Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página


As relações bilaterais do Brasil com o México são diversificadas e têm importância nos campos político, da integração, comercial, de investimentos e de cooperação, entre outros.

No campo político, Brasil e México são parceiros em diversos foros globais, tais como o sistema da Organização das Nações Unidas (ONU), a Organização Mundial do Comércio (OMC) e o Fundo Monetário Internacional (FMI), entre vários outros. Exemplo de coordenação entre Brasil e México em política internacional são as atuações dos dois países no G-20 comercial e no G-20 financeiro. Outro exemplo é a parceria pela proscrição de armas nucleares, simbolizada pelo papel de ambos na Organização para a Proscrição de Armas Nucleares na América Latina e no Caribe (OPANAL).

Em âmbito regional, Brasil e México são parceiros em numerosas iniciativas, como a Organização dos Estados Americanos (OEA), a Associação Latino-americana de Integração (ALADI), a Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (CELAC).

O comércio entre Brasil e México confirma a importância das relações bilaterais. Nos dez anos encerrados em 2014, a corrente de comércio entre os dois países cresceu 93,7%, chegando a US$ 9 bilhões em 2014. Produtos industrializados representam 93,6% do total de exportações brasileiras para o México.

Em 2014, o México foi o 11º parceiro comercial do Brasil, que, por sua vez, figurou como o 8º parceiro comercial mexicano. O México foi a 11ª maior fonte de importações brasileiras e o 14º destino das exportações nacionais. Para o México, o Brasil foi o 8º parceiro comercial e o 6º maior superávit na balança comercial do país.

Na visita de Estado da presidenta Dilma Rousseff ao México, em 26 de maio de 2015, Brasil e México decidiram priorizar a ampliação e o aprofundamento do Acordo de Complementação Econômica nº 53 (ACE-53), que atualmente abrange preferências tarifárias de cerca de 800 itens. Com isso, os dois países buscarão ampliar de forma significativa a relação comercial, seja no campo dos produtos agrícolas e industriais com reduções tarifárias, seja nas áreas de serviços, compras governamentais, medidas sanitárias e fitossanitárias, dentre outras. As negociações ficarão a cargo de um grupo binacional que deverá iniciar seus trabalhos a partir de julho de 2015.

O estoque de investimentos mexicanos no Brasil, pouco acima dos US$ 22 bilhões, de acordo com dados de 2013, faz do mercado brasileiro o principal destino dos investimentos mexicanos na América Latina e o 2º no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. O México ocupa o 7º lugar entre os estoques de IED no Brasil.

Empresas brasileiras são responsáveis por alguns dos maiores investimentos privados no México, notadamente no setor petroquímico, químico e siderúrgico. O estoque de investimentos diretos brasileiros no México, de US$ 1,4 bilhão, vem aumentando nos últimos anos. Destaca-se consórcio formado entre a BRASKEM e o grupo mexicano IDESA para a construção de complexo petroquímico ("Projeto Etileno XXI"), maior investimento privado em curso no México, estimado em US$ 4,5 bilhões. A GERDAU possui projeto de construção de planta siderúrgica, com investimentos estimados em US$ 600 milhões, no Estado de Hidalgo.

Por ocasião da visita de Estado da presidenta Dilma Rousseff ao México, em 26 de maio de 2015, foi assinado Acordo de Cooperação e Facilitação de Investimentos (ACFI) entre os dois países. O ACFI assinado com o México busca incentivar o investimento recíproco através de mecanismo de diálogo intergovernamental. Por meio do ACFI, haverá maior divulgação de oportunidades de negócios, intercâmbio de informações sobre marcos regulatórios e mecanismo adequado de prevenção e solução de controvérsias. Trata-se do terceiro instrumento desse tipo assinado pelo Brasil, após Angola e Moçambique, e o primeiro na América Latina.

A cooperação técnica é outro importante aspecto das relações entre Brasil e México. O programa de cooperação técnica bilateral é de especial interesse pela intensa troca de experiências entre os dois países, evidenciada pela variedade das atividades envolvidas. O programa para o período de 2011 a 2013 totalizou 25 projetos, sendo 9 de cooperação prestada pelo Brasil, 8 de cooperação horizontal (que implica intercâmbio de capacitação), 6 de cooperação recebida daquele país e 2 de cooperação trilateral, envolvendo terceiros países.

A comunidade brasileira no México é estimada em 14 mil pessoas, a maioria residente na capital e região metropolitana.

Cronologia das relações bilaterais

1822-1824 – Primeiras conversações sobre o estabelecimento de relações diplomáticas

1830 – Estabelecimento de relações diplomáticas

1831 – Celebração do Tratado de Aliança, Paz e Amizade Brasil-México

1922 – As representações diplomáticas dos dois países são elevadas ao nível de Embaixada

2000 – O presidente eleito do México visita o Brasil

2002 – Visita oficial do presidente do México ao Brasil

2003 – Visita oficial do presidente Lula ao México

2006 – O presidente eleito do México visita o Brasil

2007 – Visita de Estado do presidente Lula ao México

2008 – Encontro entre os presidentes do Brasil e do México durante a I Cúpula da América Latina e do Caribe sobre Integração e Desenvolvimento (CALC), na Costa do Sauipe

2010 – Encontro de trabalho entre os presidentes do Brasil e do México

2011 – Encontro entre os presidentes do Brasil e do México durante a 66ª Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York

2011A Chanceler do México, Patricia Espinosa, e o Secretário de Economia, Bruno Ferrari, realizam visita de trabalho ao Brasil (7 de dezembro)

2012 – O presidente eleito do México visita o Brasil

2013Visita ao Brasil do Secretário de Relações Exteriores dos Estados Unidos Mexicanos, José Antonio Meade Kuribreña (maio)

2013 – Encontro entre os presidentes do Brasil e do México durante Cúpula da CELAC, em Havana (Cuba)

2014 – Encontro entre os presidentes do Brasil e do México durante Cúpula da CELAC, em Santiago (Chile)

2015 – Encontro entre os presidentes do Brasil e do México durante Cúpula da CELAC, em São José (Costa Rica)

2015Visita ao Brasil do Secretário de Relações Exteriores do México, José Antonio Meade Kuribreña (Brasília, 12 de maio)

2015Visita de Estado da presidenta Dilma Rousseff ao México (26 e 27 de maio)

2015 – O ministro das Relações Exteriores, embaixador Mauro Vieira, e o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando de Queiroz Monteiro Neto, assinaram o Acordo de Cooperação e Facilitação de Investimentos entre o Brasil e o México, com o secretário de Economia do México, Ildefonso Villarreal, por ocasião da visita da presidenta Dilma Rousseff (26 de maio)

2016 – Viagem do ministro Mauro Vieira ao México, por ocasião da III Reunião da Comissão Binacional Brasil-México (22 e 23 de fevereiro)

2016 – Realiza-se em Brasília a IV Reunião Negociadora para a Ampliação e Aprofundamento do Acordo de Complementação Econômica Nº 53 (ACE 53) (5 a 7 de julho)

2016 – Viagem do ministro José Serra ao México, ocasião em que mantém reuniões de trabalho com a chanceler Claudia Ruiz Massieu e com o secretário de Economia, Ildefonso Guajardo (25 de julho)

2017 – O ministro Aloysio Nunes Ferreira mantém reunião de trabalho com o Secretário de Relações Exteriores do México, Luis Videgaray, por ocasião da 29ª Reunião de Consulta dos Ministros de Relações Exteriores da Organização dos Estados Americanos, em Washington (31 de maio)

 
 
Fim do conteúdo da página