Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Excelentíssimo senhor Armando Guebuza, Presidente da República de Moçambique,

Senhor Oldemiro Marques Balói, Ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Moçambique, em nome de quem saúdo os integrantes da delegação moçambicana,

Embaixador Ruy Nogueira, Ministro Interino das Relações Exteriores, por meio de quem cumprimento os Ministros brasileiros presentes,

Senhoras e senhores embaixadores,

Senhoras e senhores convidados,

Companheiros e companheiras,

É com grande prazer que recebo o Presidente Guebuza novamente em Brasília. Seu retorno ao Brasil é testemunho do extraordinário desenvolvimento das relações entre nossos países. Realizamos cinco visitas presidenciais nos últimos seis anos: duas em Maputo e três em Brasília. Elas resultaram em iniciativas que dão contornos concretos ao objetivo de aprofundar nosso diálogo e aproximar nossos povos.

Moçambique é um parceiro estratégico e prioritário das relações do Brasil com a África. Hoje damos mais um passo para consolidar uma aliança que é modelo de cooperação para o desenvolvimento e que revela o potencial transformador da relação Sul-Sul. Trata-se de esforço singular, que reflete a confiança que temos em Moçambique e o interesse brasileiro em estreitar, cada vez mais, os vínculos com o país. Tenho orgulho do que já conseguimos alcançar.

O presidente Guebuza sabe que fiz da África uma prioridade para a política externa brasileira. Acabo de reiterar essa mensagem na Cúpula da União Africana, no início do mês. Conforme manifestei aos líderes africanos em Sirte, o Brasil deseja ser sócio em projetos de desenvolvimento. Oferecemos aos nossos parceiros africanos financiamento e tecnologia, que ajudarão a mitigar carências em setores cruciais como a agricultura e a saúde. Propus a realização, no Brasil, de encontro entre ministros da Agricultura de toda a África para discutir parcerias para fomentar, em solo africano, a revolução verde que o Brasil conheceu nas últimas décadas. A experiência brasileira em matéria de tecnologia e políticas públicas voltadas para o pequeno e médio agricultor estará a serviço dessa cooperação.

O compromisso do Brasil com os nossos irmãos moçambicanos não para aí. A fábrica de antirretrovirais, uma das maiores iniciativas brasileiras em cooperação, é objeto de especial atenção do meu governo. Estou certo de que os trâmites legislativos possam ser concluídos a tempo de vermos funcionando a fábrica antes do final do próximo ano, porque este ano já não dá mais. Quando estiver funcionando a plena capacidade, Moçambique produzirá remédios para outras regiões da África, será um centro de capacitação e treinamento para o continente.

Na área esportiva, inauguramos em Maputo, no dia 19 de junho, com a presença do ministro Orlando Silva, a fábrica de bolas do programa Pintando a Cidadania. Técnicos brasileiros treinarão profissionais moçambicanos para a operação e manutenção de suas instalações. A meta é colaborar com a massificação do esporte nas 12 províncias de Moçambique, atendendo a 150 mil jovens em programas sociais voltados para a diminuição da evasão escolar e desenvolvimento da autoestima e do trabalho em equipe de crianças e jovens, sobretudo os menos favorecidos.

Meu caro amigo Presidente,

O empresariado compartilha nosso otimismo. É por isso que os investimentos brasileiros estão chegando a Moçambique com força. O projeto de extração do carvão em Moatize, pela Vale, foi responsável até o momento pela geração de três mil postos de trabalho em Moçambique. Sei que Vossa Excelência visitará, a partir de amanhã, as instalações do Projeto Carajás e poderá verificar os benefícios que aporta para toda a região. Temos certeza de que a extração mineral em Moçambique irá, tal como no Brasil, impulsionar iniciativas com ganhos sociais, econômicos e ambientais.

A participação da Camargo Corrêa no projeto hidrelétrico de Nkuwa coloca o empresariado brasileiro na linha de frente da geração de energia no país. Como demonstra a experiência em nosso país, a disponibilidade de energia é elemento fundamental para qualquer processo de crescimento econômico sustentável e robusto como o de Moçambique. Também podemos avançar bilateralmente em matéria de biocombustíveis. Vamos elaborar nos próximos meses com um plano de ação que deverá propiciar uma nova dimensão de desenvolvimento da matriz energética de Moçambique, gerando empregos no campo e contribuindo para combater o aquecimento global.

Estou convencido de que muito em breve a produção mineral e energética moçambicana será um fator determinante de transformação dos fundamentos da projeção externa da África Austral.

Caro amigo Guebuza,

Desde minha última visita a Maputo, em outubro de 2008, já se encontram em discussão novos mecanismos de estímulo ao intercâmbio comercial e de investimentos entre os nossos países. Há alguns dias, missão brasileira foi a Moçambique discutir a extensão de financiamento, no montante inicial de US$ 300 milhões, para novos projetos a serem executados por empresas brasileiras.

Determinei ao ministro Miguel Jorge que organize nova e expressiva missão empresarial a Moçambique em outubro deste ano.

Assinamos hoje o programa executivo para construção do centro de formação profissional do Senai em Maputo que se ocupará da preparação de quadros técnicos necessários para construir um país moderno e competitivo.

As nossas relações vêm se estendendo também a novos campos. Como resultado da visita do ministro Nelson Jobim, da Defesa, o Exército brasileiro oferecerá treinamento a militares moçambicanos na área de missão de paz.

Estamos, ainda, estudando prestar cooperação para o levantamento da plataforma continental de Moçambique.

Senhor Presidente,

Seu país é um exemplo para todos, de que a paz se constrói com diálogo e com respeito à diversidade de opiniões. A realização de eleições gerais multipartidárias de forma regular, democrática e pacífica, confere grande prestígio internacional a Moçambique.

O dinamismo de sua economia consolida a posição de Moçambique como país modelo para os Estados em situação pós-conflito. Por intermédio de Vossa Excelência, quero saudar o povo moçambicano pelas conquistas econômicas e sociais nestes últimos anos.

Transmito a calorosa saudação de todos os brasileiros e faço votos de prosperidade a Moçambique e de muita saúde a Vossa Excelência e aos irmãos moçambicanos.

Muito obrigado.

Fim do conteúdo da página