Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

 

Senhoras e senhores,

É com grande satisfação que participo do lançamento da campanha “Be Brasil”. Este é um importante resultado do trabalho que estamos realizando para dar renovado vigor às atividades de promoção da imagem do Brasil e dos produtos brasileiros no exterior.

Trata-se também de um primeiro fruto da integração da Apex-Brasil ao Itamaraty. Essa integração era indispensável, pois o trabalho de promoção de nossas exportações deve estar em perfeita sintonia com a estratégia mais ampla de nossa política externa e de nossa diplomacia econômica.

Hoje, num mundo em que a competição é árdua, permanente, não se faz nada com qualidade e êxito sem uma visão estratégica do sistema internacional e das forças econômicas em jogo.

Com o apoio do Presidente Temer, uma das prioridades que estabeleci para uma nova agenda de relações exteriores do Brasil é a ênfase na abertura duradoura de novos mercados, na atração de investimentos e no aumento de nossas vendas para o exterior. Dessa forma a política externa pode ajudar de maneira mais concreta na retomada do crescimento econômico de nosso país.

Como tenho dito, nossos esforços nesse campo são guiados pelo pragmatismo e pela busca de resultados palpáveis. Queremos buscar as oportunidades onde quer que elas estejam, em países desenvolvidos, em nossa própria região ou nos continentes mais dinâmicos da economia mundial, como a Ásia e a África.

Afinal, é mais do que tempo de trabalharmos para aumentar a participação do Brasil no comércio mundial. Embora sejamos a sétima economia do mundo com o PIB aferido por paridade do poder de compra, somos hoje apenas o 25º exportador mundial.

Tenho a certeza de que a nova estrutura institucional do Itamaraty, com a já mencionada incorporação da Apex-Brasil e da própria Secretaria-Executiva da Camex, de forma cooperativa e entrosada com o MDIC, fortalecerá nossa capacidade de sermos proativos ante os desafios que a economia internacional nos impõe.

Sob a liderança do Embaixador Roberto Jaguaribe, a Apex-Brasil nos ajudará principalmente em duas vertentes: a) no fornecimento de informações que ajudarão o Itamaraty a negociar acordos comerciais vantajosos para os interesses brasileiros; e b) no apoio direto para que as empresas brasileiras possam melhor aproveitar as oportunidades existentes nos mais diversos mercados externos.

Como resultado da incorporação ao Itamaraty, a Apex-Brasil ganha capilaridade, já que passa a dispor do apoio da ampla rede de setores de promoção comercial que temos em nossas embaixadas e consulados-gerais. 

O êxito dessas iniciativas depende, porém, de criatividade e capacidade de iniciativa. Temos um claro exemplo disso na campanha “Be Brasil”. Como vimos, seu foco principal é utilizar ferramentas de relações públicas para divulgar a qualidade e a inovação de nossos produtos, não apenas em segmentos mais conhecidos, como o agronegócio, mas também naqueles que começam a ganhar projeção, como moda, audiovisual, móveis e design, para mencionar apenas alguns poucos exemplos.

Com a campanha “Be Brasil” estamos fugindo da tendência à inércia burocrática e a “fazer mais do mesmo”. Não é aceitável que levemos adiante uma promoção comercial em moldes antiquados, sem leveza e agilidade, e, sobretudo, sem explorar o grande potencial que temos em diversas áreas.

É por isso que a campanha chama a atenção para três conceitos que até hoje, infelizmente, nem todos associam à nossa economia. São eles: sustentabilidade, criatividade e inovação.

A economia brasileira é muitas vezes identificada com ineficiência, problemas de gestão e baixa competitividade. Isso ocorre menos por culpa de nossos empresários do que pelas dificuldades que enfrentam, especialmente o chamado “custo Brasil”. A redução do “custo Brasil” que recai sobre o comércio exterior é uma das prioridades de minha gestão à frente do Itamaraty.

Nosso setor empresarial é, em sua grande maioria, dinâmico e criativo. Tem a marca da persistência e da inovação, a despeito de todos os problemas que enfrenta. Não é por acaso que somos um dos maiores produtores e exportadores agrícolas do mundo, com uma agricultura tropical de enorme êxito tecnológico, comercial e ambiental. Ou que sejamos o maior produtor mundial de jatos regionais e de celulose a partir do eucalipto, ou o segundo maior produtor de etanol.

Somos também uma das economias mais sustentáveis do planeta, com um dos percentuais de fontes renováveis na matriz energética mais altos do mundo, muitas vezes superior ao dos países desenvolvidos.

O Brasil é o produtor mundial agrícola que mais preserva sua cobertura vegetal nativa, com mais de 60%, segundo a FAO. Nada disso ocorreu por acaso, tendo exigido de nós estudo, pesquisa e investimentos em tecnologia e inovação.

A “Be Brasil” vai ajudar a mostrar que os alimentos e os móveis que produzimos são fruto de uma economia sustentável. Ou que nossa indústria domina tecnologia de ponta em diversas áreas, da produção de “software” à exploração de petróleo em águas profundas.

Vai colocar em evidência também a já conhecida criatividade de nosso povo, refletida em nossa produção audiovisual, em nossa arquitetura, em nossas artes plásticas. Nossos artistas são capazes de obter por força própria grande renome internacional. A “Be Brasil” vai tão-somente ajudar a potencializar esse processo, mostrando ao mundo as criações e manifestações que, por simples falta de apoio, ainda são desconhecidas no mundo.

Os mais de duzentos postos do Itamaraty no exterior serão usados agora como canais para a propagação do conceito do “Be Brasil”, em uma estratégia coordenada de divulgação que irá reforçar a imagem positiva dos negócios brasileiros e a qualidade de nossas empresas.

É dessa forma que venderemos mais para o exterior e também atrairemos mais investimentos, o que contribuirá, repito, para a recuperação de nossa economia e para a geração de mais e melhores empregos em nosso país.

Assim, ajudaremos a fortalecer setores fundamentais para o nosso futuro, estimulando a pesquisa, a inovação e a economia criativa de nosso país.

O que desejamos é explorar o enorme potencial de nossos empreendedores, que mesmo nas circunstâncias mais difíceis continuam apostando no Brasil, demonstrando todos os dias sua capacidade de iniciativa.

É meu compromisso que o Itamaraty e a Apex-Brasil estejam sempre abertos a ajudar nossos empresários e a promover os seus produtos no mundo. Afinal, é essa força inovadora, baseada na sustentabilidade, na criatividade e na inovação, que faz nosso país crescer e que nos estimula a superar os obstáculos que encontramos. Contem com nosso apoio.

Muito obrigado.

Fim do conteúdo da página