contratos internacionais de consumo celebrados no âmbito do MERCOSUL.

 

Artigo 2° - Definições

 

Para fins do presente Acordo:

 

CONSUMIDOR: significa toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produtos ou serviços de forma gratuita ou onerosa como destinatário final, em uma relação de consumo ou como consequência ou em função dela.

 

Não se considera consumidor aquele que, sem constituir-se em destinatário final, adquire, armazena, utiliza ou consome produtos ou serviços com o fim de integrá-los como insumo direto a outros produtos ou serviços em processo de produção, transformação, comercialização ou prestação a terceiros.

 

FORNECEDOR: significa toda pessoa física ou jurídica, nacional ou estrangeira, privada ou pública e, nesse último caso, estatal ou não estatal, assim como os entes despersonalizados da Administração Pública dos Estados Partes, que desenvolva de maneira profissional, ainda que ocasionalmente, atividades de fabricação, produção, montagem, criação, construção, transformação, importação, distribuição e/ou comercialização de produtos e/ou serviços.

 

CONTRATO INTERNACIONAL DE CONSUMO: existe contrato internacional de consumo quando o consumidor tem seu domicílio, no momento da celebração do contrato, em um Estado Parte diferente do domicílio ou sede do fornecedor profissional que interveio na transação ou contrato.

 

LOCAL DE CELEBRAÇÃO:

1 - Nos contratos de consumo à distância, considera-se como local de celebração do contrato o domicílio do consumidor.

2 - Nos contratos que não sejam à distância, entende-se por local de celebração o local onde o consumidor e o fornecedor se encontrarem fisicamente para a celebração do contrato.

 

DOMICÍLIO: no caso de contratação internacional de consumo, em especial à distância, entende-se como domicílio do consumidor o domicílio informado ao fornecedor profissional de produtos ou serviços no momento de celebrar-se o contrato entre as partes.

 

Artigo 3° - Exceções

 

1 - Ficam excetuados do âmbito de aplicação deste Acordo:

 

  1. a) os contratos comerciais internacionais entre fornecedores profissionais de bens e serviços;
  2. b) as questões derivadas do estado civil das pessoas e a capacidade das partes;
  3. c) as obrigações contratuais que tenham como objeto principal questões sucessórias, testamentárias, regimes matrimoniais ou aquelas decorrentes de relações de família;
  4. d) os acordos sobre arbitragem ou eleição de foro e as questões de jurisdição;
  5. e) as questões de direito societário, de previdência social, tributárias, trabalhistas, sobre nomes de domínio;
  6. f) os negócios jurídicos sobre os falidos e seus credores e demais procedimentos semelhantes, especialmente as concordatas e análogos.

 

2 - Ficam igualmente excetuados do âmbito de aplicação deste Acordo os demais contratos e relações de consumo e as obrigações deles resultantes que, incluindo consumidores, se encontrem regulados por convenções internacionais específicas em vigor.

 

CAPÍTULO SEGUNDO

DIREITO APLICÁVEL

 

Artigo 4° - Contratos celebrados pelo consumidor no Estado Parte de seu domicílio

 

1 - Os contratos internacionais celebrados estando o consumidor no Estado Parte de seu domicílio, especialmente no caso de contratação à distância, regem-se pelo direito eleito pelas partes, as quais podem optar pelo direito do domicílio do consumidor, do local de celebração ou cumprimento do contrato ou da sede do fornecedor dos produtos ou serviços. O direito escolhido será aplicável desde que mais favorável ao consumidor.

 

2 - No caso de ausência de escolha válida, os contratos internacionais de consumo regem-se pelo direito do Estado Parte do domicílio do consumidor.

 

Artigo 5° - Contratos celebrados pelo consumidor estando fora do Estado Parte de seu domicílio

 

1 - Os contratos internacionais de consumo celebrados pelo consumidor estando este fora do Estado Parte de seu domicílio regem-se pelo direito eleito pelas partes, as quais podem optar validamente pelo direito do local de celebração ou de cumprimento do contrato ou pelo do domicílio do consumidor. O direito escolhido será aplicável desde que mais favorável ao consumidor.

 

2 - No caso de ausência de escolha válida, os contratos internacionais de consumo celebrados pelo consumidor, estando este fora do Estado de seu domicílio, regem-se pelo direito do local de celebração.

 

Artigo 6° - Escolha e informação do direito aplicável

 

1 - A escolha do direito aplicável pelas partes deve ser expressa e por escrito, conhecida e consentida em cada caso. No caso de escolha do direito aplicável pelo fornecedor para obter a adesão do consumidor, o direito escolhido por este como aplicável deve ser expresso de forma clara tanto nas informações prévias oferecidas ao consumidor, quanto no próprio contrato.

 

2 - Em caso de contrato online, a escolha do direito aplicável deve ser expressa em forma clara e destacada em todas as informações oferecidas ao consumidor.

 

Artigo 7° - Contratos de viagem e turismo

 

Os contratos de viagem cujo cumprimento ocorra fora do Estado Parte de domicílio do consumidor, contratados em pacote ou com serviços combinados, como grupo turístico, ou conjuntamente com outros serviços de hotelaria e/ou turismo, serão regulados pelo direito do domicílio do consumidor.

 

Artigo 8° - Contratos de tempo compartilhado e contratos semelhantes de uso de bens imóveis por turnos

 

Sem prejuízo das regras anteriores, as normas imperativas do Estado Parte em que foi realizada a oferta, a publicidade ou qualquer atividade de comercialização (marketing), entre outras atividades realizadas pelos representantes ou pelos proprietários, organizadores ou administradores de tempos compartilhados e de sistemas semelhantes ou contratos de utilização por turno de bens imóveis, ou a assinatura de pré-contratos ou contratos de tempo compartilhado ou direitos de uso por turno de bens imóveis, serão levados em consideração para a interpretação do contrato, a qual será efetuada em favor do consumidor.

 

CAPÍTULO TERCEIRO

DISPOSIÇÕES GERAIS

 

Artigo 9° - Vigência e Depósito

 

1 - O presente Acordo, celebrado no âmbito do Tratado de Assunção, entrará em vigor trinta (30) dias após o depósito do instrumento de ratificação pelo segundo Estado Parte do MERCOSUL.

 

Para os Estados Partes que o ratifiquem posteriormente à sua entrada em vigor, o presente Acordo estará vigente trinta (30) dias após a data em que cada um deles depositem seus respectivos instrumentos de ratificação.

 

2 - O presente Acordo e seus instrumentos de ratificação serão depositados perante a República do Paraguai, que em sua qualidade de Depositário deverá notificar aos Estados Partes a data dos depósitos desses instrumentos e a entrada em vigor do Acordo, assim como enviar-lhes cópia devidamente autenticada deste.

 

Artigo 10 - Adesão

 

O presente Acordo está aberto à adesão dos Estados Associados ao MERCOSUL.

Feito na cidade de Brasília, República Federativa do Brasil, aos .....dias do mês de ..... de dois mil e dezessete, em um original, nos idiomas português e espanhol, sendo ambos os textos igualmente autênticos.

 

SEÇÃO B – ENTIDADES DE NÍVEL SUBCENTRAL (SUBFEDERAL)

 

Argentina

A partir da assinatura do presente Protocolo, a Argentina iniciará um processo interno de consultas com seus governos provinciais com o propósito de obter sua incorporação de maneira voluntária.

 

Brasil

A partir da assinatura do presente Protocolo, o Brasil manterá um processo interno de consultas com seus governos estaduais e municipais com o propósito de obter sua incorporação de maneira voluntária.

 

Paraguai

  1. Governos Departamentais
  2. Gobernación del Departamento de Concepción
  3. Gobernación del Departamento de San Pedro
  4. Gobernación del Departamento de Cordillera
  5. Gobernación del Departamento de Guairá
  6. Gobernación del Departamento de Caaguazú
  7. Gobernación del Departamento de Caazapá
  8. Gobernación del Departamento de Misiones
  9. Gobernación del Departamento de Itapúa
  10. Gobernación del Departamento de Paraguarí
  11. Gobernación del Departamento de Alto Paraná
  12. Gobernación del Departamento de Central
  13. Gobernación del Departamento de Ñeembucú
  14. Gobernación del Departamento de Amambay
  15. Gobernación del Departamento de Canindeyú
  16. Gobernación del Departamento de Boquerón
  17. Gobernación del Departamento de Presidente Hayes
  18. Gobernación del Departamento de Alto Paraguay

 

Uruguai

 

A partir da assinatura do presente Protocolo, o Uruguai realizará um processo de consultas com seus governos departamentais, com o objetivo de obter sua incorporação voluntária ao âmbito de aplicação do presente instrumento.

 

SEÇÃO C – OUTRAS ENTIDADES

 

 

Os Estados Partes comprometem-se a iniciar negociações para a inclusão de empresas estatais no prazo de dois (2) anos após a entrada em vigor do Protocolo.

 

ANEXO II

BENS

 

Argentina

O presente Protocolo cobre todas as contratações públicas de bens realizadas pelas entidades da Argentina listadas na Seção A do Anexo I “Entidades”, com exceção dos bens correspondentes aos códigos da NCM listados a seguir, sujeito às Notas das respectivas Seções e às Notas Gerais:

  1. 8528: Monitores e projetores.
  2. 9403: Móveis de escritório.
  3. 8415: Máquinas e aparelhos de ar-condicionado.

Brasil

O Protocolo aplica-se às contratações públicas de todos os bens adquiridos pelas entidades listadas nas Seções A, B e C do Anexo I “Entidades”, exceto quando se tenha especificado o contrário no Protocolo, incluídos seus Anexos.

 

Paraguai

 

LISTA NEGATIVA DE BENS

* Em NCM 2017

 

NCM

DESCRIÇÃO

02.01

Carnes de animais da espécie bovina, frescas ou refrigeradas.

02.02

Carnes de animais da espécie bovina, congeladas.

02.03

Carnes de animais da espécie suína, frescas, refrigeradas ou congeladas.

02.07

Carnes e miudezas, comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas, das aves da posição 01.05.

0302.59.00

-- Outros

04

Leite e lacticínios; ovos de aves; mel natural; produtos comestíveis de origem animal, não especificados nem compreendidos noutros Capítulos

0903.00

Mate.

10.06

Arroz.

1101.00

Farinhas de trigo ou de mistura de trigo com centeio (méteil).

11.02

Farinhas de cereais, exceto de trigo ou de mistura de trigo com centeio (méteil).

1108.12.00

-- Amido de milho

1108.14.00

-- Fécula de mandioca

15.15

 

Outras gorduras e óleos vegetais (incluindo o óleo de jojoba) e respectivas frações, fixos, mesmo refinados, mas não quimicamente modificados.

15.16

 

Gorduras e óleos animais ou vegetais e respectivas frações, parcial ou totalmente hidrogenados, interesterificados, reesterificados ou elaidinizados, mesmo refinados, mas não preparados de outro modo.

1517.10.00

- Margarina, exceto a margarina líquida

1601.00.00

 

Enchidos e produtos semelhantes, de carne, de miudezas ou de sangue; preparações alimentícias à base de tais produtos.

17.01

 

Açúcares de cana ou de beterraba e sacarose quimicamente pura, no estado sólido.

19.02

 

Massas alimentícias, mesmo cozidas ou recheadas (de carne ou de outras substâncias) ou preparadas de outro modo, tais como espaguete, macarrão, aletria, lasanha, nhoque, ravioli e canelone; cuscuz, mesmo preparado.

19.04

 

Produtos à base de cereais, obtidos por expansão ou por torrefação (flocos de milho (cornflakes), por exemplo); cereais (exceto milho) em grãos ou sob a forma de flocos ou de outros grãos trabalhados (com exceção da farinha, do grumo e da sêmola), pré-cozidos ou preparados de outro modo, não especificados nem compreendidos noutras posições.

19.05

 

Produtos de padaria, pastelaria ou da indústria de bolachas e biscoitos, mesmo adicionados de cacau; hóstias, cápsulas vazias para medicamentos, obreias, pastas secas de farinha, amido ou fécula, em folhas, e produtos semelhantes.

2008.11.00

-- Amendoins

20.09

 

Sucos (sumos) de fruta (incluindo os mostos de uvas) ou de produtos hortícolas, não fermentados, sem adição de álcool, mesmo com adição de açúcar ou de outros edulcorantes.

2101.20.20

De mate

2201.10.00

- Águas minerais e águas gaseificadas

2710.12.49

Outras

2710.12.5

Gasolinas

2710.19.21

“Gasóleo” (óleo diesel)

2710.19.22

Fuel-oil

2710.19.3

Óleos lubrificantes

2710.19.92

Líquidos para transmissões hidráulicas

2711.19.10

Gás liquefeito de petróleo (GLP)

2804.30.00

- Nitrogênio (azoto)

2804.40.00

- Oxigênio

2815.20.00

- Hidróxido de potássio (potassa cáustica)

30

Produtosfarmacêuticos

32.08

 

 

Tintas e vernizes, à base de polímeros sintéticos ou de polímeros naturais modificados, dispersos ou dissolvidos em meio não aquoso; soluções definidas na Nota 4 do presente Capítulo.

32.09

 

Tintas e vernizes, à base de polímeros sintéticos ou de polímeros naturais modificados, dispersos ou dissolvidos num meio aquoso.

32.14

 

 

Mástique de vidraceiro, cimentos de resina e outros mástiques; indutos utilizados em pintura; indutos não refratários do tipo utilizado em alvenaria.

32.15

 

Tintas de impressão, tintas de escrever ou de desenhar e outras tintas, mesmo concentradas ou no estado sólido.

34.01 

 

 

 

 

 

Sabões; produtos e preparações orgânicos tensoativos utilizados como sabão, em barras, pães, pedaços ou figuras moldadas, mesmo que contenham sabão; produtos e preparações orgânicos tensoativos para lavagem da pele, em forma de líquido ou de creme, acondicionados para venda a retalho, mesmo que contenham sabão; papel, pastas (ouates), feltros e falsos tecidos, impregnados, revestidos ou recobertos de sabão ou de detergentes.

39.17

 

Tubos e seus acessórios (por exemplo, juntas, cotovelos, flanges, uniões), de plástico.

39.23

 

Artigos de transporte ou de embalagem, de plástico; rolhas, tampas, cápsulas e outros dispositivos para fechar recipientes, de plástico.

39.25

 

Artigos para apetrechamento de construções, de plástico, não especificados nem compreendidos noutras posições.

3926.10.00

- Artigos de escritório e artigos escolares

4011.40.00

- Do tipo utilizado em motocicletas

44.18 

 

 

Obras de marcenaria e peças de carpintaria para construções, incluindo os painéis celulares, os painéis montados para revestimento de pisos (pavimentos) e as fasquias para telhados (shingles e shakes), de madeira.

4818.10.00

- Papel higiênico

48.19

 

 

Caixas, sacos, bolsas, cartuchos e outras embalagens, de papel, cartão, pasta (ouate) de celulose ou de mantas de fibras de celulose; cartonagens para escritórios, lojas e estabelecimentos semelhantes.

48.20

 

 

 

 

 

 

 

Livros de registro e de contabilidade, blocos de notas, de encomendas, de recibos, de apontamentos, de papel para cartas, agendas e artigos semelhantes, cadernos, pastas para documentos, classificadores, capas para encadernação (de folhas soltas ou outras), capas de processos e outros artigos escolares, de escritório ou de papelaria, incluindo os formulários em blocos tipo manifold, mesmo com folhas intercaladas de papel-carbono (papel químico), de papel ou cartão; álbuns para amostras ou para coleções e capas para livros, de papel ou cartão.

48.21

Etiquetas de qualquer espécie, de papel ou cartão, impressas ou não.

49.01

Livros, brochuras e impressos semelhantes, mesmo em folhas soltas.

49.11

Outros impressos, incluindo as estampas, gravuras e fotografias.

61

Vestuário e seus acessórios, de malha

63.02

Roupas de cama, mesa, toucador ou cozinha.

68.10

Obras de cimento, de concreto (betão*) ou de pedra artificial, mesmo armadas.

6906.00.00

Tubos, calhas ou algerozes e acessórios para canalizações, de cerâmica.

70.07

Vidros de segurança consistindo em vidros temperados ou formados por folhas contracoladas.

72.14

 

Barras de ferro ou aço não ligado, simplesmente forjadas, laminadas, estiradas ou extrudadas, a quente, incluindo as que tenham sido submetidas a torção após laminagem.

72.15

Outras barras de ferro ou aço não ligado.

72.16

Perfis de ferro ou aço não ligado.

72.17

Fios de ferro ou aço não ligado.

73.05

 

Outros tubos (por exemplo, soldados ou rebitados), de seção circular, de diâmetro exterior superior a 406,4 mm, de ferro ou aço.

73.07

 

Acessórios para tubos (por exemplo, uniões, cotovelos, luvas (mangas*)), de ferro fundido, ferro ou aço.

73.08

 

 

 

 

 

Construções e suas partes (por exemplo, pontes e elementos de pontes, comportas, torres, pórticos, pilares, colunas, armações, estruturas para telhados, portas e janelas, e seus caixilhos, alizares e soleiras, portas de correr, balaustradas), de ferro fundido, ferro ou aço, exceto as construções pré-fabricadas da posição 94.06; chapas, barras, perfis, tubos e semelhantes, de ferro fundido, ferro ou aço, próprios para construções.

7309.00

 

 

 

Reservatórios, tonéis, cubas e recipientes semelhantes para quaisquer matérias (exceto gases comprimidos ou liquefeitos), de ferro fundido, ferro ou aço, de capacidade superior a 300 l, sem dispositivos mecânicos ou térmicos, mesmo com revestimento interior ou calorífugo.

73.10

 

 

Reservatórios, barris, tambores, latas, caixas e recipientes semelhantes para quaisquer matérias (exceto gases comprimidos ou liquefeitos), de ferro fundido, ferro ou aço, de capacidade não superior a 300 l, sem dispositivos mecânicos ou térmicos, mesmo com revestimento interior ou calorífugo.

7311.00.00 

Recipientes para gases comprimidos ou liquefeitos, de ferro fundido, ferro ou aço.

7313.00.00

Arame farpado, de ferro ou aço; arames ou tiras, retorcidos, mesmo farpados, de ferro ou aço, do tipo utilizado em cercas.

73.14

 

Telas metálicas (incluindo as telas contínuas ou sem fim), grades e redes, de fios de ferro ou aço; chapas e tiras, distendidas, de ferro ou aço.

7317.00 

 

 

Tachas, pregos, percevejos, escápulas, grampos ondulados ou biselados e artigos semelhantes, de ferro fundido, ferro ou aço, mesmo com a cabeça de outra matéria, exceto cobre.

8303.00.00

 

Cofres-fortes, portas blindadas e compartimentos para casas-fortes, cofres e caixas de segurança e artigos semelhantes, de metais comuns.

83.11 

 

 

 

 

Fios, varetas, tubos, chapas, eletrodos e artigos semelhantes, de metais comuns ou de carbonetos metálicos, revestidos interior ou exteriormente de decapantes ou de fundentes, para soldadura ou depósito de metal ou de carbonetos metálicos; fios e varetas, de pós de metais comuns aglomerados, para metalização por projeção.

84.71

 

Máquinas automáticas para processamento de dados e suas unidades; leitores magnéticos ou ópticos, máquinas para registrar dados em suporte sob forma codificada, e máquinas para processamento desses dados, não especificadas nem compreendidas noutras posições.

85.04

 

Transformadores elétricos, conversores elétricos estáticos (retificadores, por exemplo), bobinas de reatância e de auto-indução.

85.07

 

Acumuladores elétricos e seus separadores, mesmo de forma quadrada ou retangular.

8535.40 

- Para-raios, limitadores de tensão e supressores de picos de tensão (eliminadores de onda)

85.39

 

 

Lâmpadas e tubos elétricos de incandescência ou de descarga, incluindo os artigos denominados “faróis e projetores, em unidades seladas” e as lâmpadas e tubos de raios ultravioleta ou infravermelhos; lâmpadas de arco; lâmpadas e tubos de diodos emissores de luz (LED).

85.44

 

 

 

 

Fios, cabos (incluindo os cabos coaxiais) e outros condutores, isolados para usos elétricos (incluindo os envernizados ou oxidados anodicamente), mesmo com peças de conexão; cabos de fibras ópticas, constituídos por fibras embainhadas individualmente, mesmo com condutores elétricos ou munidos de peças de conexão.

* A definir

Produtos do setor automotivo

 

 

Uruguai


Este Protocolo aplica-se a todas as contratações públicas de bens adquiridos pelas entidades listadas na Seção A do Anexo I “Entidades”, salvo especificação em contrário no Protocolo, inclusive em seus Anexos.

 

ANEXO III

SERVIÇOS

 

Argentina

Este Protocolo cobre todas as contratações públicas de serviços listados a seguir, realizadas pelas entidades da Argentina listadas na Seção A do Anexo I “Entidades”, sujeito às Notas das respectivas Seções e às Notas Gerais.

 

  1. SERVIÇOS PRESTADOS ÀS EMPRESAS

 

  1. Serviços profissionais
  2. Serviços jurídicos                                                                   861
  3. Serviços de contabilidade, auditoria e

              escrituração                                                                         862

  1. Serviços de assessoria tributária                                             863
  2. Serviços de arquitetura                                                         8671
  3. Serviços de engenharia                                                         8672
  4. Serviços integrados de engenharia                                         8673
  5. Serviços de planejamento urbano e

              e de arquitetura de paisagens                                                8674

  1. Serviços médicos e odontológicos                                          9312
  2. Serviços veterinários                                                             932
  3. Serviços prestados por parteiras, enfermeiras,                                

              fisioterapeutas e paramédicos                                               93191

  1. Outros

              Serviços de psicologia

              Serviços de biologia

              Serviços de biblioteconomia

              Serviços de farmácia

 

  1. Serviços de informática e serviços conexos
  2. Serviços de consultores em instalação de

              equipamentos de informática                                                 841

  1. Serviços de instalação de programas de informática                  842
  2. Serviços de processamento de dados                                      843
  3. Serviços de bases de dados                                                    844
  4. Outros                                                                             845+849  

 

  1. Serviços de pesquisa e desenvolvimento
  2. Serviços de pesquisa e desenvolvimento de

              ciências naturais (não inclui a investigação                                                               científica e técnica no mar territorial, na zona econômica                                                    exclusiva e na plataforma continental Argentina).                              851

  1. Serviços de pesquisa e desenvolvimento de

              ciências sociais e humanidades                                               852

  1. Serviços interdisciplinares de pesquisa

              e desenvolvimento                                                                853

 

  1. Serviços imobiliários
  2. Serviços imobiliários relativos a propriedades imóveis

              próprias ou alugadas                                                             821

  1. Serviços imobiliários por comissão ou contrato                        822

 

  1. Serviços de aluguel/leasing sem operadores
  2. Serviços de aluguel de navios

              sem tripulação (não inclui serviços de aluguel

              de embarcações destinadas à pesca)                                     83103                       

  1. Serviços de aluguel de

              aeronaves sem tripulação                                                     83104

  1. Serviços aluguel de                                                                 

              outros meios de transporte sem operadores               83101+83102+83105  

  1. Serviços aluguel de outras

              máquinas e equipamentos sem operadores                       83106‑83109

  1. Outros                                                                                 832

 

  1. Outros serviços prestados às empresas
  2. Serviços publicitários                                                             871
  3. Serviços de pesquisa de mercados e

              pesquisas de opinião pública                                                  864

  1. Serviços de consultoria em administração                                865
  2. Serviços relacionados à

              consultoria em administração                                                 866

  1. Serviços de testes e análises técnicas                                     8676
  2. Serviços relacionados à pesca                                                 882
  3. Serviços relacionados à mineração                                     883+5115
  4. Serviços relacionados à produção manufatureira                   884+885
  5. Serviços conexos de consultoria em ciência e tecnologia           8675
  6. Serviços de manutenção e reparo de

              equipamentos (com exceção das embarcações,                       633+

              das aeronaves e demais equipamentos de transporte) 8861‑8866

  1. Serviços de limpeza de edifícios                                              874
  2. Serviços fotográficos (com exceção dos serviços fotográficos especiais  e obras audiovisuais - CCP 87504 e 87506)                                                       875
  3. Serviços de empacotamento   876
  4. Serviços editoriais e de publicação                                        88442
  5. Serviços prestados por ocasião de assembleias       

              ou convenções                                                                    87909* 

  1. Outros                                                                                8790

 

  1. SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO

 

  1. Serviços postais                                                                       7511
  2. Serviços de correios                                                                  7512
  3. Serviços de telecomunicações: Não inclui fornecimento de facilidades satelitais dos satélites artificiais geoestacionários do Serviço Fixo por Satélite.

 

  1. Serviços telefônicos                                                             7521
  2. Serviços de transmissão de dados com

              comutação de pacotes                                                        7523**

  1. Serviços de transmissão de dados com

              comutação de circuitos                                                       7523**

  1. Serviços de telex                                                               7523**
  2. Serviços de telégrafo                                                            7522
  3. Serviços de fac-símile                                                   7521**+7529**
  4. Serviços de circuitos privados arrendados                      7522**+7523**
  5. Correio eletrônico                                                              7523**
  6. Correio de voz                                                                  7523**
  7. Extração de informação online

              e de bases de dados                                                          7523**

  1. Serviços de intercâmbio eletrônico

              de dados (IED)                                                                  7523**

  1. Serviços de fac-símile ampliados/de valor agregado,

              incluídos os de armazenamento e retransmissão

              e os de armazenamento e recuperação                                 7523**

  1. Conversão de códigos e protocolos                                        n.d.
  2. Processamento de dados e/ou informação online

              (com inclusão do processamento de transação)                      843**

  1. Outros

 

  1. SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO
  2. Serviços de agentes comissionados                                              621
  3. Serviços de comércio atacadista                                                  622
  4. Serviços de comércio varejista                                                631+632

                                                                                              6111+6113+6121

  1. Serviços de franquia                                                                  8929

 

  1. SERVIÇOS RELACIONADOS AO MEDIO AMBIENTE
  2. Serviços de esgoto                                                                  9401

 

  1. Serviços de eliminação de resíduos                                            9402
  2. Serviços de saneamento e serviços similares                              9403
  3. Outros

 

  1. SERVIÇOS DE TURISMO E SERVIÇOS RELACIONADOS

      A VIAGENS

 

  1. Hotéis e restaurantes (incluindo os serviços

           defornecimentode alimentos importados                                 641‑643

           por contrato)                                                                            

  1. Serviços de agências de viagens e organização

           de viagens em grupo                                                                 7471

  1. Serviços de guias turísticos                                                      7472
  2. Outros

NOTA: O asterisco (*) indica que o serviço especificado é um elemento de uma rubrica mais agregada da CCP especificada em outro lugar desta lista de classificação. Os dois asteriscos (**) indicam que o serviço especificado constitui apenas uma parte da gama total de atividades abrangidas pela rubrica correspondente da CCP (por exemplo, os serviços de correio de voz são apenas um elemento da rubrica 7523 da CCP).

Brasil

O Protocolo aplicar-se-á a todos os serviços adquiridos pelas entidades listadas no Anexo I “Entidades”, sujeito às Notas do Anexo I “Entidades” e às Notas Gerais do Anexo VI “Notas Gerais”.

 

Paraguai

 

LISTA POSITIVA DE SERVIÇOS

 

 

       

NÚMERO

 

SETORES E SUB-SETORES

   

 

 

       

DA CCP

 

 

       

Seção B

 

 

         

 

Aos serviços abrangidos por esta lista e ainda não registrados ou não consolidados na lista de compromissos específicos do Protocolo de Montevidéu sobre Comércio de Serviços serão aplicadas provisoriamente as limitações de acesso ao mercado e tratamento nacional de acordo com a legislação nacional vigente.

 

         

 

1. SERVIÇOS PRESTADOS ÀS EMPRESAS

 

 

 

B. Serviços de informática e serviços conexos

 

 

 

a. Serviços de consultores em instalação de equipamentos de informática

84100

 

b. Serviços de análise de sistema

84220

 

c. Serviços de processamento de dados

843

 

d. Serviços de bases de dados

844

 

C. Serviços de pesquisa e desenvolvimento

   

 

 

b.Serviços de pesquisa e desenvolvimento das  ciências sociais e humanidades

852

 

F. Outros serviços prestados às empresas

   

 

 

b. Serviços de realização de pesquisas de opinião pública

86402

 

c. Serviços de consultoria em administração

 

865

 

d. Serviços relacionados à consultoria em administração

866

 

h. Serviços relacionados à mineração

   

883+5115

 

n. Serviços de manutenção e reparo de  equipamento (com exceção das embarcações, das aeronaves e demais equipamentos de transporte)

633+8861-8866

 

s. Serviços prestados por ocasião de assembleias  ou convenções

87909* 

 

2. SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO

 

 

 

 

C. Serviços de telecomunicações

   

 

 

4. SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO

 

 

 

 

B. Serviços de comércio atacadista

   

622

 

C. Serviços de comércio varejista

   

631+632 6111+6113+  6121

 

D. Serviços de franquia

     

8929

 

7. SERVIÇOS FINANCEIROS

 

 

 

 

C. Serviços de resseguro e retrocessão

   

81299*

 

9. SERVIÇOS DE TURISMO E SERVIÇOS RELACIONADOS A VIAGENS

 

 

A. Hotéis e restaurantes (incluídos os serviços de fornecimento de alimentos importados por contrato)

641-643

 

C. Serviços de guias turísticos

   

7472

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Uruguai

Este Protocolo aplica-se a todas as contratações públicas de serviços contratados pelas entidades listadas na Seção A do Anexo I “Entidades”, salvo especificação em contrário no Protocolo, ou em seus Anexos.

 

ANEXO IV

SERVIÇOS DE CONSTRUÇÃO

 

Argentina

O presente Protocolo cobre todas as contratações públicas de serviços de construção do CPC 51 listados a seguir, realizadas pelas entidades da Argentina listadas na Seção A do Anexo I “Entidades”, sujeitas às Notas Gerais das respectivas Seções e às Notas Gerais:

 

GRUPO CLASSE SUBCLASSE

511    Obra de pré-construção em canteiros de obras

5111  51110  Obra de pesquisa de campo

5112  51120 Obra de demolição

5113  51130 Obra de limpeza e preparação do terreno

5114  51140 Obra de escavação e remoção de terra

5116  51160  Obra de andaimes

512    Obras de construção para edifícios

5121  51210   De uma e duas moradias

5122  51220   Para habitações múltiplas

5123  51230   Para armazéns e edifícios industriais

5124  51240  Para edifícios comerciais

5125  51250  Para edifícios de entretenimento público

5126  51260  Para hotéis, restaurantes e edifícios similares

5127  51270  Para edifícios educacionais

5128  51280  Para edifícios de saúde

5129  51290  Para outros edifícios

513    Obras de engenharia civil

5131  51310  Para  estradas (exceto estradas elevadas), ruas, estradas, ferrovias e pistas de pouso

5132  51320  De pontes, estradas elevadas, túneis, trens subterrâneos e estradas de ferro

5134  51340  De colocação de tubos de longa distância, linhas de comunicação e linhas elétricas (fiação)

5135  51350  Tubagem e fiação local, trabalhos auxiliares

5136  51360  De construções para mineração

5137  51370   De construções esportivas e recreativas

5139  51390   De obra de engenharia não classificada em outra parte

514    Montagem e construção de edifícios pré-fabricados

515    Obra de construção especializados para o comércio

5151  51510   Obra de construção, incluindo instalação de pilares

5152  51520  Perfuração de poços de água

5153  51530   Tetos e impermeabilização

5154  51540   Obra em concreto

5155  51550   Dobra e construção de aço, incluindo soldagem

5156  51560   Obra de alvenaria

5159  51590  Outras obras de construção especializadas para comércio

516    Obra de instalação

5161  51610   Obra de calefação, ventilação e ar condicionado

5162  51620   Obra de encanamento hidráulico e drenagem

5163  51630   Obra para a construção de conexões de gás

5164  51640   Obra elétrica

5165  51650 Obra de isolamento (fiação elétrica, água, aquecimento, som)

5166  51660 Obra de construção de grades e corrimões

516951690  Outras obras de instalação

517    Obra de finalização e acabamento de edifícios

5171  51710 Obra de selagem e instalação de janelas de vidro

5172  51720   Obra em gesso

5173  51730    Obra de pintura

5174  51740  Obra de ladrilhamento de pisos e colocação

de azulejos em paredes

5175  51750   Outras obras de colocação de pisos, revestimentos de paredes e estofamento de paredes.

5176  51760   Obra em madeira ou metal e carpintaria

5177  51770   Obra de decoração de interiores

5178  51780   Obra de ornamentação

5179  51790  Outros trabalhos de finalização e acabamento de edifícios

518    5180  51800  Serviços de locação relacionados com equipamentos para construção ou demolição de edifícios ou obras de engenharia civil, com operador.

Este Protocolo será aplicado aos contratos de concessão de obras, entendidos como qualquer acordo contratual cujo principal objetivo é dispor da construção ou reabilitação de infraestrutura física, plantas, edifícios, instalações ou outras obras públicas, por meio do qual uma entidade concede a um fornecedor, através de um contrato e por um período determinado, a propriedade temporária ou o direito de controlar, operar e exigir o pagamento pelo uso das referidas obras durante o prazo do contrato.

Brasil

O Protocolo aplicar-se-á a todos os serviços de construção do CPC 51 contratados pelas entidades listadas nas Seções A, B e C do Anexo I “Entidades”, sujeitos às Notas daquelas Seções e às Notas Gerais do Anexo VI “Notas Gerais”.

O Protocolo aplicar-se-á aos contratos de concessão de obra de infraestrutura, entendidos como qualquer acordo contratual cujo principal objetivo seja realizar a construção ou reabilitação de infraestruturas físicas, plantas, edifícios, instalações e outras obras públicas, e segundo o qual, tendo em conta a execução de um contrato por um fornecedor, uma entidade concede ao fornecedor, por um período determinado, a propriedade temporária ou o direito de controlar, operar e exigir o pagamento pelo uso de tais obras durante a vigência do contrato.

 

Paraguai

Não ofertado.

 

Uruguai

Este Protocolo aplica-se a todas as contratações públicas de obra pública realizadas pelas entidades listadas na Seção A do Anexo I “Entidades”, salvo especificação em contrário neste Protocolo, inclusive em seus anexos.

 

ANEXO V

PATAMARES

 

Argentina, Brasil e Uruguai

Este Protocolo aplica-se às contratações de bens e serviços cobertos pelos Anexos II “Bens”, III “Serviços” e IV “Serviços de Construção”, adquiridos pelas entidades listadas no Anexo I “Entidades”, quando o valor da contratação pública estimado em conformidade com o Artigo 4° “Valoração de Contratos” é igual ou maior que os patamares abaixo:

 

ENTIDADES

MOEDA

BENS

(Anexo II)

SERVIÇOS

(Anexo III)

SERVIÇOS DE CONSTRUÇÃO

(Anexo IV)

(SEÇÃO A)

DES

95.000

95.000

4.000.000

 

  1. As Partes calcularão e converterão o valor dos patamares em sua respectiva moeda nacional utilizando as taxas de câmbio dos valores diários da respectiva moeda nacional em termos de Direitos Especiais de Saque (DES), publicados mensalmente pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) nas "Estatísticas Financeiras Internacionais", tomando como base o período de dois anos anterior a 1º de outubro do ano imediatamente anterior a que os patamares passem a ser aplicados.

 

  1. A aplicação dos patamares corrigidos terá vigência a partir de 1º de janeiro do ano seguinte.

 

  1. Cada Parte notificará à outra Parte, em sua respectiva moeda nacional, o valor de novos patamares calculados, no mais tardar, um mês antes que tais patamares tenham vigência. Os patamares expressos na respectiva moeda nacional serão fixados para um período de um ano (ano-calendário).

 

Paraguai

 

  1. Bens e Serviços: USD 700.000.-

 

ANEXO VI

NOTAS GERAIS

 

Argentina

 

  1. Este Protocolo não se aplica aos programas de contratação pública para favorecer as micro, pequenas e médias empresas (identificadas no “tramo 1”), de acordo com a legislação nacional vigente.
  2. Este Protocolo não se aplica às contratações públicas destinadas ao fomento de ciência, tecnologia e inovação.
  3. Este Protocolo não se aplica às concessões de serviços públicos.
  4. A Argentina reserva-se a possibilidade de adjudicar contratos por meios distintos aos procedimentos competitivos quando se trate de reparos de máquinas, veículos, equipamentos ou motores cujo desmonte, translado ou exame prévio seja imprescindível para determinar o reparo necessário e resultar mais oneroso em caso de adoção de outro procedimento de contratação. Não se poderá utilizar a contratação direta para as contratações comuns de manutenção de tais elementos.
  5. Sem prejuízo do disposto no Artigo 9º “Condições Compensatórias Especiais”, quando as entidades listadas no Anexo I “Entidades” realizem contratações públicas cobertas por este Acordo, a Argentina poderá solicitar ou exigir, em conformidade com seu ordenamento jurídico, que o adjudicatário realize contratações de bens e serviços locais vinculados ao objeto da contratação. Estas condições compensatórias especiais serão indicadas no aviso e/ou edital de contratação e serão de caráter não discriminatório e deverão estar claramente definidas nos editais. Nos casos em que não seja viável contratar bens e serviços locais, a Argentina pode exigir ou autorizar que essa compensação seja completada através da fixação de investimentos no território nacional, transferência de tecnologia, investimentos em pesquisa ou desenvolvimento e inovação tecnológica. A partir do décimo ano depois do início da vigência do Protocolo para a Argentina, só poderão solicitar ou exigir condições compensatórias especiais, nos termos descritos acima, as seguintes entidades:
  6. Ministerio de Transporte
  7. Ministerio de Energía y Minería

iii.    Ministerio de Interior, Obra Pública y Vivienda

  1. Ministerio de Salud
  2. Ministerio de Defensa
  3. Ministerio de Seguridad

 

Brasil

A menos que se tenha disposto o contrário, as seguintes Notas Gerais aplicam-se sem exceção a este Protocolo.

 

  1. O Protocolo não se aplicará:

    a) aos programas de contratações públicas para favorecer as micro e pequenas empresas;

    b) às contratações públicas de bens e serviços adquiridos por meio de programas de segurança alimentar e nutricional e de alimentação escolar que apoiem agricultores familiares ou cooperativas da agricultura familiar portadores de registro específico;

    c) às contratações públicas relacionadas a bens ou serviços de instituições sem fins lucrativos dedicadas à assistência social, ao ensino, à pesquisa e ao desenvolvimento institucional, e às contratações de entidades sociais de direito privado submetidas a contratos de gestão;

    d) às contratações públicas nas quais haja transferência de tecnologia de produtos estratégicos para o Sistema Único de Saúde (SUS) e para aquisição de insumos estratégicos para a saúde;

    e) às contratações públicas relacionadas às políticas voltadas a ciência, tecnologia e inovação, inclusive aquelas destinadas às políticas de tecnologia da informação e comunicação, energia nuclear e aeroespacial, conforme a legislação nacional;

    f) às contratações públicas que realizam as embaixadas, consulados e outras missões do serviço exterior do Brasil, exclusivamente para seu funcionamento e gestão.

 

  1. Mediante justificativa prévia, desde que essas condições e a forma de considerá-las não sejam discriminatórias e estejam indicadas nos editais de licitação, o Brasil reserva-se o direito de exigir condições compensatórias especiais relacionadas ao objeto da contratação, limitadas à transferência de tecnologia e conteúdo nacional, nos procedimentos de contratação pública das seguintes entidades: Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação; Ministério da Defesa; Ministério da Saúde, Ministério das Minas e Energia; Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil.

 

Paraguai

 

  1. O Paraguai outorgará o acesso ao seu mercado de compras governamentais à República Argentina e à República Federativa do Brasil quando realizem a abertura ao Paraguai dos mercados de governos estaduais e provinciais limítrofes com os Estados Partes.
  2. Nas licitações públicas nacionais convocadas pelas entidades do Paraguai incluídas no Anexo I “Entidades” o país reserva-se a aplicação de preferência de preços estabelecida na Ley N° 4.558/11.
  3. O Acordo não se aplicará quando o objeto da licitação se refira a políticas nacionais, como: educação, saúde, social, industrial, rural, ambiental, científico e tecnológico, defesa e segurança nacional, agricultura familiar (Decreto N° 3.000/2015), sempre que sejam declarados estratégicos pelo Governo Nacional.
  4. Regulamentação nacional: em tudo o que não estiver previsto por este Protocolo, e sempre que isso não contradiga os princípios consagrados, será aplicável supletoriamente a legislação nacional vigente em matéria de contratações públicas.
  5. Exceções ao âmbito de aplicação. Este Protocolo não se aplica a:
  6. compras de empresas públicas e qualquer outra entidade não listada no Anexo I “Entidades”;
  7. contratos de delegação de serviços, tais como autorizações, permissões e concessões, inclusive a concessão de obra pública.

 

Uruguai


As seguintes notas gerais aplicam-se, sem exceção, a este Protocolo:

  1. Este Protocolo não se aplica:
  2. aos contratos de delegação de serviços, tais como autorizações, permissões e concessões, inclusive a concessão de obra pública;
  3. às compras de petróleo bruto e seus derivados, óleos básicos, gás natural, aditivos para lubrificantes e seus respectivos fretes;
  4. às compras de energia;
  5. às compras de semoventes por seleção, quando se trate de exemplares de características especiais;
  6. aos contratos com empresas de serviços energéticos públicas ou privadas que se encontrem registradas no Ministerio de Industria, Energía y Minería (MIEM) e que operem sob o esquema de Contratos Remunerados por Desempeño, nos quais o investimento seja financiado integral ou parcialmente pela empresa de serviços energéticos;
  7. à aquisição de bens ou serviços quando haja notória escassez dos bens ou serviços a contratar.

 

  1. Não obstante qualquer outra disposição do presente Protocolo, o Uruguai poderá reservar, a cada ano, contratos de compra das obrigações deste Protocolo em um montante equivalente a 15% de suas compras totais do ano anterior, com o objetivo de promover planos específicos de promoção de algum setor ou atividade, fundados em políticas públicas e instrumentados em normas que especifiquem seu conteúdo e alcance.

 

  1. Não obstante qualquer disposição do presente Protocolo, nos contratos de obra pública, o Uruguai poderá condicionar a concessão de uma margem de preferências no preço das ofertas no que corresponder à utilização de mão de obra nacional, entendendo-se por tal, a mão de obra uruguaia segundo os critérios de qualificação estabelecidos na legislação nacional.

 

  1. Estão excluídos do âmbito de aplicação deste Protocolo, os acordos de contratação pública do Uruguai com terceiros países que se encontrem vigentes à data de entrada em vigor deste Protocolo.

 

  1. Estão excluídos do âmbito de aplicação deste Protocolo, as contratações realizadas no marco do Programa de Contratación Pública para El Desarrollo e da Ley de Agricultura Familiar y Pesca Artesanal.

 

  1. As entidades poderão adjudicar contratos por outros meios distintos dos procedimentos de licitação aberta, em qualquer uma das seguintes circunstâncias:
  2. no caso de serviços de construção ou obra pública, quando se requeiram serviços de construção adicionais aos originalmente contratados, que respondam a circunstâncias imprevistas e que sejam necessários para o cumprimento dos objetivos do contrato que os originou. No entanto, o valor total dos contratos adjudicados para tais serviços de construção ou obras públicas adicionais não poderá exceder cinquenta por cento (50%) do montante do contrato principal;
  3. quando uma entidade requeira serviços de consultoria relacionados com aspectos de natureza confidencial, cuja difusão se poderia razoavelmente esperar que comprometesse informação confidencial do setor público, cause sérias perturbações econômicas ou, de forma similar, seja contrária ao interesse público;
  4. quando sejam contratadas instituições sem fins lucrativos dedicadas à assistência social, ao ensino, à pesquisa e ao desenvolvimento institucional.

 

ANEXO VII

PUBLICAÇÃO DE INFORMAÇÕES

 

Argentina

 

  1. www.boletinoficial.gob.ar
  2. https://comprar.gob.ar
  3. https://contratar.gob.ar

 

Brasil

 

  1. Toda a informação sobre contratações públicas é publicada nos seguintes endereços eletrônicos:

 

Legislação e Jurisprudência: www.planalto.gov.br e www.comprasgovernamentais.gov.br

Oportunidades de contratações públicas de bens e serviços: www.comprasgovernamentais.gov.br

Oportunidades na contratação de concessões de obra pública e contratos BOT: www.projetocrescer.gov.br e www.epl.gov.br/logistica-brasil

Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores (SICAF): https://www3.comprasnet.gov.br/SICAFWeb/index.jsf

 

Paragua

 

www.contrataciones.gov.py

 

Uruguai

 www.comprasestatales.gub.uy

 

ANEXO VIII 

NOTA COMPLEMENTAR

As ofertas de acesso a mercado constantes dos Anexos a este Protocolo, bem como as condições previstas pelos Artigos 5° “Tratamento de Nação Mais Favorecida” e 6° “Tratamento Nacional e Não Discriminação”, terão validade para a República do Paraguai, de maneira improrrogável, até 30 de junho de 2019.

Ao fim desse prazo, as referidas ofertas e condições para a República do Paraguai serão prorrogadas caso tenham sido concluídas negociações mutuamente satisfatórias que resultem em nível similar de acesso a mercado entre todas as Partes.

 

ANEXO IX

 TRATAMENTO DE NAÇÃO MAIS FAVORECIDA

 

O disposto no Artigo 5° “Tratamento de Nação Mais Favorecida” deste Protocolo não se aplica àqueles tratados internacionais bilaterais ou multilaterais na matéria em vigor ou assinados anteriormente à data de entrada em vigor do presente Protocolo.

 

* No marco da cobertura de sua oferta, o Uruguai outorga tratamento nacional aos bens, serviços e obras dos fornecedores do MERCOSUL.

Fim do conteúdo da página